Merkel: Todas as instituições judaicas na Alemanha precisam de proteção

Merkel: Todas as instituições judaicas na Alemanha precisam de proteçãoA chanceler alemã Angela Merkel levantou a questão do crescente anti-semitismo na Alemanha durante uma entrevista exclusiva com a CNN, após um aviso de um alto funcionário alemão de que os judeus não devem usar kipá em público.
Falando ao Christian Amanpour sobre a ascensão do anti-semitismo em seu país, ele disse que a Alemanha «sempre teve um certo número de anti-semitas entre nós, infelizmente.
«Até hoje, não há uma única sinagoga, nem um único jardim de infância para crianças judias, nem uma única escola para crianças judias que não precise ser guardada pela polícia alemã», acrescentou. «Infelizmente, ao longo dos anos, não fomos capazes de lidar com isto satisfatoriamente.
Seus comentários vieram poucos dias depois que o Dr. Felix Klein, comissário de Merkel para combater o anti-semitismo e apoiar a vida judaica na Alemanha, advertiu à comunidade judaica que não é seguro para os judeus usarem kipá em público.
No sábado, Klein disse que, em sua «opinião sobre o assunto mudou após a brutalização em curso na sociedade alemã». Já não posso recomendar aos judeus que usem um kipá por toda a Alemanha.
Durante a entrevista da CNN, Merkel disse que «há trabalho a ser feito», já que as «forças das trevas» continuam a encontrar apoio do mainstream.
Na Alemanha, obviamente, eles sempre têm que ser vistos em um determinado contexto, no contexto do nosso passado, o que significa que temos que estar muito mais atentos do que os outros», disse ele, acrescentando que a Alemanha tem que lidar com «os fantasmas do nosso passado» e que «temos que contar aos nossos jovens o que a história trouxe para nós e para os outros, e esses horrores… por que temos que nos colocar no lugar dos outros e por que enfrentamos a intolerância e por que não mostramos qualquer tolerância com as violações dos direitos humanos».
Merkel reconheceu que a tarefa de ensinar as novas gerações sobre estas questões se tornou mais difícil «mas tem de ser feita».
A chanceler alemã está atualmente a cumprir o seu quarto e último mandato como líder do país, que terminará em 2021.
Segundo o The New York Times, há cerca de 200.000 judeus a viver na Alemanha. Em um artigo publicado no início deste mês, o Times informou que os crimes anti-semitas na Alemanha aumentaram em quase 20% a partir de 2018, com incidentes violentos anti-semitas aumentando em 86% para 69 no ano passado. De acordo com as estatísticas da polícia, 89% dos crimes anti-semitas foram cometidos por extremistas de direita.

Postar um comentário

0 Comentários