10 de dez. de 2020

Os gentios anseiam pelo amor do Deus de Israel


Os gentios anseiam pelo amor do Deus de Israel
 Rafael Castro 

O cenário inverso é inimaginável: nenhum judeu devoto sentiria a necessidade da aprovação dos Evangelhos, do Alcorão ou do Baghavad Gita!


Recentemente, postei no Facebook o seguinte: “O povo judeu sente o desejo de ser amado pelas nações. As nações desejam ser amadas pelo Deus de Israel. ”

A primeira frase é evidente na gratidão que a maioria dos judeus sente pelos gentios que apreciam a beleza do judaísmo. Esse sentimento é tão forte que muitas vezes é mal direcionado, como quando os judeus (e o Estado judeu) confundem bajulação com amizade e não distinguem amigos verdadeiros de amigos falsos.


Não existe um único gentio que, no fundo, não saiba que os judeus são o povo de Deus. Ao mesmo tempo, cada gentio sente, embora erroneamente, que o Deus da Torá não os ama.
A segunda frase é enigmática para a maioria dos judeus, mas clara para os não judeus familiarizados com o ensino e a história judaica. Não existe um único gentio que, no fundo, não saiba que os judeus são o povo de Deus. Ao mesmo tempo, cada gentio sente, embora erroneamente, que o Deus da Torá não os ama.

Essa dor psicológica caracteriza, em algum ponto, o encontro de todo gentio pensante com o judaísmo. Isso se reflete na história das religiões abraâmicas: os teólogos cristãos, que acreditavam na verdade da Torá, ficavam magoados com sua indiferença para com os não judeus. Portanto, eles desenvolveram a doutrina de que o filho de Deus morreu na cruz para perdoar os pecados da humanidade. Isso era importante por um motivo simples: mostrava que Deus amava toda a humanidade.

No Islã, a dinâmica era semelhante. Maomé foi inspirado o suficiente para perceber que Deus é um e indivisível. Em outras palavras, ele sabia que a Torá estava certa. Mohammed poderia ter abraçado o caminho de Noahide.

Ele não o fez, percebendo que os rabinos da época não tinham interesse em fazer proselitismo e compartilhar a Torá com as nações. Arrasado por essa compreensão, ele fez o que amaldiçoou a história para sempre: mudou a direção da oração do Islã de Jerusalém para Meca e abandonou a orientação judaica de seus ensinamentos éticos.

Quando postei este meme no Facebook, recebi curtidas das pessoas mais inesperadas: de um devoto muçulmano xiita no Paquistão, de um xeque egípcio envolvido no diálogo inter-religioso, de um católico devoto e até de um hindu que vive na América.

O cenário inverso é inimaginável: nenhum judeu devoto sentiria a necessidade da aprovação dos Evangelhos, do Alcorão ou do Baghavad Gita!

Para lidar com essa sede de verdade, existem movimentos Noahide emergindo ao redor do mundo. Esta é uma oportunidade tremenda e uma ameaça mortal. É uma ameaça mortal se os ensinamentos de Noahide forem distorcidos e usados ​​como uma forma de yeshivas com poucos recursos ganharem dinheiro com nossa sede de espiritualidade e verdade. Se isso acontecer, e os gentios sentirem que os rabinos os vêem como doadores em potencial, as consequências para o povo judeu serão catastróficas.

Eu pessoalmente conheço a experiência de sentir amor e ressentimento pela Torá e pelos judeus ao mesmo tempo. Na história, essa ambivalência se manifesta no ciclo contínuo de judeus sendo mais maltratados depois de terem sido muito bem-vindos.

Esta não é necessariamente uma falha essencial da natureza gentia. Este é um reflexo do que todos os humanos precisam para estar em paz consigo mesmos e com o mundo: Verdade, Amor, Respeito, Reconhecimento e Significado. O povo judeu sobreviveu a todas as provações graças à Torá que lhes deu esses cinco elementos. Muitos gentios estão cada vez mais cientes de que suas tradições religiosas não transmitem a verdade. O Judaísmo, portanto, precisa fornecer-lhes a Torá junto com amor, respeito, louvor e significado para que a visão dos profetas seja possível.

Em outras palavras, os judeus não precisam de ninguém para derrotar seus inimigos e trazer a paz universal dessa forma. Suas armas vitoriosas são os valores e virtudes de sua fé.

Rabinos comuns precisam começar a ensinar judeus e gentios que somos todos igualmente amados, mesmo que não sejamos iguais e as expectativas de Deus sejam diferentes. Não temos que guardar 613 mandamentos, mas apenas 7 - o que não é um requisito fácil.

A atitude dos judeus para com os gentios deve ser semelhante à de Cohanim para com os Leviim e Israel. Você deve nos abençoar e ser diferente de nós, pois somos diferentes de você.

Se os rabinos dividirem o mundo ideal entre judeus e Noéhides ou disserem que os judeus são os primogênitos na irmandade dos homens, à menor vaidade judaica, sentiremos o desejo de jogá-lo em um buraco.

Os rabinos devem enfatizar que judeus e gentios são todos filhos de Noé. Depois de dizer isso, eles podem explicar a missão universal e única de Israel como uma nação de sacerdotes. Se o fizerem, as nações do mundo irão, com sorte, aceitar o significado da Torá. E quando isso acontecer, vamos abraçar e chorar como José e seus irmãos durante milhares de anos de ciúme, ressentimento e ódio desnecessários.

Nações Noahide
POUSADA
Rafael Castro é analista político e de negócios formado pela Yale and Hebrew University e mora na Europa. Rafael é especialista em revisão, edição e ghostwriting de textos de qualidade para empresários e políticos. Ele é um Noahide em seus beleifs. Rafael pode ser contatado em rafaelcastro78@gmail.com

Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal ou na Vaquinha virtual . 
Veja como: 


SHARE THIS

Author:

O Coisas Judaicas cobre uma das partes mais complicadas e controversas do mundo, o Estado de Israel. Determinado a manter os leitores totalmente informados e capacitá-los a formar e desenvolver suas próprias opiniões, o Blog existe de 2005 e sempre procuramos dar a nossos leitores noticias e opiniões avalizadas. Sobre Israel, a região e o mundo judaico.

0 comentários:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não do Blog. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.Não publicamos comentários anônimos. Coloque teu URL que divulgamos