A historiadora alemã que inventou um passado judaico para si

A historiadora alemã que inventou um passado judaico para si

Narrando o sofrimento de seus "familiares judeus" em um blog, Marie Sophie Hingst tornou-se reconhecida, ganhou dezenas de milhares de leitores e colheu prêmios. Tudo mentira: nenhum parente seu morreu no Holocausto.
Marie Sophie Hingst com o troféu de Blogueira do Ano de 2017
"É tarefa do Yad Vashem reunir material documental em Israel sobre todos os judeus que deram a vida, que lutaram e se rebelaram contra os nazistas e seus apoiadores. Seus nomes e suas memórias devem ser imortalizados (...)". É o que está escrito no topo do formulário de testemunho do Yad Vashem, memorial israelense para as vítimas do Holocausto.
Qualquer pessoa pode baixar o formulário, preenchê-lo e enviá-lo para Israel por correio ou digitalmente. Os detalhes biográficos atuais de uma pessoa precisam ser incluídos, juntamente com rum relato da experiência da pessoa vítima da perseguição nazista. O objetivo é manter a memórias dessas pessoas e dar uma identidade a pelo menos uma parte das cerca de seis milhões de vítimas do Holocausto.
Em 8 de setembro de 2013, a alemã Marie Sophie Hingst também preencheu o formulário – mas não falou a verdade. Hingst, que tem doutorado em História e mora na Irlanda, forneceu detalhes de 22 familiares, alegando que a maioria havia sido morta durante o Holocausto. Tudo mentira, segundo uma matéria recente da revista alemã Der Spiegel: a família judia nunca existiu.
A revista fez uma uma pesquisa no arquivo da cidade de Stralsund e descobriu que Hingst vem de uma família protestante. Desta forma, o avô dela não seria, como ela afirma, um prisioneiro do campo de extermínio de Auschwitz, mas um pastor protestante.
Os dados das outras 21 "vítimas do Holocausto" informadas por Hingst não foram encontrados em nenhum arquivo - nem nas Coleções Digitais do Serviço Internacional de Buscas, nem no Arquivo Memorial de Auschwitz ou no Livro Memorial dos Arquivos Federais das Vítimas da Perseguição Nazista a Judeus na Alemanha.
Além de adicionar os nomes aos arquivos do Yad Vashem, Hingst espalhou a história fictícia de sua família através de palestras organizadas pela comunidade judaica, em conversas com colegas e por meio de seu blog "Read on my dear, read on", que tinha quase 240 mil leitores, mas que não está mais no ar desde que a polêmica veio à tona.
Em certa ocasião, ela disse à revista que seus primeiros anos em Dublin foram difíceis, pois ela não conhecia ninguém e se sentia isolada. Hingst, então, começou um blog, criando através dele um "tipo de casa substituta". De acordo com a interpretação da Spiegel, ela talvez achasse que, ao se retratar como uma descendente de vítimas do Holocausto, seria "mais interessante do que outros alemães não judeus".
Narrando o sofrimento de seus "familiares judeus", Hingst tornou-se reconhecida. Em 2017, foi nomeada "Blogueira do Ano" pelo júri do prêmio alemão "Die Goldenen Blogger". No ano seguinte, o Financial Times concedeu-lhe o prêmio Futuro da Europa em um concurso de redação. No texto, ela também falou da suposta família judaica e comparou o destino dos parentes com o de refugiados abandonados nas costas da Europa.
A equipe do Die Goldenen Blogger publicou um comunicado em seu site e disse que pediu explicações à autora e que retirou o prêmio dela. Eles também afirmam que, caso algo mude, podem reaver a posição.
Parede com fotos de vítimas do Holocausto. São casais, crianças, adultos e idosos.
O Salão dos Nomes, em Yad Vashem, homenageia vítimas do Holocausto
O memorial Yad Vashem disse à agência de notícias alemã DPA no domingo (02/06) que enviou os testemunhos de Hingst a um especialista que investigaria o caso. Mas, segundo um porta-voz do arquivo, "muitas vezes os relatos são a única evidência da existência de uma vítima do Holocausto".
De acordo com o Yad Vashem, os testemunhos são geralmente revisados, e informações biográficas e geográficas básicas são verificadas, mas presume-se que as páginas do memorial sejam preenchidas honestamente. A pessoa que envia o formulário é responsável pelo conteúdo: "O processo não é 100% seguro", admite o memorial.
A reação de Hingst à reportagem da Spiegel foi surpreendente. Por meio do advogado, ela disse à revista que os textos do blog "tem um considerável grau de liberdade artística". "É literatura, não jornalismo ou historiografia".
Além disso, ela afirma que "em nenhum momento" no âmbito dos textos divulgou inverdades sobre sua própria história familiar. Embora tenha entregado uma "lista de 22 pessoas que pertencia a sua avó" para o Yad Vashem, ela afirma que não analisou os dados.
Outras farsas
O caso de Marie Sophie Hingst não é o único a se aproveitar da dolorosa história dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial, seja por razões financeiras ou por atenção. Em 1995, Fragmentos – Memórias de uma Infância 1939-1948 continha lembranças falsas do suposto sobrevivente letão do Holocausto Binjamin Wilkomirski. Mais tarde descobriu-se tratar-se de um não judeu nascido na Suíça.
No final do ano passado, veio à tona que Wolfgang Wolfgang Seibert, antigo presidente da comunidade judaica de Pinneberg, no estado alemão de Schleswig-Holstein, mentiu sobre seus antecedentes: seus pais adotivos eram judeus, mas os biológicos, não.
Em 1997, a belga Monique de Wael, sob o pseudônimo Misha Defonseca, publicou o livro Sobrevivendo com lobos. Na história, ela narra sua suposta fuga, aos oito anos, por Bélgica, Alemanha e Polônia, na qual ela teria tido a companhia de lobos - em 2007, a obra ganhou uma adaptação para o cinema. Após descobrir-se que a história era inventada, ela teve que pagar 22,5 milhões de dólares à editora.
______________
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Postar um comentário

0 Comentários