14 de jan. de 2021

Israel disse que planeja fazer lobby com Biden para facilitar os direitos dos novos aliados do Oriente Médio

Israel disse que planeja fazer lobby com Biden para facilitar os direitos dos novos aliados do Oriente Médio

Autoridades de defesa temem que o novo governo dos Estados Unidos reprima os abusos da Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes Unidos, colocando em risco a melhoria dos laços de Israel com eles e fortalecendo o Irã. 

Israel está planejando pressionar o governo do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, para não pressionar seus aliados regionais Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes Unidos em questões relacionadas aos direitos humanos, para evitar ferir os laços abertos ou encobertos que o estado judeu está cada vez mais desfrutando, de acordo com um relatório publicado quinta-feira.

Israel vê seus laços com países árabes relativamente moderados da região como uma ferramenta poderosa para conter a influência desestabilizadora do Irã.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem cultivado essas alianças e evitado criticar os regimes autocráticos, mas Biden prometeu priorizar as questões de direitos humanos em sua política externa e está enfrentando a pressão de alguns democratas para mudar o curso.

O site de notícias Walla citou altos funcionários da defesa israelense dizendo que Jerusalém teme particularmente que Biden tome medidas contra a Arábia Saudita por causa de sua guerra no Iêmen, na qual observadores alegam abusos generalizados de direitos e alvos de civis.

Riade está enfrentando uma insurgência de rebeldes iemenitas hutis apoiados por Teerã, e Israel está preocupado que as ações americanas possam fortalecer as forças radicais no Iêmen e aumentar o domínio do Irã no país atingido pela guerra, de acordo com o relatório.

Tribos leais aos rebeldes Houthi do Iêmen erguem suas armas enquanto entoam slogans durante uma reunião que visa mobilizar mais lutadores para o movimento em Sanaa em 25 de fevereiro de 2020. (AP Photo / Hani Mohammed)

O governo Trump esta semana designou os rebeldes Houthi como um grupo terrorista, levantando questões de direitos internacionais. Riade, Abu Dhabi e Cairo acolheram o anúncio, mas Israel não comentou. Jerusalém está cada vez mais preocupada com a possibilidade de o Iêmen ser usado para lançar um ataque iraniano contra Israel.

As autoridades israelenses supostamente planejam dizer a Biden que a região passou por mudanças significativas com os recentes acordos de normalização de Israel com os Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos, e que o estado judeu espera que Washington priorize esse processo em vez de questões de direitos.

As autoridades também foram citadas como dizendo que Israel encorajou nas últimas semanas Cairo e Riad a tomar medidas construtivas em direitos humanos para “melhorar a atmosfera” e se preparar para o diálogo com o governo Biden.



Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal . 
Veja como: 


SHARE THIS

Author:

O Coisas Judaicas cobre uma das partes mais complicadas e controversas do mundo, o Estado de Israel. Determinado a manter os leitores totalmente informados e capacitá-los a formar e desenvolver suas próprias opiniões, o Blog existe de 2005 e sempre procuramos dar a nossos leitores noticias e opiniões avalizadas. Sobre Israel, a região e o mundo judaico.

0 comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não do Blog. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.Não publicamos comentários anônimos. Coloque teu URL que divulgamos