Entidades judaicas: Trump espalha mote antissemita acusando os judeus de "deslealdade"

     
Entidades judaicas: Trump espalha mote antissemita acusando os judeus de "deslealdade"
Líderes judeus dos EUA condenaram nesta terça-feira o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, depois que ele acusou os judeus que apoiam os democratas de "grande deslealdade", dizendo que ele estava empregando uma perigosa estratégia antissemita. "Não está claro a quem @POTUS está alegando que os judeus seriam "desleais", mas acusações de deslealdade estão há muito sendo utilizadas para atacar judeus", tuitou Jonathan Greenblatt da Liga Anti-Difamação, conclamando o presidente a parar de "usar os judeus como um futebol político". 



O CEO do Comitê Judaico Americano, David Harris, chamou seus comentários de "ultrajantes". "Este é um país livre. Os judeus não são um bloco monolítico nem eleitores de uma única questão. Alguns votarão nos democratas, outros nos republicanos. Como americanos, isso é direito deles. Por favor, mantenha a lealdade fora disso", disse ele. 

 Na terça-feira, Trump criticou os democratas pelo que ele alegava ser falta de apoio a Israel, sugerindo que os judeus americanos que pretendem votar em seu partido rival nas eleições de 2020 estariam demonstrando "grande deslealdade". "Eu acho que qualquer judeu que votaria em um democrata, eu acho que mostra uma total falta de conhecimento ou grande deslealdade", disse Trump durante uma reunião no Salão Oval com o presidente Klaus Iohannis, da Romênia. 

 Trump expressou repetidamente sua frustração pela sua impopularidade entre os judeus americanos, apesar de seu apoio próximo a Israel e seus passos para reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e mover a embaixada dos EUA para lá. 

 De fato, mais de 75% dos judeus americanos votaram nos democratas em 2018, de acordo com as pesquisas de boca-de-urna. Isso marcou um aumento de quatro pontos percentuais em relação à porcentagem de eleitores judeus (71%) que votaram em Hillary Clinton em vez de Trump em 2016. 
 E os democratas judeus disseram que as palavras de Trump significaram perpetuar uma noção antissemita de que os judeus têm dupla lealdade à América e a Israel. "Este é mais um exemplo de Donald Trump continuando a militarizar e politizar o antissemitismo", disse Halie Soifer, diretora executiva do Jewish Democratic Council of America. 

 "No momento em que os incidentes antissemitas aumentaram - devido ao encorajamento do presidente do nacionalismo branco - Trump está repetindo uma metáfora antissemita", continuou ela. "Se isso é sobre Israel, então Trump está repetindo uma reivindicação de lealdade dupla, que é uma forma de antissemitismo. 

Se isso é sobre os judeus sendo "leais" a ele, então Trump precisa de uma verificação da realidade. Vivemos em uma democracia e o apoio dos judeus ao Partido Republicano caiu pela metade nos últimos quatro anos". Outros democratas judeus disseram que os últimos comentários de Trump faziam parte de um longo e pernicioso padrão de líderes políticos antissemitas acusando os judeus de falta de lealdade. 

 "Os judeus têm uma longa história de estar em países onde somos acusados de sermos desleais", disse Aaron Keyak, ex-chefe do Conselho Nacional Judaico-Democrata e veterano político. "Esse tipo de ataque é perigoso, imprudente e errado. Só porque o presidente Trump é profundamente impopular em nossa comunidade, não é motivo para nos caluniar com ecos de alguns dos ataques mais insidiosos contra nosso povo. 

Já vimos onde essa estrada levou antes." Ann Lewis e Mark Mellman, do grupo "Maioria Democrática para Israel", chamaram-na "uma das acusações mais perigosas e mortais que os judeus enfrentaram ao longo dos anos. 

Falsas acusações de deslealdade ao longo dos séculos levaram os judeus a serem assassinados, encarcerados e torturados". Os não-judeus também notaram as conotações dos comentários de Trump. O ex-âncora da CBS Dan Rather tuitou que eles eram intolerantes. "Vamos ser transparentes", disse ele. "Quando Pres. Trump diz que os judeus que votam nos democratas mostram "ou uma total falta de conhecimento ou grande deslealdade", ele está convocando as forças do fanatismo e antissemitismo com toda a sua história manchada de sangue". 

 Os comentários de Trump vieram depois que grande parte da comunidade judaica dos EUA e praticamente todo o Partido Democrata manifestou indignação com a proibição de Israel de Tlaib e Omar. Omar e Tlaib, que discutiram com Trump sobre Israel e uma série de outras questões, disseram na segunda-feira que o presidente dos EUA pressionou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a bani-las. 

Elas seguiram pedindo aos Estados Unidos que cortem a ajuda a Israel até que o país pare a construção de assentamentos e assegure direitos iguais para os palestinos. Embora as críticas às declarações de "deslealdade" de Trump tenham sido disseminadas dentro da comunidade judaica dos EUA, pelo menos um grupo judeu veio em sua defesa. "O presidente Trump está certo", tuitou a Coalizão Judaica Republicana, "mostra muita deslealdade defender um partido que protege/incentiva as pessoas que o odeiam por sua religião". 

 A organização liberal de defesa do Oriente Médio J Street, no entanto, disse que este seria o próximo passo lógico após os ataques intolerantes do presidente contra outras minorias raciais e étnicas. "É perigoso e vergonhoso para o presidente Trump atacar a grande maioria da comunidade judaica americana como não inteligente e "desleal", disse Logan Bayroff, diretor de comunicações do grupo. 

"Mas não é surpresa que os ataques racistas e desonestos do presidente contra as mulheres progressistas de cor no Congresso tenham se transformado em difamação contra os judeus."



Blog Judaico 
Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico
Fan Page Coisas Judaicas



Postar um comentário

0 Comentários