Haazinu

     Haazinu
Nossa Parashá começa com as palavras de Moshe Rabeinu, "Haazinu Hashamaim (Escutem os céus) e eu falarei, Vatishmá Haaretz (e ouça a terra) as palavras da minha boca". Essa mesma linguagem aparece na profecia de Yeshaiahu, mas de maneira inversa. 
 
Nosso mundo é chamado de mundo da "Assiá" e tem um  lado material e um lado espiritual
 
Quando falamos espiritual, estamos falando de algo infinitamente melhor e infinitamente mais real do que o material. O material é o nível mais baixo, o nível perecível
 
Não temos os sentidos para entender o que é um mundo espiritual, mas para se ter uma pequena idéia de o que é um pouco do mundo espiritual, nossos Sábios dão como exemplo que uma hora no paraíso vale muito mais do que todos os prazeres que poderíamos ter durante todos os nossos setenta anos de vida aqui nesse mundo
 
E isso no baixo paraíso, um mundo acima do nosso que é chamado de o mundo da "Yetzirá"
 
Acima do mundo da "Yetzirá" se encontra o mundo da "Briá", que é tão acima do mundo da Yetzirá, que para entrar nele temos que passar por um fenômeno espiritual chamado de "nahar di nur" (rio de fogo) para esquecermos os prazeres que tivemos no baixo paraíso, para que essa lembrança não nos atrapalhe no alto paraíso
 
Acima do mundo da "Briá" está o mundo de "Atzilut" que é o nível da Alma de Moshe Rabeinu 
 
E por isso Moshe Rabeinu na nossa Parashá diz "Haazinu Hashamaim". Hazaná e shmiá são quase sinônimos, mas em hebraico a palavra "Haazinu"(hazaná) se refere à escutar de perto e "Vatishmá"(shmiá) à ouvir de longe. 
 
E portanto, Moshe Rabeinu, que estava mais perto dos céus mais do que da terra, usa a palavra Haazinu para os céus, e Yeshaiahu que estava mais próximo da terra do que dos céus, usa essa linguagem para a terra
 
Moshe Rabeinu era uma Alma do mundo de "Atzilut" , ou seja, também quando ele estava aqui nesse mundo ele estava no nível de mundo de "Atzilut"
 
Como nos explica o Rambam sobre a supremacia da profecia de Moshe Rabeinu em relação à profecia de todos os outros profetas.

Todos os outros profetas tinham que se "desmaterializar" na hora da sua profecia, sendo que seu corpo material atrapalhava nessa hora, mas Moshe Rabeinu não precisava se "desmaterializar" na hora da profecia, porque não só que o seu corpo material não atrapalhava a revelação Divina que acontecia nele, mas ao contrário, o seu corpo era o receptáculo para a revelação Divina, Hashem (D'us) falava por meio da garganta material de Moshê
 
E esse também é o motivo da diferença entre a profecia de todos os profetas e a profecia de Moshe  Rabeinu
 
Todos os profetas profetizaram com "Assim" (Assim disse D'us) que é o nível dos mundos de Briá, Yetzirá e Assiá, mas Moshe profetizou com "Esse" (Esse é o meu D'us….)
 
E portanto, quando Moshê falou dos céus, estava se referindo ao mundo de "Atzilut", e por isso usou a palavra Haazinu, uma linguagem de proximidade, e quando ele falou da terra estava se referindo aos mundos de "Briá", "Yetzirá" e "Assiá, e por isso ele usou a palavra "Vatishmá", uma linguagem de distância
 
Mas Yeshaiahu, sendo que a profecia dele se enquadra na categoria dos outros profetas, mesmo que ele viu uma revelação espiritual imensa descrita como a "Merkavá"  ( A Carruagem), ele viu somente a " Merkavá" do mundo da Briá, e por isso sobre os "céus", ou seja, o mundo de Atzilut, ele usou a palavra "shim'u", uma linguagem de distância, e sobre a "terra" (Briá Yetzirá e Assiá) uma linguagem de proximidade.
Para todos os assuntos da festa de Sucot que começa ao anoitecer deste domingo 13 de outubro de 2019 acesse ao nosso site www.RabinoGloiber.com
❤ שבת שלום ❤
Rabino Gloiber



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Postar um comentário

0 Comentários