19 de nov. de 2020

Sophia Loren como "madame" sobrevivente de Auschwitz não consegue salvar 'The Life Ahead'



Sophia Loren como "madame" sobrevivente de Auschwitz não consegue salvar 'The Life Ahead'

Agora na Netflix, a reinicialização em inglês do vencedor do Oscar de 1977 do diretor israelense Moshe Mizrahi suga a vida de seus personagens vibrantes, parecendo monótono e forçado.


NOVA YORK - O que uma mãe não fará por seu filho! Sophia Loren, que recentemente completou 86 anos, alcançou tudo o que se pode alcançar no cinema, e quase não precisa do incômodo dos horários das chamadas para definir, apenas para ficar sentada esperando as luzes serem ajustadas. (Fazer filmes, você deve saber, é um negócio tedioso e cansativo.) Mas se for seu filho dirigindo e trabalhando a partir de um livro que já é um vencedor comprovado quando adaptado para o cinema, você diz ok, ok, eu farei.

E é por isso, eu suspeito, que temos “The Life Ahead”, um drama pesado de Edoardo Ponti que diz “saia do meu caminho, há uma estrela aparecendo”. Conta a história de Madame Rosa, uma ex-prostituta dura como pregos e sobrevivente de Auschwitz, que oferece uma espécie de creche para filhos de “meninas trabalhadoras”. Agora, no final de sua vida, ela forma um vínculo com um ladrão órfão chamado Momo, nascido no Senegal e morando nas ruas de Bari, na Itália, que só precisa.

O filme estreou direto na Netflix neste fim de semana e, mesmo com a pandemia do coronavírus arruinando a narrativa típica da “temporada de premiações”, concede a Sophia Loren a oportunidade de aquecer sua pele com os holofotes do tapete vermelho mais uma vez. É seu primeiro filme desde o musical “Nove” em 2009.

“The Life Ahead” é baseado no romance de 1975 “The Life Before Us” de Romain Gary, um judeu lituano cuja família se mudou para a França em 1928 quando ele era adolescente. Embora convertido ao catolicismo por sua mãe, ele entrou na Força Aérea Francesa no auge da Segunda Guerra Mundial e suspeitou que sua falha em receber uma comissão de oficial foi devido ao anti-semitismo. Ele lutou com os franceses livres baseados na Inglaterra e, após a guerra, tornou-se escritor e diplomata. Sua carreira o levou para Los Angeles, e ele acabou se casando com a atriz Jean Seberg. (Quando ela pisou nele com Clint Eastwood, ele supostamente desafiou Eastwood para um duelo.)

A questão é que Gary viveu uma vida grande e ousada e, embora eu não tenha lido “The Life Before Us”, alguém poderia pensar que uma adaptação de sua obra seria igualmente repleta de drama. E é isso que você encontrará na versão de 1977 de “The Life Before Us”, dirigida pelo diretor israelense Moshé Mizrahi.

Aquele filme francês, “Madame Rosa”, rendeu a Mizrahi o Oscar de melhor filme em língua estrangeira (o primeiro cidadão israelense de apenas quatro a ganhar aquela estátua preciosa) e a estrela do filme, Simone Signoret, ganhou o César (Oscar da França) de melhor atriz.

A versão Signoret de 1977 de Madame Rosa, em última análise, uma força para um bem tremendo, não tem o halo de um santo. Nós a conhecemos quando ela está subindo as escadas, reclamando dos pés doloridos. Quando ela vê Momo pela primeira vez, ela deixa escapar um pouco de islamofobia casual. Ela tem aquela atitude de “pegar ou largar” que as mulheres geriátricas que viram de tudo podem se safar. Mais tarde, quando seu controle da realidade começa a ficar vacilante, ela sofre delírios paranóicos específicos sobre a batida policial em Paris em 1942.

A versão de Loren, por outro lado, arrasta drasticamente a maior parte do que torna o personagem interessante. Esta produção tira o máximo partido do simples facto de este ícone do cinema - verdadeiramente uma das últimas estrelas do cinema internacional da Idade de Ouro que ainda está entre nós - se permite parecer maltrapilho.

Bem, "filme gasto", se isso faz algum sentido. Claro, quando ela entra em um de seus devaneios perplexos, ela pode olhar fixamente para um vazio, mas ainda tem um brilho inegável. Ela é uma daquelas mulheres que está sempre arrumada, mesmo quando está doente na cama, que vai de encontro a uma narrativa de “uma atuação tão corajosa” de uma lenda.

Edoardo Ponti, à esquerda, dirigindo sua mãe Sophia Loren, sentada, em 'The Life Ahead'. (Cortesia)

O carisma de Madame Rosa a ajuda a manter um círculo de homens mais velhos e de meia-idade, incluindo um Dr. Coen, sempre ansioso para ajudar, mas agora precisa de um favor próprio. Ele é o primeiro a trazer Momo, de 11 anos, até ela, por mais relutante que a criança possa estar. No início, ela também não quer nada com ele (a não ser pegar de volta os castiçais que ele roubou), mas com o tempo eles terão um vínculo forte.

O menino não tem ideia do que representam os números tatuados em seu braço, mas começa a entender que ela sobreviveu a algo. (Um menino judeu romeno que também fica no apartamento considerável de Madame Rose, que recebe aulas de Haftará à força, acha que os números representam algum tipo de código de agente secreto.)

Ibrahima Gueye como Momo em 'The Life Ahead', dirigido por Edoardo Ponti. (Cortesia)

Madame Rosa também usa um pequeno colar com a estrela de Davi, que fica mais evidente quando ela está tentando conseguir um favor de um lojista muçulmano local. Ela espera que ele dê ao problemático Momo um emprego algumas horas por semana e talvez também lhe ensine um pouco sobre sua fé. (Ele faz isso e também adiciona algumas lições sobre Victor Hugo.)

Embora a fachada dura de Momo eventualmente comece a desmoronar, ele ainda está guardando dinheiro de seu trabalho como vendedor de drogas na escola e em outros lugares. Com o tempo, porém, ele faz uma promessa a Madame Rosa de que nunca a deixará ficar presa em um hospital, não importa o quão doente ela pareça. Isso se torna um ponto importante da trama no final do filme.

Embora os personagens e o cenário geral de “The Life Ahead” sejam ricos em possibilidades, a incapacidade de Ponti de deixar sua mãe parecer tudo menos perfeita impede tudo. O filme está implorando por algum vigor, mas quando alguma ação acontece, é ridiculamente forçada. Depois de uma série de cenas sem vida, a vizinha do andar de baixo, uma prostituta transgênero excêntrica da Espanha, meio que invade como uma versão trabalhadora do sexo de Kramer de "Seinfeld", põe um disco e começa a dançar sem nenhuma motivação além de "ugh, precisamos colocar algo no trailer que pareça inspirar as pessoas a sintonizar. ”

Sophia Loren como Madame Rosa 'The Life Ahead', dirigido por Edoardo Ponti. (Cortesia)

Há também um tema recorrente em que Momo tem visões de uma leoa rondando, cujos efeitos visuais são tão ruins que é difícil se preocupar com o simbolismo. Outra recorrência não-pretendo-ser-engraçado-mas-isso-faz-você-rir é Madame Rosa se esgueirando para seu "covil judeu" secreto, um apartamento no porão cheio de fotos antigas e menores, mas a música de violino shtetl que atrai-a para lá é muito reminiscente de “atrair o monstro” em “Young Frankenstein” de Mel Brooks para seu próprio bem.

Não quero dizer nada muito negativo sobre Sophia Loren. A mulher é uma lenda, e é notável que ela escolheu interpretar uma sobrevivente do Holocausto no que é provavelmente seu último filme. Mas a verdade é que não há muito o que recomendar aqui. Assistir à versão mais interessante e antiga da mesma história é, talvez, a melhor maneira de homenagear esses personagens.





Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Coisas Judaicas se financia por meio da sua própria comunidade de leitores e amigos. Você pode apoiar o Coisas Judaicas via PayPal ou na Vaquinha virtual . 
Veja como: 

Vaquinha Virtual: Vaquinha Virtual

SHARE THIS

Author:

O Coisas Judaicas cobre uma das partes mais complicadas e controversas do mundo, o Estado de Israel. Determinado a manter os leitores totalmente informados e capacitá-los a formar e desenvolver suas próprias opiniões, o Blog existe de 2005 e sempre procuramos dar a nossos leitores noticias e opiniões avalizadas. Sobre Israel, a região e o mundo judaico.

0 coment rios:

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não do Blog. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.Não publicamos comentários anônimos. Coloque teu URL que divulgamos