Atualizando

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Lenovo BR

A alma nunca morre

A alma nunca morre    Por Meaningful Life center

 O que é Vida? O que é Morte? Antes que possamos responder a pergunta “O que é morte?” devemos primeiro perguntar “O que é vida?”
Por definição médica, a vida ocorre quando o cérebro e o coração da pessoa estão funcionando. Porém uma pessoa pode estar biologicamente viva mas não totalmente viva; respirar, caminhar e falar são apenas as manifestações daquilo que chamamos de vida.
A verdadeira fonte da vida, a energia que permite ao corpo funcionar, é a alma. E a alma, como é conectada a D'us, que dá a vida, é imortal. Embora as manifestações de vida possam cessar após a morte, a alma continua vivendo, porém numa forma diferente.
Como um ser humano mortal pode se conectar com a vida eterna? Vivendo uma vida material que junte corpo e alma, assim conectando-se com D'us. Uma pessoa que transforma seu corpo num veículo para amor e generosidade é uma pessoa que nutre sua alma eterna. É dando vida aos outros que a pessoa se torna realmente viva.
A alma é mantida pela energia inexaurível das boas ações que a pessoa realizou na Terra, e continua vivendo materialmente através de seus filhos e dos outros que perpetuam sua vitalidade espiritual. Como dizem os sábios: “Assim como seus descendentes estão vivos, ele, também, está vivo.” Muitas vezes temos uma dificuldade para distinguir entre vida biológica e vida espiritual, ou verdadeira vida. Somos distraídos pelas muitas armadilhas materiais da vida biológica. Quando a alma deixa o corpo, porém, podemos ver claramente como ela continua a viver, como aquela alma inspira pessoas a realizarem boas ações, educarem e ajudarem a outros, levar vida Divina e espiritual. É quando uma pessoa justa parte fisicamente da Terra que ele ou ela começa a exercer a mais profunda influência.

O Costume de se Recitar a Prece Yizcor

Esta é uma prece especial para as almas dos que partiram. Yizkor, que literalmente significa “lembrar”, celebra nosso recurso mais poderoso – o poder da eternidade, o poder de lembrar daqueles que se foram antes de nós.
No dia mais sagrado do ano, realizamos uma das coisas mais sagradas que podemos fazer como filhos: lembrar dos nossos pais falecidos. Em Yom Kipur as almas que se foram também têm perdão. [O nome do dia em hebraico é Yom HaKipurim no plural, perdão tanto para os vivos como para os mortos). E esse perdão é atingido através dos seus filhos na terra, que fazem caridade em prol de seus pais. Doar dinheiro (a epítome do materialismo) tem o poder de perdoar e redimir a alma acima. Além disso, tem o poder de criar um canal físico e “lar”, um memorial vivo, para a alma que partiu.
A prece Yizkor é uma das preces mais íntimas e comoventes na liturgia judaica. Um filho, não importa a idade, fala com seu pai e/ou mãe em termos pessoais, chamando-os pelo nome e invocando sua memória perante D'us. E esta breve mas potente prece é recitada com os rolos de Torá erguidos, segurados por duas pessoas, na Bimá, a plataforma onde é lida a Torá.
Mesmo se você não puder fazer isso com os outros serviços, Yizkor é uma prece poderosa que você não deveria perder, além de uma oportunidade de se conectar com a eternidade – com muitas bênçãos em retorno.

Quem recita o Yizkor?

É costume daqueles com ambos os pais vivos deixar a sinagoga durante o serviço Yizkor que dura poucos minutos. Um enlutado durante o primeiro ano de falecimento de seu ente querido permanece na sinagoga, mas não recita o Yizkor. Costuma-se acender uma vela de 24 horas, antes do feriado.
Além de recitar Yizkor pelos pais, a pessoa pode recitar Yizkor por qualquer judeu que tenha falecido, incluindo parentes e amigos. Ao recitar Yizkor para mais de uma pessoa, repita o parágrafo Yizkor a cada vez.

Duas Maneiras para Imortalizar Seu Ente Querido

“Os vivos levarão no coração” diz Eclesiásticos. Poderia parecer egoísta, mas é uma honra à pessoa que faleceu usar a oportunidade de examinar sua própria vida. A morte leva a pessoa a pensar sobre sua própria vida e a aprender a apreciá-la.
Lembre-se das coisas que seu ente querido realizou durante sua vida, como ele ou ela tratava sua família e amigos, como ajudava aos outros. Você pode direcionar as fortes emoções de luto para canalizá-las para ações positivas dando continuidade ao legado deixado.
Inicie um projeto positivo em memória deles. Uma poderosa tradição, que também serve como uma catarse para a dor da perda. 1) Inspire outros partilhando com eles as coisas boas que seus entes queridos realizaram. 2) Crie novas iniciativas – ou talvez uma instituição caridosa e/ou educacional – em honra e memória de um ente querido.
Qualquer boa ação que você fizer em memória deles transforma o luto em energia positiva – perpetua a vitalidade espiritual do falecido, acessa a eterna natureza da alma, e a manifesta neste mundo físico.
A morte está além da compreensão humana. Após todas as racionalizações e explicações, o coração ainda chora. E deveria chorar. Não há nada que alguém possa realmente dizer que explique a dor do luto, pois não importa o quanto você possa tentar explicar... não poderá consolar um coração enlutado.
O silêncio é com frequência a maneira mais adequada de sentir e expressar a dor. Como um notável professor disse ao seu estudante enlutado: “Não tenho respostas para você. Mas posso chorar com você.”



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.



Postar um comentário

0 Comentários