02/03/2020

Hijab e revólver: a primeira detetive muçulmana de Israel está quebrando barreiras

Hijab e revólver: a primeira detetive muçulmana de Israel está quebrando barreiras
Sabrin Sa'adi ( Foto: Sharon Tzur )
     
Já atuando como investigadora juvenil, Sabrin Sa'adi quer não apenas ser o primeiro policial a usar a cobertura da cabeça muçulmana, mas também um modelo para outras mulheres árabes verem a força como uma opção de carreira viável; "Quero ser o primeiro chefe de polícia do hijab", diz ela
A sargento-chefe da polícia Sabrin Sa'adi, investigadora da divisão juvenil da vila árabe de Kafr Kanna, no norte da África, se tornará a primeira mulher muçulmana religiosa que usa hijab a ser policial.  

Sa'adi nasceu e foi criada na aldeia beduína de Basmat Tab'un, no norte, e estudou em Haifa. 
Depois de terminar o colegial, Sa'adi se ofereceu para o serviço nacional na polícia, tentando se alistar após o término do serviço.
Como na época não havia vagas em aberto, ela trabalhou como gerente de varejo de uma loja de roupas em Haifa.  
Tudo mudou depois de três anos atrás, ela recebeu um telefonema do vice-comissário Jamal Hakrush para o Distrito Norte da Polícia de Israel, que lhe ofereceu ingressar na força depois que as posições foram abertas para religiosas muçulmanas árabes. 
Sa'adi aproveitou a oportunidade, alistou-se e passou por treinamento básico e de investigação na Academia Nacional de Polícia em Bet Shemesh. 
Depois de terminar seu treinamento, ela foi enviada para a delegacia de Kafr Kanna, uma estação recém-construída que supervisiona os 60.000 moradores de Kafr Kanna, Tur'an, Mashhad, Al-Batuf, Hoshaya e Kibbutz Beit Rimon. 
Sa'adi é o único investigador da divisão juvenil da estação, junto com dois inspetores de jovens.  
"Eu cresci em um lar religioso muçulmano, minha mãe é muito religiosa e oramos cinco vezes por dia e usamos hijabs", diz Sa'adi, que mora com sua família. "Não há outro hijab vestindo mulheres que já foram para o treinamento de oficiais".
Para ela, não é apenas uma questão de realização pessoal, mas também um senso de dever. 
"Quero transmitir uma mensagem a todas as outras muçulmanas religiosas como eu", disse ela. "A polícia é um bom lar para nós, a organização permite que você suba na hierarquia, para provar a si mesmo e se sentir igual".
Apesar de sua posição de prestígio, o caminho para o topo não foi fácil para ela. Juntamente com a admiração e o incentivo de sua família e amigos, ela teve que lidar com alguns efeitos colaterais indesejados.
"Quando me alistei, havia ameaças de me machucar no Facebook", diz ela. "Não tenho medo, vivo de acordo com minhas crenças e não estou machucando ninguém. Só tenho medo de Deus."
Ainda hoje Sa'adi diz que se depara com comentários de outros árabes que não querem ver uma mulher árabe muçulmana religiosa em uniforme policial. 
"Só porque sou religiosa, eles esperam que eu fique em casa", diz ela. 
O comandante do distrito norte, general Shimon Lavie, enfatiza a importância de as mulheres árabes se unirem à força.
"O Distrito Norte está trabalhando para promover o alistamento de mulheres árabes em vários papéis e trabalhar para o seu progresso", diz ele.
"Desejamos boa sorte a Sabrin no treinamento de oficiais e aguardamos seu retorno como oficial de investigação em nosso distrito". 



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.





SHARE THIS

Author:

O Coisas Judaicas cobre uma das partes mais complicadas e controversas do mundo, o Estado de Israel. Determinado a manter os leitores totalmente informados e capacitá-los a formar e desenvolver suas próprias opiniões, o Blog existe de 2005 e sempre procuramos dar a nossos leitores noticias e opiniões avalizadas. Sobre Israel, a região e o mundo judaico.

0 coment rios: