30/09/2019

Ismail Haniyeh alerta Israel sobre suspeito de terrorismo hospitalizado após interrogatório

Ismail Haniyeh  alerta Israel sobre suspeito de terrorismo hospitalizado após interrogatório
O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, participa de um comício de solidariedade
 aos prisioneiros de segurança palestinos nas prisões israelenses,
fora da sede da Cruz Vermelha na cidade de Gaza,
Faixa de Gaza, em 30 de setembro de 2019 (Flash90)
  O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, alertou na segunda-feira que Israel é responsável pela vida de um suspeito de terrorismo que foi hospitalizado em estado crítico após ser interrogado.
"A ocupação sionista pagará o preço por seus crimes contra os prisioneiros", disse o chefe do grupo terrorista que governa Gaza, segundo a emissora pública Kan.
No fim de semana, o serviço de segurança Shin Bet anunciou a prisão de três palestinos suspeitos de realizar um ataque mortal a bomba no mês passado em uma fonte natural fora do assentamento de Dolev, na Cisjordânia.
Samer Arbid, o suposto líder da célula acusada de realizar o atentado terrorista, que matou Rina Shnerb, de 17 anos, e feriu gravemente seu pai e irmão, foi hospitalizado no sábado em estado crítico após um interrogatório pelo Shin Bet.   
O Ministério da Justiça iniciou uma investigação sobre as circunstâncias dos feridos do suspeito de terrorismo de 44 anos, investigando especificamente o grau de força junto com as táticas usadas pelos interrogadores Shin Bet.
“Nunca abandonaremos nossos prisioneiros. Nunca os deixaremos como troféus para o sadismo sionista e eles não ficarão muito mais atrás das grades da ocupação ”, disse Haniyeh do lado de fora da sede da Cruz Vermelha em Gaza, segundo o site de notícias de Walla.
O aviso de Haniyeh a Israel sobre Arbid se juntou ao grupo terrorista da Frente Popular para a Libertação da Palestina, com o qual as autoridades israelenses disseram que o suspeito tinha um histórico de envolvimento.
Ismail Haniyeh  alerta Israel sobre suspeito de terrorismo hospitalizado após interrogatório
Samer Arbid, o suposto líder de uma célula terrorista que se acredita estar por trás de um ataque mortal a bomba que matou a adolescente israelense Rina Shnerb em agosto de 2019, em uma fotografia sem data. (Twitter)
"Consideramos a ocupação israelense responsável pela vida do prisioneiro palestino Samer Arbid e de seus camaradas, e garantimos que, colocando em risco suas vidas, a ocupação abrirá as portas do inferno", disse a ala militar da PFLP em comunicado neste domingo.
Os advogados de Arbid pediram que uma investigação internacional sobre o incidente seja conduzida pelas Nações Unidas e pela Cruz Vermelha Internacional.
Arbid foi preso no início deste mês e depois libertado por falta de provas contra ele. Ele foi pego novamente na quarta-feira.
O Shin Bet recebeu permissão legal para empregar "medidas extraordinárias" no interrogatório de Arbid, disse uma fonte de segurança a repórteres no sábado. Tais medidas podem incluir espancamentos, forçar prisioneiros a posições desconfortáveis, privação de sono, algemas e sujeitar prisioneiros a temperaturas extremas.
Isso normalmente é permitido em casos de uma "bomba-relógio", onde existe a preocupação de que o suspeito possa fornecer às forças de segurança informações que possam impedir um ataque iminente.
Ismail Haniyeh  alerta Israel sobre suspeito de terrorismo hospitalizado após interrogatório
Os soldados das FDI prendem membros de uma célula terrorista por trás do ataque a bomba de agosto que matou a adolescente israelense Rina Shnerb, em setembro de 2019. (Forças de Defesa de Israel)
O Shin Bet disse que a célula estava planejando ataques adicionais quando os suspeitos foram presos, incluindo tiroteios e seqüestros. Durante os ataques, as forças de segurança também encontraram e detonaram com segurança um dispositivo explosivo improvisado que o grupo havia feito.
Arbid foi levado ao Hospital Hadassah de Jerusalém, no Monte Scopus, em estado crítico, depois que ele aparentemente sofreu um problema relacionado ao coração durante o interrogatório.
Seus advogados disseram que ele estava saudável quando foi preso. O Shin Bet confirmou apenas que Arbid havia sido levado para o hospital.
Ismail Haniyeh  alerta Israel sobre suspeito de terrorismo hospitalizado após interrogatório
Rina Shnerb, 17, que foi morta em um ataque terrorista na Cisjordânia em 23 de agosto de 2019 (cortesia)
Em 23 de agosto, um IED que havia sido plantado próximo à primavera natural de Bubin na Cisjordânia central foi acionado por terroristas quando a família Shnerb da cidade israelense de Lod visitou o local. Rina Shnerb foi declarada morta no local e seu pai Eitan e seu irmão Dvir, 19, foram levados para um hospital em Jerusalém após serem feridos pela explosão.
Tanto Qassem a-Karim Rajah Shibli quanto Yasan Hasin Hasni Majamas, que também foram presos por suspeita de envolvimento no ataque, cumpriram pena nas prisões israelenses por envolvimento em atividades terroristas, de acordo com o Shin Bet.
O Shin Bet disse que prendeu um quarto homem - Nizam Sami Yousef Ulad Mahmoud, 21 - suspeito de ser membro da célula de Arbid. Ele é membro do grupo de estudantes da PFLP na Universidade Bir Zeit, na Cisjordânia.
O Shin Bet disse que ainda está procurando membros adicionais da célula terrorista.
Também na segunda-feira, relatórios palestinos disseram que as forças israelenses prenderam quatro moradores da vila de Issawiya, em Jerusalém Oriental, entre eles o pai de um homem morto pela polícia depois de lançar fogos de artifício contra eles.
Sua morte ocorreu quando a polícia entrou em Issawiya por semanas, numa tentativa de rastrear membros de uma célula terrorista da PFLP, que se acredita estar em liberdade no bairro.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.






Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: