Pesquisa revela que apenas 30% dos millennials judeus frequentam sinagogas

   
Pesquisa revela que apenas 30% dos millennials judeus frequentam sinagogas
 Pesquisa encomendada pela Hakhel e realizada pela consultoria Do-Et Institute em Israel revelou que apenas 30% dos millennials judeus - jovens que nasceram entre 1980 e 1990 - frequentam sinagogas e centros comunitários judaicos.



"Apenas 30% disseram ter interesse em frequentar uma sinagoga e apenas 7,5% em participar de atividades nas federações judaicas ou centros comunitários", diz o estudo.

A pesquisa, realizada entre millennials judeus de 51 comunidades nos EUA, Europa e Austrália, mostrou que essa geração está se afastando de organizações tradicionais como sinagogas e centros comunitários. Os resultados revelaram que o distanciamento dos millennials de organizações comunitárias judaicas tradicionais como sinagogas e centros comunitários "é muito maior do que o registrado anteriormente", observou o estudo.  A pesquisa mostrou que essa geração prefere participar de comunidades alternativas do que de instituições tradicionais.
"Esses grupos estão aumentando rapidamente e são particularmente atrativos para os jovens adultos com idades entre 26 e 45 anos, e seus respectivos filhos, que representam quase 79% de seus membros", diz a pesquisa.
Questionados sobre o tipo de comunidade judaica que os interessa, os entrevistados identificaram quatro áreas principais: questões de relevância atual, como agricultura, ecologia, tipo de alimentação e música; redes para desenvolvimento profissional ou plataformas de filantropia e de projetos culturais, como intercâmbio com jovens de outros países.
Os entrevistados explicaram que não estão se afastando de sua identidade judaica, mas sim "de instituições antiquadas".
O estudo também analisou como os millennials veem Israel "e os resultados foram igualmente alarmantes". Segundo a pesquisa: a geração mais jovem está menos comprometida com o Estado de Israel. "A falta de conhecimento e educação está fazendo com que jovens adultos formem conceitos errôneos sobre Israel, o que os impede de mostrar interesse e formar uma conexão significativa", aponta o estudo.
A pesquisa identificou uma oportunidade para reestruturar a discussão sobre Israel usando valores compartilhados em vez de apoio político e/ou financeiro.
Apesar disso, quase 84% dos entrevistados se mostraram interessados ??num maior aprendizado sobre judaísmo, feriados e eventos judaicos. Quase 70% demonstraram interesse na educação judaica, 46% em artes e cultura judaicas, 28% em questões de justiça social, e 15% em sustentabilidade e agricultura.
"A comunidade judaica está ciente do afastamento da geração millennial que vem ocorrendo há muitos anos", disse Aharon Ariel Lavi, fundador e diretor geral do Hakhel, ao The Jerusalem Post. "O que esta pesquisa mostra é a extensão desse desengajamento, por um lado, mas também as alternativas criativas que estão surgindo de outro".
Ele explicou que eventos, reuniões criativas e soluções estão sendo formadas a partir de uma base espontânea, em vez de serem organizadas por profissionais de estruturas tradicionais.
Lavi disse que algumas das comunidades alternativas também abriram escolas dominicais e organizam atividades de artes e cultura, que "não são apenas para a comunidade judaica, mas para pessoas interessadas".
Em Melbourne, uma das comunidades alternativas começou a fazer cestas de alimentos para distribuir aos sobreviventes do Holocausto e aos membros idosos da comunidade. Isso geralmente é algo feito por organizações judaicas, mas, nesse caso, está sendo feito espontaneamente pela própria comunidade.
"A cada duas semanas eles se reúnem, cozinham, cantam juntos e depois estudam juntos", disse ele. "Então eles percorrem a cidade e entregam os alimentos".
Ele deixou claro que a ênfase na cultura e educação judaicas desempenha um grande papel durante esses eventos.
Perguntado sobre essa mudança, Lavi disse que há várias razões. "Uma razão é externa", disse ele. "Há uma enorme tendência global de os jovens se afastarem das tradições. Por enquanto, as pessoas mais jovens procuram estruturas organizacionais mais planas, em oposição às estruturas hierárquicas. Não há realmente nada que possamos fazer sobre isso, pois a comunidade judaica é uma pequena minoria no mundo"..
Uma segunda razão vem da natureza judaica do tikkun olam - tornar o mundo um lugar melhor com justiça social e defesa do meio ambiente, disse ele.
Lavi explicou que a maioria dos jovens não se engaja na estrutura tradicional na qual seus pais cresceram.
"Todas as organizações judaicas fazem algo hoje em relação ao meio ambiente ou têm algo a dizer sobre igualdade de gênero", explicou. "Não é que eles estejam negligenciando esses problemas. Mas (a geração millennial sente que) o ritmo e a energia em que as estruturas tradicionais estão lidando com essas questões não são suficientes"



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Postar um comentário

0 Comentários