Mostrando postagens com marcador antissionismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador antissionismo. Mostrar todas as postagens

25 de out. de 2019

10 de abr. de 2018

Vereadora Teresa Bergher protocola representação contra Milton Temer

Vereadora Teresa Bergher protocola representação contra Milton Temer

Teresa Bergher - Coisas JudaicasA vereadora Teresa Bergher fez um pronunciamento  na Câmara Municipal do Rio de Janeiro sobre nota do PSOL e de Milton Temer, que chamaram Israel de Estado genocida e nazista. 
“Não fiquei apenas no discurso e hoje protocolei uma representação junto ao Ministério Público Federal, exigindo a retirada imediata dessas notas do site do PSOL, sob pena de aplicação de multa diária. Lamentei que agora a Câmara abrigue em seu quadro de vereadores o também antissemita Babá, que queimou em praça pública a bandeira do Estado de Israel e postou a imunda nota do PSOL. Deixo claro que o PSOL na Câmara, até o presente momento, sempre me respeitou e jamais teve qualquer atitude antissemita ou de afronta à comunidade judaica ou ao Estado de Israel”.
Discurso na íntegra
Senhora Presidente desta Sessão, senhores vereadores e vereadoras, funcionários: se tem uma coisa que eu não gosto de fazer é subir a esta Tribuna para discutir problemas de outras nações, de outros países, obviamente, já que o nosso Brasil tem tanto problema. A nossa cidade enfrenta o caos hoje, violência extrema, mas eu tenho que me posicionar, porque as agressões foram por demais violentas.
De início, quero realçar o equívoco que é um partido que tem no próprio nome as palavras “socialismo” e “liberdade” fazer questão de condenar – notem bem – o único estado democrático do Oriente Médio na prática, enquanto os demais povos da região vivem há séculos sob regimes opressores que lhes negam os mais elementares direitos. Pois o PSOL alia-se ao que há de mais atrasado em matéria de política, ao chamar o Estado de Israel de nazista e genocida. Isto em função do recente conflito envolvendo forças de segurança israelenses e manifestantes radicais palestinos que, à margem de qualquer negociação, tentam impor sua noção ultrapassada de que eles têm direito a viver na região e usam de todos os meios violentos para efetivá-la, provocando soldados israelenses; chegando ao cúmulo, senhoras e senhores, e eu tenho um vídeo, de oferecerem os próprios filhos para a morte. Eles dizem para os soldados israelenses: “Matem, quero ver vocês matarem essa criança”. Pura provocação. Batem no rosto dos soldados israelenses e dizem: “Agora batam em mim também”. Pura provocação. Vai morar na região ou vai viver alguns dias na região para sentir o que é aquele inferno.
Tamanha a indignidade da postura antijudaica do PSOL, que, ao que parece, a Federação Israelita do Rio de Janeiro está exortando os filiados judeus a retirarem-se dos quadros do partido, que exercita uma noção tão particular do que sejam socialismo e liberdade. De minha parte, vou um pouco mais além: estou entrando com uma representação junto ao Ministério Público Federal contra o PSOL e o antissemita declarado Milton Temer. Para reagir a essa postura antidemocrática e de aberta hostilidade a uma nação-irmã dos brasileiros – e que nasceu sob inspiração, entre outros, de um eminente brasileiro, Osvaldo Aranha.
A questão do Oriente Médio só será resolvida na mesa de negociações. Sou totalmente a favor da criação do Estado Palestino, desde que com fronteiras seguras para Israel. Violência insuflada por radicais não levará a nada, exceto à exploração demagógica, como vem fazendo o PSOL, e à perpetuação de uma situação que só interessa aos inimigos da paz, que passam o tempo fingindo defendê-la. Por que, eu pergunto, o foco do PSOL é sempre direcionado parao Estado de Israel e não se manifestam em relação às inúmeras atrocidades que acontecem na região? Como, por exemplo, centenas demilhares mortos na Síria no mais escandaloso massacre dos últimos tempos. O Estado Islâmico, que chega a degolar crianças. As 100 vítimasrecentes do islamismo, agora na Somália. Os 12 assassinatos no lêmen, entre eles, sete crianças. Nestes casos, silêncio total. Sabem por quê? Porque o PSOL, infelizmente, tem o peso e uma posição totalmente antissemita declarada e do senhor Milton Temer, que tem uma influência muito grande no partido, o que eu lamento. Infelizmente, agora, temos nesta legislatura, porque tenho certezade que a saudosa Marielle Franco não comungaria desse pensamento, um vereador que queimou a bandeira do Estado de Israel em praçapública. Uma bandeira de um país, que é o seu maior símbolo.Além disso, ele se presta ao infame papel de publicar em suapágina uma odiosa campanha antissemita, protagonizada, sim, pelo seu partido, o PSOL.
Eu quero deixar aqui registrado que, até o presente momento, a minha relação com os vereadores do PSOL sempre foi respeitosa. Nunca nesta Casa vi qualquer manifestação de antissemitismo ou de afronta ao Estado de Israel. Nada tenho contra os vereadores do PSOL nesta Casa. Sempre fui respeitada por eles e espero que assim continue.

23 de jan. de 2018

Primeira modelo com hijab demite-se por tweets contra Israel

Primeira modelo com hijab demite-se por tweets contra Israel

Primeira modelo com hijab demite-se por tweets contra Israel

O grupo L'Oreal já fez saber que concorda com a decisão da manequim

A modelo britânica Amena Khan, que tinha sido escolhida pelo grupo L'Oreal para protagonizar uma campanha publicitária no Reino Unido, decidiu demitir-se esta segunda-feira, depois de terem sido partilhados tweets seus de 2014 nos quais criticava a política de Israel. Khan foi a primeira manequim a usar um hijab numa campanha publicitária.

"Com profundo arrependimento, decidi retirar-me desta campanha, porque os comentários atuais prejudicam o sentimento positivo e inclusivo que eu tinha decidido fornecer", explicou Amena Khan. As mensagens, publicadas no Twitter em 2014, foram imediatamente removidas da rede social e a modelo pediu desculpas por todos os "danos e dor" que podem ter causado. "Sinto muito", acrescentou.

"Defender a diversidade é uma das minhas paixões, não discrimino ninguém", disse, num comunicado publicado na sua conta de Instagram.
A modelo disse ainda que esperava que o seu papel nos anúncios inspirasse outras mulheres que usam o hijab. "É uma plataforma para mulheres que não se encaixam no estreito cânone de beleza", disse a manequim, numa entrevista à BBC a propósito da campanha publicitária.

Por sua vez, o grupo L'Oréal já fez saber que aprova a decisão da modelo. "A L'Oreal Paris está comprometida com a tolerância e o respeito por todas as pessoas, concordamos com a decisão de [Amena Khan) desistir da campanha", acrescentaram, citados pelo El País.

29 de ago. de 2014

Mensagem enviada à candidata Luciana Genro

Mensagem enviada à candidata Luciana Genro

Mensagem enviada à candidata Luciana GenroLuciana Genro



Shalom Luciana


Sei que esta saudação não é a mais adequada para o seu temperamento. 

Primeiro, porque ela significa PAZ , ao contrário da sua trajetória política onde procurou sempre o confronto. 
Segundo, porque apesar da sua ascendência judaica, e mesmo tendo sido professora no Colégio Israelita de Porto Alegre, passou a maior parte da existência negando as próprias origens e condenando o Estado de Israel. 
Ajudou a fundar um partido político nitidamente antissemita, onde edis de atuação obscura e que se enquadram no perfil de vereadores inúteis, apresentaram uma "moção" destilando o costumeiro ódio contra o povo de Israel. 

O que nos causa estranheza, Luciana, é o fato de que grupos terroristas estão decapitando inocentes no Iraque e na Síria, já causaram mais de 1500 assassinatos em jovens de forma covarde e sem chances de defesa, forçando conversões na população cristã.  Já foram mortos milhares e milhares de pessoas inocentes juntos com suas crianças, por não aceitarem a conversão ao islamismo. 

Porque você ou alguém do seu partido não se lembrou de condenar as atrocidades em Alepo e Mosul? Nem mesmo uma palavrinha contra a decapitação do jornalista norte-americano? Nenhuma indignação pelas crueldades da ISIS e dos radicais assassinos? 

Gostando ou não, corre em suas veias um pouco de sangue hebreu e o partido a que você pertence se preocupa muito em instilar o ódio contra a sua própria origem.  

Saiba então, Luciana que, com o crescente aumento do antissemitismo no mundo, com o qual você, ingenuamente, colabora, se um dia voltarem os crematórios e as câmaras de gás, e pertencendo à terceira geração, essas mesmas pessoas que a rodeiam, por miopia e interesses pouco confessáveis, serão as primeiras a denunciar sua origem judaica, assim como lhe colocar um pijama listrado com uma Estrela de David amarela.  

Você já pensou nisso? 

ATENCIOSAMENTE,

Dr. Moisés Eli Magrisso
Médico - RGS

30 de ago. de 2013

De Martin Luther King Jr.: “Carta para um amigo antissionista”

De Martin Luther King Jr.: “Carta para um amigo antissionista”

Martin Luther King
“... Meu amigo, você declara que não odeia os judeus, que é meramente ‘antissionista’. E eu digo: deixe a verdade ultrapassar os altos cumes de montanha, deixe-a ecoar através dos vales da vicejante terra divina. Quando alguém critica o sionismo, quer dizer judeus – esta é a própria verdade divina. O antissemitismo – o ódio contra pessoas judias – tem sido e permanece uma mácula no espírito da humanidade. Nesse sentido, tenha conhecimento disso: antissionismo é inerentemente antissemita, e será sempre assim.

Por que isso? Você sabe que o sionismo não é nada mais do que o sonho e ideal de o povo judeu retornar a viver em sua própria terra. As Escrituras nos contam que o povo judeu só gozou de um florescente Estado na Terra Santa, da qual foram expulsos pelo tirano romano – os mesmos Romanos que assassinaram Nosso Senhor. Arrancado de seu lar, com sua nação em frangalhos, o povo judeu foi forçado a perambular pelo globo, constantemente sofrendo o castigo de qualquer tirano que por ventura estendesse sua autoridade sobre si.

Meu amigo, o povo negro sabe o que é sofrer o tormento da tirania de governantes que não são de nossa escolha. Nossos irmãos na África têm esmolado, suplicado, requerido e pedido o reconhecimento e realização de nosso direito natural de viver em paz sob nossa própria soberania em nosso país. Para qualquer um que se agarrasse a este inalienável direito de toda a humanidade, seria tão fácil entender e apoiar o direito de o povo judeu viver em sua antiga Terra de Israel. Todo homem de boa vontade exulta no cumprimento da promessa de Deus de que seu povo deveria retornar e gozar da reconstrução de sua espoliada terra. Isto é o sionismo, sem nada mais, nem nada menos.

E o que é antissionismo? É a negação ao povo judeu de um direito fundamental que nós justamente clamamos para o povo africano e com o qual todas as nações do globo concordam. Meu amigo, trata-se de discriminação contra os judeus por eles serem judeus. Em suma, é antissemitismo. O antissemita regozija-se com toda a oportunidade de espalhar sua malícia. No Ocidente, os tempos têm tornado impopular proclamar abertamente o ódio aos judeus. Sendo este o caso, o antissemita busca constantemente novas formas e fóruns para seu veneno. Como ele deve deleitar-se em novo disfarce!...Ele não odeia judeus, ele é ‘antissionista’!...

Meu amigo, não acuso você de deliberado antissemitismo. Sei que você sente, como eu, um profundo amor pela verdade e justiça, e uma repulsa contra racismo, preconceito e discriminação. No entanto, sei que você, como tantos outros, tem sido mal conduzido a pensar que pode ser ‘antissionista’ e ainda permanecer fiel a estes sinceros princípios que dividimos. Deixe ecoar minhas palavras na profundeza de seu espírito: quando alguém critica o sionismo, quer dizer judeus – não se engane quanto a isso”.
Líderes religiosos marcham no Cemitério Nacional de Arlington,
no Estado de Virgínia, em protesto contra a Guerra do Vietnã, em
06 de fevereiro de 1968. A partir da esquerda: rabino Abraham Heschel,
Martin Luther King, pastor Ralph Abernathy, rabino Maurice Eisendrath
(com a Torá) e rabino Everett Gendle. Foto: Duke University.

30 de out. de 2009

Carta Para Luciana Genro

Carta Para Luciana Genro

Porto Alegre, 18 de outubro de 2009.

Deputada Luciana Genro;


Como cidadão, e principalmente como judeu, não posso deixar de comentar a foto a qual tem sido divulgada em seu Orkut e demais meios de comunicação, onde V. Excelência aparece com o tradicional “Lenço Símbolo da Luta – Guerra – Palestina”. Não falo aqui de um simples “lenço”, um pedaço de pano qualquer que se veste para proteção, mas sim de um símbolo de uma luta que tem custado a vida não apenas de palestinos mas de ISRAELENSES, JUDEUS E NÃO JUDEUS, dentre outros inocentes...

Trata-se de um “pedaço de pano”, que simboliza para muitos, o mesmo do que a antiga “CRUZ GAMADA”, simbolizava para os membros do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores da Alemanha – que coisa engraçada Partido dos Trabalhadores - , também conhecido como Partido Nazi, ou simplesmente Nazi.

Tenho visto V. Exa., a quem respeito e conheço desde nossos embates no colégio Julio de Castilhos, ter realizado falas em favor de Hugo Chaves – que não por acaso tem apoiado o Revisionista Líder Iraniano Ahmadinejad, que dentre outras situações tem feito grandes campanhas pela destruição total de Jerusalém, a Capital Sagrada não apenas para judeus, mas para Cristãos também.

Não preciso te dizer sobre a onda de perseguições aos Judeus e Sinagogas na Venezuela, as pichações e violações de túmulos nos cemitérios de Caracas......Isto tudo aos olhos de Chaves – que nada tem haver com o tão querido Chavo Del Ocho, de Roberto Bolanos -, que não cansa de apoiar os atos reprováveis de anti-judaísmo ocorrentes em seu país e fora dele.

Mais ainda...

Não se esconda atrás da falácia referida a Marx como Judeu alemão para justificar sua escolha pela linha Marxista – e não marxiana a qual nada tem haver com o que vemos por aí -, ou teu respeito pelo Povo Judeu dizendo que sionismo é uma coisa e judaísmo é outra. Marx nunca foi praticante do judaísmo e acho que nunca entrou em uma sinagoga....(fato que até então não tem relevância alguma). Ou ainda por dizer que o próprio Liev Davidovitch Bronstein conhecido por todos como TROTSKY, também era judeu.....Ou ainda outros vários..... Defensores do Nazismo ainda hoje ainda dizem que JESUS NÃO ERA JUDEU...

Nem mesmo Escrivá, criador da Opus Dei disse bobagens tão grandes sobre o teu povo Luciana. E hoje, após o Concílio Vaticano Segundo, muitas barreiras foram rompidas e me permite dizer que o diálogo entre os povos tem sido muito bom... Pelo menos entre os Cristãos e Judeus, cada qual com sua fé.

Não se trata aqui de uma missiva contra o pensamento de esquerda o qual sabemos nós és uma defensora. Meu respeito pelas tuas causas que te diferenciam tanto de outros políticos no Brasil. Tua ética em sair do Partido dos Trabalhadores, tuas posições contra o mensalão a fazem realmente ser reconhecida como uma política de respeito.

Mas lembro-te que nós judeus não somos bichos com rabo pontudo, que andamos com tridente querendo matar pobres palestinos – que se escondem atrás de suas crianças -, ou que tratamos os muçulmanos como “o grande mal do século 21”. Também não somos aquele grupo que pretende “dominar o mundo através da detenção dos meios de comunicação e dos bancos”, como dito secularmente, mas com mais ênfase depois da publicação da apócrifa obra “Os Protocolos dos Sábios de Sião”.

Temos Judeus, Cristãos Católicos, Evangélicos, Messiânicos, Negros (judeus ou não), Japoneses e Chineses ( Judeus ou não), Muçulmanos, ou mesmo de ateus ( socialistas ou não). Afinal, cada qual com seu pensamento, com sua fé;

Mas o que me deixa realmente perturbado é o fato de V.Senhoria, neta de uma Judia – que deve ter te contato o que passou na Europa -, e que deu aulas no Colégio Israelita (ou seja, recebeu dinheiro judaico), apoiar toda e qualquer forma e pensamento de pessoas anti-judaicas, que só querem a destruição do Estado de Israel ( alias o único em que práticas socialistas deram certo sem a necessidade de um estado Totalitário).

Apenas te lembro que em caso de um novo Holocausto pouco poderemos fazer para te defender daqueles que hoje tu apóias, pois talvez não estejamos vivos. Apenas te lembro que muitos assimilados alemães só foram se dar conta de sua descendência quando já estavam em Auschwitz....

E este será teu caminho, teus hoje parceiros te usam dizendo que admitem até ter uma descendente de judeus como apoiadora como forma de se dizer não anti-judeus. Mas longe de ti, te chamam de judiazinha, e quem sabe pelos teus atributos físicos não pensei em piadas do tipo, colocaremos a Luciana Genro na ala chamada Joy Division, onde os membros da SS (Totemkopf) se divertiam com “prostitutas judias” pegas dentro dos barracões em troca de mantega.

É Luciana, o mundo gira, mas para nós Judeus ele infelizmente gira mais rápido e contra nós. Tivemos a Inquisição, a Segunda Guerra e estamos aqui.... Mas o futuro é incerto... E o Fórum Social Mundial vem aí, com provavelmente CHAVES e sua própria SS ( e SA ) juntas no Exército Bolivariano ( nem Simon Bolívar iria aprovar tal obscenidade). O mesmo tipo de exército que Hitler criou para massacrar nossos parentes e amigos de nossos parentes e até mesmo os Comunistas da Alemanha.

Por fim Luciana – e acho que posso te chamar assim – te lembro que sempre serás judia, mesmo que não aceites. E que ainda podes corrigir alguns atos teus, pois nosso Talmud é claro em dizer que “o homem erra, mas reconhece seus erros”. Aprendi isto com meu Professor e Mestre querido Rabino Ruben Najmanovich. Nunca é tarde para se corrigir....

Mas caso isto não seja suficiente..... termino minha Carta para ti citando um JUDEU FAMOSO DENTRE TANTOS QUE NOSSO POVO PERMITIU CRESCER E QUE AJUDOU A HUMANIDADE ( E ISTO INCLUI JESUS CRISTO, SABIN, ERIC FROMM, FREUD, JERRY LEWIS, OS TRÊS PATETAS, E OUTROS JUDEUS QUE DEVES CONHECER).

“Se a minha teoria da relatividade estiver correta, a Alemanha dirá que sou alemão, e a França, que sou cidadão do mundo. Mas se eu estiver errado, a França sustentará que sou alemão, e a Alemanha garantirá que sou judeu.” – ALBERT EINSTEIN – Judeu e Sionista.

Atenciosamente.

Ilan Tchernin Himelfarb
himelfarb@hotmail.com