03/07/2019

Chefe de polícia diz que mais violência não será tolerada

Chefe de polícia diz que mais violência não será tolerada
Depois de mais de 100 oficiais feridos em protestos etíopes-israelenses, o comissário adverte 'desordem pública, bloqueando estradas e violência' não é mais aceitável.

Antes de um terceiro dia de protestos planejados no domingo, com a morte de Soloman Tekah, um homem etíope-israelense de 19 anos, o chefe de polícia de Israel, o comissário Moti Cohen, enviou uma mensagem à polícia dizendo que não haveria mais violência. ser tolerado.
A polícia disse hoje cedo que 111 policiais foram feridos, bem como dezenas de manifestantes e transeuntes, nos protestos até agora. Pelo menos 136 manifestantes foram presos nos últimos dois dias.
“Como uma força policial em um país democrático que respeita as leis, temos o dever de proteger o delicado equilíbrio entre o direito de legitimar o protesto e a aplicação da lei. Contenção é uma forma de força que somos obrigados a possuir como profissionais encarregados de permitir protestos legítimos ”, escreve ele.
“Mas, também, em uma nação de leis, existem regras e há maneiras aceitáveis ​​de protestar. Juntamente com os direitos dos manifestantes, temos o dever de proteger os direitos do público e dos cidadãos comuns. Não há lugar para ataques a funcionários públicos, instituições e propriedades ”.
Ele disse que até agora a polícia agiu com moderação, "para dar espaço ao protesto", mas que "alguns dos manifestantes violaram a lei, tirando vantagem cínica de nossos esforços para permitir que o protesto legítimo ocorresse infligindo sérios violência contra oficiais e civis durante tumultos e fechamento de rodovias ”.
Ele adverte: “Não mais será dado um quarto à desordem pública, ao bloqueio de estradas ou à violência. Continuaremos a responder proporcionalmente e a distinguir entre aqueles que procuram expressar seu protesto por meios legais em um país democrático e aqueles que incitam e atacam ”.


Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: