23/08/2019

Ekev

     Ekev

Nossa Parashá nos conta sobre coisas maravilhosas que vamos receber em decorrência de cumprirmos os Mandamentos Divinos

A expressão usada pela Torá para essa decorrência é "Ekev", que quer dizer "calcanhar", nos indicando que, como um passo vem em decorrência do outro, assim também as enormes Bênçãos Divinas vem em decorrência do cumprimento das Mitzvót

A Torá poderia nos dizer isso de várias maneiras, então porque esse assunto tão importante é trazido dessa forma, se referindo ao nosso calcanhar, quando poderia ser dita de forma contrária, como: "A cabeça de todas as Bênçãos é o cumprimento dos Mandamentos Divinos" ?

Rashi explica que a Torá usa essa expressão para nos indicar que está se referindo aos Mandamentos que consideramos fáceis e acabamos "pisando" neles com os nossos calcanhares", esses é que são os Mandamentos aos quais a Torá se refere que em decorrência do seu cumprimento ganharíamos as maiores Bênçãos Divinas

Mandamentos maiores e Mandamentos menores

Os Mandamentos Divinos se dividem em duas categorias: "Mitzvót Assé" que são os Mandamentos "Faça", e "Mitzvót Ló Taassé" que são os Mandamentos "Não Faça"

Na categoria de Mandamentos "Faça" conseguimos saber quais são os mais importantes e quais são os menos importantes, sendo que a Torá nos revela o castigo que o "Beit Din", o tribunal Rabínico, tem que aplicar em cada caso

No caso de assassinato intencional com testemunhas visuais na época do Beit Hamikdash a pena era de morte, mas no caso de roubo a pena variava de 100% à 500% de multa dependendo do caso. 

Assim podemos concluir que assassinato é mais grave do que roubo, e baseado na tabela das penas que deveriam ser aplicadas em cada caso de transgressão conseguimos fazer uma tabela de gravidade das transgressões e saber qual dos Mandamentos "Não Faça" é mais importante e qual é menos importante

Quando falamos sobre a categoria de Mandamentos "Faça", não temos como saber qual é o mais importante e qual é o menos importante. E o motivo para isso é simples: A Torá não revela a recompensa que vamos ganhar por cumprir cada um dos diferentes Mandamentos da categoria "Faça", e portanto não temos como saber qual é o mais importante e qual é o menos importante, e isso é a causa de fazermos erros de avaliação tão grandes a ponto de pisarmos com os nossos calcanhares nesses próprios Mandamentos que no mérito deles receberíamos todas as Bênçãos Divinas possíveis e imagináveis

E o que nos causa fazer esses erros de avaliação tão graves?

A prepotência

Na nossa Parashá Moshe Rabeinu pede para nosso povo tomar cuidado para não chegar à uma situação em que, por causa de tanta fartura, de comer bem a ponto de estarmos totalmente satisfeitos, de construir casas tão boas e viver nelas com tanto conforto, por termos tanto gado e tantos rebanhos, tanta prata e tanto ouro, por termos tudo em tanta fartura, por causa disso chegarmos ao extremo da prepotência e esquecer de Hashem nos tirou da terra do Egito, da casa da escravidão, mas pensarmos que nossa própria força, o esforço das nossas próprias mãos nos deu toda essa fortuna

Nessa hora, diz Moshe Rabeinu, devemos nos lembrar de Hashem, nosso D'us. Ele é que nos dá força para fazermos toda essa fortuna

Daqui vemos que existe o orgulho. A auto-idolatria causada pelo sucesso que Hashem nos dá, isso é que nos traz à esse erro de avaliação, de olharmos para cima e esquecermos de olhar para qualquer coisa que na nossa opinião está lá embaixo,  apenas no nível dos nossos calcanhares 

As vezes avaliamos que amar ao próximo como a si mesmo está escrito sobre um próximo que tem muito mais dinheiro do que nós, e com certeza teremos grandes benefícios desse "amor ao próximo", e ainda justificamos isso trazendo uma história da Guemará que Rabi Yehudá HaNassi honrava os ricos porque o fato de Hashem ter dado à eles riqueza demonstra o seu mérito

E as vezes avaliamos que amar o "guer", alguém que se converteu ao judaísmo, está escrito sobre um guer que tem mais contatos do que nós no alto escalão da sociedade dos não judeus, e com certeza teremos grandes benefícios desse "amor ao guer" quando fizermos grandes negócios com os não judeus

No final acabamos valorizando mais as Mitzvót que nos trazem algum benefício social ou financeiro, pisando naquelas que aparentemente seriam uma perda de tempo ou até mesmo poderiam nos causar prejuízos sociais ou financeiros

E aí vem a Torá e nos diz: Você quer ganhar de verdade? Então olhe para baixo e veja que todas as Bênçãos Divinas possíveis e imagináveis estão exatamente onde? Embaixo do seu calcanhar!

❤Shabat Shalom❤
Rabino Gloiber



Blog Judaico 
Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico
Fan Page Coisas Judaicas




Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: