10/03/2020

Oh Israel, Oh Israel

Oh Israel, Oh Israel
Mezuzá - Coisas Judaicas
     Na Terra Santa, os dignitários religiosos dão seus conselhos para conter a expansão do coronavírus, como evitar aceitar a hóstia diretamente na boca, visitar lugares públicos ou até mesmo beber a cerveja "Corona" implorando a Deus.
Há alguns dias, rabinos israelenses, imãs palestinos e líderes cristãos tentam usar sua influência sobre os fiéis para que respeitem os conselhos de prevenção ditados pelas autoridades, além de promulgar outros a título individual.
Alguns rabinos pediram aos judeus que escrevessem uma fórmula em um pergaminho que pudessem usar como amuleto e outros recomendaram que parassem de beijar a mezuzá - um pequeno mandamento que é colocado nas portas das casas e é tocado ou beijado ao entrar no local - uma tradição profundamente enraizada em Israel, onde foram registrados 39 casos de coronavírus até o momento.
Um rabino distribuiu cerveja da marca "Corona" entre seus fiéis e pediu que bebessem pedindo a Deus que acabasse com a epidemia porque "quando oramos e bebemos uma bebida alcoólica, as orações têm mais força", afirmou em um vídeo publicado nas redes sociais.
A quarentena que, segundo o Ministério da Saúde, foi imposta a dezenas de milhares de israelenses, levantou inúmeras dúvidas aos judeus ortodoxos, que devem rezar na companhia de pelo menos 10 homens na sinagoga, especialmente durante o festival de Purim, que começa nesta segunda-feira.
Nesse contexto, alguns rabinos autorizaram seus fiéis a escutar o rádio, algo excepcional.
Também existem rabinos que tentam justificar o surto da epidemia com razões teológicas, argumentando que o vírus foi "a consequência de não-judeus comerem qualquer coisa", segundo os vídeos divulgados na internet.
Para o rabino ultra-ortodoxo Ron Chaya, a epidemia é um sinal da "chegada do Messias", afirma em um vídeo visto mais de 50.000 vezes.
No entanto, o rabino Shlomo Aviner quis enfatizar que a melhor maneira de se proteger contra a doença é "ir ao médico".
Na mesma linha, o grande rabino de Israel, David Lau, afirmou que "seguir as diretrizes do Ministério da Saúde é uma obrigação religiosa".
Em Belém, na Cisjordânia ocupada, todas as mesquitas e igrejas foram fechadas depois que 20 pessoas contraíram o coronavírus, as únicas infectadas no lado palestino.
Na quinta-feira, as autoridades palestinas decretaram estado de emergência sanitária por 30 dias e proibiram as visitas de turistas à Cisjordânia por duas semanas, além de ordenar o fechamento da Basílica da Natividade, em Belém.
Os cristãos foram instados a orar em grupos de no máximo 15 pessoas e a receber a hóstia na mão ao invés da boca. Em outras partes do mundo conselhos semelhantes foram promovidos.
Seguindo o exemplo do papa, que no domingo falou ao vivo pela televisão em Roma, o patriarcado latino de Jerusalém pediu aos padres que gravassem suas missas e as divulgassem através das redes sociais, para que os paroquianos não precisassem ir à igreja.
Em Jerusalém, a Esplanada das Mesquitas e o interior da mesquita de Al Aqsa foram desinfetados.
A saúde é "mais importante que a prática religiosa", afirmou o mufti de Jerusalém, Mohamed Husein, no rádio, acrescentando que "se proteger é uma das bases do Islã".



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.





Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: