14/11/2019

Mortes dos principais terroristas colocou o Hamas em situação complicada

Mortes dos principais terroristas colocou o Hamas em situação complicada    Yochanan Visser

Até o momento em que escrevemos essa análise, mais de 200 foguetes foram lançados de Gaza para cidades israelenses no sul e centro do país na terça-feira e nas primeiras horas da manhã de quarta-feira.
A pesada barragem de foguetes começou depois que a Força Aérea de Israel, usando um míssil Munice Spice-1000 produzido por Rafael, assassinou um dos terroristas mais perigosos que estavam trabalhando na destruição de Israel em Gaza na noite de segunda-feira.
Baha Abu Al-Ata, comandante da Jihad Islâmica Palestina (PIJ) em Gaza, está na lista de acertos de Israel há mais de dez anos, enquanto sobreviveu a três tentativas anteriores de assassinato por Israel.
A decisão de matar Al-Ata foi tomada há mais de uma semana, mas os militares israelenses esperaram uma oportunidade de executar o assassinato até que o principal terrorista não estivesse cercado por escudos humanos.
A decisão de eliminar Al-Ata foi tomada depois que a inteligência israelense entregou informações sobre uma iminente grande operação da PIJ contra Israel Goria Eiland, ex-chefe do Conselho de Segurança Nacional de Israel, disse a Israel Today durante uma entrevista por telefone.
Eiland confirmou a afirmação do primeiro-ministro Benyamin Netanyahu de que Al-Ata era uma "bomba-bomba" que estava à beira de uma nova operação terrorista em larga escala contra Israel.
Ele também disse que Al-Ata recebeu suas ordens diretamente do Irã, provavelmente de Qassem Soleimani, comandante da Força Quds do Corpo de Guardas Revolucionários Iranianos e construiu "um exército" que hoje possui mais de 20.000 mísseis. .
Segundo Eiland, o PIJ tentou desafiar o domínio do Hamas sobre Gaza e não recebeu nenhuma ordem do governo islâmico sunita em Gaza.
Eiland disse ao Israel Today que, do ponto de vista de Israel, a operação contra o PIJ havia terminado, mas ele esperava uma escalada adicional que pudesse desencadear uma guerra total entre os militares israelenses e os grupos terroristas palestinos em Gaza.
O Hamas agora tem um dilema.
A organização não pode se esforçar para aparecer buscando um novo cessar-fogo com Israel porque será retratada como fraca aos olhos das ruas palestinas em Gaza.
O Hamas já está enfrentando grandes problemas na administração de assuntos na Faixa de Gaza, depois que um jovem árabe palestino se imolou na semana passada para protestar contra as terríveis condições de vida no enclave costeiro.
A auto-imolação do órfão palestino de 28 anos provocou indignação entre a população palestina em Gaza, que está farto da maneira como o Hamas e a Autoridade Palestina lidam com os múltiplos problemas da Faixa.
Por outro lado, o Hamas sabe que quando se unir ao ataque de mísseis do PIJ, arrisca outro confronto maciço com as forças armadas israelenses e, dessa vez, esse confronto pode significar o fim do domínio do Hamas sobre Gaza.
A PIJ anunciou agora que sua resposta ao assassinato de Al-Ata ainda está por vir uma indicação de que poderia lançar um ataque muito maior e desta vez contra alvos sensíveis de Israel como o Aeroporto Ben Gurion, redes elétricas, infraestrutura militar ou o equivalente de Israel a Israel. o Pentágono, o Kiryah no centro de Tel Aviv.
Se isso acontecer, a IDF mobilizará e lançará uma nova ofensiva terrestre, que poderá levar meses, porque o objetivo será destruir totalmente a infra-estrutura terrorista em Gaza desta vez.
O primeiro-ministro Netanyahu enfrenta críticas crescentes de israelenses que vivem no chamado cinturão de Gaza e que estão após incontáveis ​​ataques terroristas desde que o Hamas assumiu violentamente a Faixa de Gaza em 2006, também fartos da situação de segurança.
"Chega", disse uma mulher em Netivot durante uma entrevista ao canal de TV 12 em Israel sobre a destruição de sua casa. A mulher perdeu a filha devido ao câncer há vários meses e disse que a vida no sul de Israel se tornou insuportável.
A IAF, no entanto, absteve-se de bombardear os alvos do Hamas em Gaza até agora, uma indicação clara de que Israel não está interessado em uma nova guerra com Gaza - uma mensagem que também teria sido transmitida aos egípcios que estão novamente mediando entre Israel e o Hamas.
A Jihad Islâmica, no entanto, não precisa fazer as considerações do Hamas e do governo de Israel e opera para manter constantemente a guerra de atrito contra o Estado judeu.
O grupo terrorista financiado e treinado pelo Irã opera de forma independente e não precisa cuidar de uma população, como Eiland apontou.
A PIJ também tem escritórios em Beirute e Damasco, onde a força aérea de Israel tentou assassinar Akram al-Ajouri, outro comandante da PIJ que estava funcionando como o contato do grupo para coordenação com o Irã.
A IAF teria lançado dois mísseis na casa de al-Ajouri, mas não o matou, informou a mídia estatal síria
O PIJ já iniciou uma mini-guerra de mísseis três vezes desde novembro de 2018 e esteve envolvido nas tentativas egípcias de alcançar um cessar-fogo permanente por apenas um motivo: impedir a tentativa.
No mês passado, o grupo terrorista adotou uma nova estratégia chamada ' mushaghalet al adu' em árabe  ( combate ao inimigo).
A decisão foi tomada depois que uma delegação da PIJ chefiada por Al-Ata visitou o Cairo para participar de conversas sobre a unidade e um cessar-fogo de longo prazo entre autoridades egípcias e líderes do Hamas.
A PIJ e o Hamas estão agora conversando entre si sobre um cenário que permitirá à PIJ extrair um alto preço de Israel sem arriscar uma guerra total com o Estado judeu.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.





Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: