13/09/2019

Lista Conjunta exige a revogação da legislação discriminatória para apoiar um Governo alternativo

Lista Conjunta exige a revogação da legislação discriminatória para apoiar um Governo alternativo     A oposição israelense voltou a derrotar Benjamin Netanyahu nesta quarta-feira no Knesset (Parlamento), às vésperas de uma eleição. 

O projeto de lei apresentado pelo primeiro-ministro que autorizava a gravação com câmeras nas seções eleitorais foi definitivamente revogado pelo plenário por causa da ausência de toda a bancada da oposição, privando o Governo da maioria absoluta. Em um gesto desafiador, Ayman Odeh, líder da Lista Conjunta de partidos árabes, aproximou-se de Netanyahu antes da votação para gravá-lo de perto com seu celular. “De repente ele tem um problema com as câmeras”, ironizou Odeh no Twitter depois de ser expulso do plenário.
A chamada Lei das Câmeras tinha como objetivo reduzir a participação eleitoral nos povoados de maioria árabe, segundo dirigentes políticos dessa comunidade. O gesto de desafio expôs a advertência que os líderes políticos árabes lançaram ao primeiro-ministro. Assim como fizeram em 1992 para permitir a posse do trabalhista Isaac Rabin como primeiro-ministro, os membros da minoria étnica estão dispostos a bloquear Netanyahu para impedir sua reeleição, caso consigam somar assentos suficientes.
Foi o que contou Odeh pouco depois do incidente no Knesset, em encontro com a imprensa estrangeira no hotel King David, em Jerusalém. “Para apoiar um Governo alternativo exigiremos a revogação da lei do Estado-nação, que nos confirmou como cidadãos de segunda classe”. A polêmica normativa do ano passado, de caráter constitucional, estabeleceu o caráter judaico do Estado do Israel, ao mesmo tempo em que declarou o hebraico como única língua oficial, deixando o árabe de lado.
A maior parte da oposição a considera a lei uma consagração da discriminação contra os árabes de origem palestina (20% dos quase nove milhões de israelenses), assim como contra os drusos (2%) e cristãos (2%). O reconhecimento da igualdade entre todos os cidadãos, proclamado na declaração de independência de Israel, não figura na nova lei fundamental do Estado.
Os cidadãos árabes consideram-se privados de sua identidade, como palestinos que permaneceram dentro de Israel após sua criação, em 1948, assim como seus descendentes. Metade dos lares árabes israelenses está abaixo da linha da pobreza, em comparação a apenas 20% das famílias judias. O índice de desemprego masculino é o dobro da média nacional, inferior a 5%, ao passo que entre as mulheres é o triplo.
Odeh, que representa o setor laico e progressista das quatro forças que compõem a Lista Conjunta, chegou a se mostrar a favor de uma coalizão de Governo alternativa a Netanyahu. Ahmed Tibi, líder da ala nacionalista da candidatura árabe, rejeita essa hipótese. “Nosso propósito é melhorar a situação da comunidade árabe, mas como minoria nacional não podemos participar de um Governo que tome decisões como atacar a Faixa de Gaza, cuja responsabilidade não compartilhamos”, advertiu numa recente entrevista coletiva. “Poderíamos, no entanto, oferecer apoio externo sem entrar no Gabinete.”
A Lei das Câmeras previa uma autorização genérica aos fiscais de partidos para poderem gravar imagens e conversas dos membros das mesas eleitorais, dos outros representantes partidários e dos eleitores dentro e nos arredores das seções eleitorais. Depois da suspensão da lei, surgiu um anúncio entre posts na conta do Facebook da campanha do Likud, o partido liderado por Netanyahu, no qual lia-se: “Os árabes querem destruir todos nós [judeus israelenses], nossas mulheres, homens e crianças”.
O Facebook suspendeu nesta quinta-feira as mensagens por violação da política da companhia sobre incitação ao ódio. Odeh disse, pelo Twitter, que a Lista Conjunta tinha denunciado esta campanha do partido de Netanyahu. Uma porta-voz da formação direitista citada pela agência Efe atribuiu a mensagem a “um erro de um funcionário” que não contava com autorização da direção.



Blog Judaico 
Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.






Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: