28/02/2020

Pesquisas finais mostram um impasse contínuo, com o aumento do Likud compensado pela forte lista conjunta

Pesquisas finais mostram um impasse contínuo, com o aumento do Likud compensado pela forte lista conjunta     A pesquisa do canal 12 mostra Netanyahu ganhando força, mas o bloco ortodoxo de direita ainda está 3 vezes abaixo da maioria; ambas as pesquisas de TV colocam a Lista Conjunta Árabe em um novo recorde, com recorde de 14 a 15 assentos.

Duas pesquisas finais antes das eleições israelenses de segunda-feira previam um impasse em andamento, nem o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu nem seu desafiante Benny Gantz conseguiram reunir a maioria do Knesset.

Uma pesquisa do Channel 12 mostrou que o bloco ortodoxo à direita liderado por Netanyahu conquistou 58 cadeiras, apenas três a menos do que o Knesset precisa para ter maioria, já a Esquerda tem 56 no bloco árabe de centro-esquerda de Gantz.
Uma pesquisa do Channel 13, por outro lado, colocou o bloco liderado por Netanyahu em 56, e o bloco liderado por Gantz em 57.
Se os resultados de 2 de março forem nesse sentido, o partido Yisrael Beytenu, da Avigdor Liberman, seria novamente o fazedor de reis, impedindo a formação de um governo majoritário após as eleições de abril e setembro. E se sua posição novamente significasse que nenhum bloco poderia formar uma coalizão, Israel poderia ser encaminhado para uma quarta eleição no outono.
Surpreendentemente, nas duas pesquisas, a votação para a lista conjunta majoritariamente árabe aumentou, com o partido ganhando 14 cadeiras na enquete do Canal 12 e 15 cadeiras na enquete do Canal 13. O Canal 13 disse que sua pesquisa indicou uma provável alta participação de 65% entre os eleitores árabes israelenses. Sua participação foi de cerca de 50% em abril passado e 60% em setembro.
As pesquisas refletiram uma melhora gradual no desempenho do Likud de Netanyahu nos últimos dias, mas ainda deixaram o primeiro-ministro aquém da maioria do Knesset. Em parte, os ganhos do Likud foram compensados ​​nas últimas pesquisas pelo aumento da Lista Conjunta.
Pesquisas finais mostram um impasse contínuo, com o aumento do Likud compensado pela forte lista conjunta
O líder da lista conjunta Ayman Odeh (R) e o membro do partido Ahmad Tibi chegam para uma reunião com os membros do partido no Knesset em 22 de setembro de 2019 (Yonatan Sindel / Flash90)
Netanyahu usou nas eleições anteriores alegações de que os eleitores árabes estavam aparecendo em grande número para tentar levar seus partidários às urnas. No entanto, uma tendência de queda da participação árabe foi revertida em setembro, e a Lista Conjunta, liderada por MK Ayman Odeh, está prevendo uma participação recorde na segunda-feira, com os eleitores árabes galvanizados por uma cláusula no plano de paz de Trump recentemente revelado, que sugere Israel. as fronteiras poderiam ser redesenhadas para tornar algumas cidades e vilas árabes no norte de Israel parte de um futuro estado palestino na Cisjordânia. Tal medida, à qual Netanyahu disse que se opõe, é fortemente contra a minoria árabe de Israel, que constitui pouco menos de um quarto da população.
A pesquisa do Canal 12 foi a seguinte: Likud 35 assentos, Azul e Branco 33, Lista Conjunta 14, Labor-Gesher-Meretz 9, Shas 8, Judaísmo Torá Unido 8, Yamina 7 e Yisrael Beytenu 6.
A pesquisa do Canal 13 foi um pouco diferente: Likud 33 assentos, Azul e Branco 33, Joint List 15, Labor-Gesher-Meretz 9, Shas 8, Yamina 8, United Torah Judaism 7 e Yisrael Beytenu 7.
Nas eleições de setembro, Azul e Branco conquistaram 33 cadeiras, contra 32 do Likud. A Lista Conjunta conquistou 13 cadeiras, contra 10 nas eleições de abril.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.





SHARE THIS

Author:

O Coisas Judaicas cobre uma das partes mais complicadas e controversas do mundo, o Estado de Israel. Determinado a manter os leitores totalmente informados e capacitá-los a formar e desenvolver suas próprias opiniões, o Blog existe de 2005 e sempre procuramos dar a nossos leitores noticias e opiniões avalizadas. Sobre Israel, a região e o mundo judaico.

0 coment rios: