17/11/2019

Judeus marroquinos

Judeus marroquinos
Centenas de judeus se reunem em Quezzane, no norte do Marrocos. E uma tradicional peregrinação ao túmulo do rabino Amram Ben Diwam, que viveu na cidade durante o século XVIII.
     Marrocos tem uma história muito ligada ao judaísmo. Atualmente a presença de judeus em Marrocos é diminuta mas nem sempre foi assim.
A presença de judeus em Marrocos remonta há muitos séculos e há até quem refira o século 1 d.C.. Reza a história que, na época do rei Salomão, muitos judeus trabalhavam como mercadores e no negócio do ouro.
Marrocos também foi casa de inúmeros judeus que foram expulsos de Espanha no século XV pelos reis católicos. Em 1948 a comunidade de judeus marroquina era a maior do Norte de África, contando com cerca de 265 mil pessoas, ou seja, 10% da população local.

E foi nesse mesmo ano que, com a constituição do Estado de Israel, existiram várias manifestações com mortes entre judeus em Oujda e Djerada. Estima-se que perto de um milhão de judeus sejam provenientes de Marrocos e que estejam em Israel, mas também a viver nos Estados Unidos, Canadá e França.
As variadas formas de provocação do povo fez com que começassem a imigrar para Israel. Até porque, um ano depois, em 1949, mais manifestações no Norte de Marrocos feriram e mataram dezenas de judeus, o que fez com que abandonassem o país. Estima-se que em apenas dois anos – 1955 e 1956 – mais de 70 mil judeus marroquinos tenham ido para Israel.

Judeus marroquinos
Rabino judeu e Rei de Marrocos

Marrocos tornou-se independente em 1956 o que parou, durante algum tempo, a imigração de judeus. Mais tarde, por volta de 1959, qualquer coisa que estivesse relacionada com o sionismo era ilegal em Marrocos, por isso a única opção era fugir. Milhares de judeus refugiaram-se em França e também nas Américas – muitos foram para o Brasil, por exemplo.
Curiosidade: Mellah é um antigo bairro judeu que pode visitar em Marraquexe. Tem uma praça e uma das mais antigas sinagogas da cidade marroquina, datada do século XVI. O Mellah tinha uma porta fortificada e era rodeado por uma muralha. Era uma zona de protecção.
Está documentado que o primeiro Mellah existiu na cidade de Fez na primeira metade do século XV. Em várias cidades foram criados Mellahs, como em Rabat ou Tetuão, por exemplo. Com a criação do Estado judeu, as fortificações foram sendo abandonadas.

Judeus marroquinos
Judeus em Marrocos

Ainda em Marraquexe existe um cemitério judeu, que pode ser visitado. Actualmente em Marraquexe devem exstir pouco mais de 300 judeus. Apesar de Marrocos ser terra do Islã, todos os anos os judeus veneram os santos.É o caso do mais importante santuário judeu em Marrocos: de Amran Ben Diwan. Um santo enterrado há 250 anos nas montanhas de Ouazzane, a cerca de 200 quilómetros da cidade de Rabat.
Mas, recuando um pouco na história de Marrocos, deve saber que este país foi invadido pelos árabes em 682 d.C.. Daí que o Islão se tenha tornado a principal religião e que os judeus obviamente não seguiram.
A comunidade judaica de Marrocos acolhe actualmente cinco mil pessoas, sendo que a maior parte (cerca de 2 mil) está em Casablanca, onde também existe o Museu do Judaísmo, fundado por Simon Levy.
O museu é único no mundo árabe. Recebe exposições de fotografia, escultura e pintura. É um espaço que também apresenta as sinagogas marroquinas, biblioteca e documentos que relatam o judaísmo.

Vídeo de música judaica marroquina por Samy El Maghribi






Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.





Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: