Amir Peretz admite colapso nas eleições de setembro

Amir Peretz admite colapso nas eleições de setembroAmir Peretz, recentemente eleito como o novo líder do Partido Trabalhista (Avodá) em vez de Avi Gabbay, admitiu em uma entrevista para Ynet que "talvez entremos em colapso ou talvez não" na repetição das eleições gerais em setembro próximo. 

Contra uma grande parte da militância do Partido Trabalhista, Peretz assinou um acordo de coalizão com o partido "Gesher" de Orly Levi Abekasis, que estabeleceu sua própria formação depois de separar o "Yisrael Beitenu" de direita do ex-ministro da Defesa Avigdor Liberman.

Com essa aliança inesperada, Peretz, que compartilha a origem de Mizrahi (tradicionalmente semelhante ao Likud) com seu novo parceiro, pretende atrair votos de um eleitorado que não tem grande relação com o Partido Trabalhista: "há bastantes eleitores de direita que disseram o suficiente", declarou ele, referindo-se ao mandato de longo prazo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. 

O nervosismo nas fileiras trabalhistas é evidente, ainda mais após a consolidação do pacto de formações esquerdistas "Israel Democrático", que une Meretz com o novo partido do ex-primeiro-ministro Ehud Barak, sob a tutela da ex-parlamentar trabalhista Stav  Shaffir Apesar das pressões para que Avodá aderisse ao pacto para ampliar o campo de centro-esquerda, Peretz evitou a possibilidade e optou pelo pacto com "Gesher".

Peretz, que no passado serviu como ministro da Defesa e já liderou o Partido Trabalhista de 2005 a 2007, afirmou ser "a única verdadeira opção esquerdista", já que sua proposta levanta "não apenas a bandeira da paz, mas também a da justiça social ”. Ele disse que não se arrependeu da união com Levy Abekasis e disse que "recebeu menos do que merecia", referindo-se aos lugares reservados para "Gesher" entre os 10 nomes da lista para o próximo Knesset.

O principal argumento de Peretz para se recusar a se juntar à coalizão esquerdista "Israel Democrático" é que "não servirá para ampliar o campo esquerdista", e que ele não cumprirá sua aspiração de atrair votos de direita. Ele diz que, apesar das pressões que recebe para mudar de idéia, "não vou mudar meus princípios". Analistas alertaram para a relutância que o atual líder trabalhista teria de se aliar a Barak, que em 2007 o "separou" da liderança do Partido Trabalhista. 

Pertz disse estar "feliz por Barak-Meretz poder exceder o percentual mínimo de votos". Mas agora deixe-me conduzir meu partido, deixe-me conectar com as pessoas, não perca mais tempo. ”
Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico

Postar um comentário

0 Comentários