Atualizando

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Líder judeu defende discurso do medo para combater antissemitismo

Líder judeu defende discurso do medo para combater antissemitismo
Moshe Kantor, fundador do World Holocaust Forum, em entrevista à AFP
em Jérusalém em 6 de janeiro de 2020 - AFP
Combater o medo com medo? Para resolver o antissemitismo, líderes políticos não devem hesitar em mobilizar a linguagem do medo de uma nova catástrofe, avalia Moshe Kantor, o iniciador de comemorações internacionais do holocausto em Jerusalém.
Dignatários de 40 países, entre os quais o francês, Emmanuel Macron, e o russo, Vladimir Putin, assim como o príncipe Charles, herdeiro do trono britânico, são esperado em 22 e 23 de janeiro em Jerusalém para comemorar o 75º aniversário da libertação do campo nazista de Auschwitz-Birkenau.
Os Estados Unidos ainda não anunciaram a identidade da personalidade política que vai lhes representar nesse encontro com dignatários, considerado um dos mais importantes organizados em Jerusalém desde a criação de Israel em 1948.
Essas celebrações visam não apenas a relembrar o holocausto e o assassinato de mais de 1 milhão de judeus no campo de Auschwitz durante a Segunda Guerra Mundial, mas unir dirigentes na luta contra o antissemitismo.
“Enquanto falamos da tragédia, enquanto falamos dos problemas, enquanto falamos da guerra, da paz e dos meios de evitar, devemos ter em mente uma ferramenta poderosa: o medo”, afirma Moshe Kantor, fundador do World Holocaust Forum, em entrevista à AFP.
Se o medo do outro alimenta o antissemitismo a ponto de levar à violência, o “medo” de uma nova tragédia deve mobilizar para educar a população e as gerações mais jovens.
“A história (que nós contamos) deve ser assustadora, porque os humanos devem ficar assustados, intensamente, para que a história se repita e essa é nossa missão: assustar”, avalia Kantor, bilionário russo-israelense, que lembra Alfred Hitchcock.
– ‘Desaparecer’ da Europa? –
Há 16 anos, quando ele começou a refletir sobre a criação de um fórum mundial para celebração do holocausto, “o problema do antissemitismo era microscópico”, disse Kantor nesta entrevista, concedida em Jerusalém.
Mas a crise financeira de 2008/2009 fragilizou, segundo ele, as classes médias ocidentais, que agiam como “estabilizadores” sociais, o que contribuiu, portando, ao fortalecimento da extrema direita e da extrema esquerda.
“A classe média era ligada por uma ideia importante: nossas crianças terão uma vida melhor que a nossa. Mas a crise financeira e econômica mundial deu fim a essa ideia. A classe média se polarizou entre muito ricos e muito pobres, e parou de desempenhar seu papel de estabilizador”, afirmou Kantor, que também é presidente do Congresso Judaico Europeu.
No ano passado, o centro de pesquisa da Universidade de Tel Aviv que leva seu nome, contabilizou em cerca de 400 o número de atos violentos de antissemitismo em 2018 ao redor do mundo – uma alta de 13%.
O crescimento do antissemitismo na Europa, por exemplo, em ataques a cemitérios judaicos na França, contribuiu para a migração de judeus europeus para Israel ou outros países.
“Nós (judeus) desapareceremos da Europa em um ritmo de 3% ao ano. Se essa tendência se mantiver até 2050, nós vamos desaparecer completamente de um continente onde vivemos há milhares de anos. Nós devemos, portanto, mudar essa tendência”, declarou.
Daí vem o interesse em reunir líderes europeus em Jerusalém, que trilharão a Terra Santa, enquanto a classe política israelense encabeça novas eleições, o que coloca em particular a questão de manter ou não diálogos bilaterais com Benjamin Netanyahu – que não será apenas o primeiro-ministro, mas candidato nas eleições de 2 de março.
A Alemanha, antiga potência nazista, será representada por seu presidente, Frank-Walter Steinmeier, enquanto o presidente da Polônia – país que viveu ocupação nazista, onde ficava o campo de Auschwitz – recusou o convite porque os organizadores desta comemoração não previam lhe deixar falar.
Os cinco principais discursos serão reservados aos representantes de França, Reino Unido, Rússia e Estados Unidos – países aliados contra a Alemanha nazista – e Israel.     
Ou a Polônia poderá falar, ou o presidente da República não vai participar deste evento”, declarou o presidente polonês, Andrzej Duda, cujo país, o primeiro atacado pelo Exército de Hitler, perdeu seis milhões de habitantes, dos quais 3 milhões eram juízes.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Postar um comentário

0 Comentários