Judeus alemães indignados com a polícia que autorizou marcha neonazista

Judeus alemães indignados com a polícia  que autorizou marcha neonazista
Segunda marcha realizada em Duisburg pede a destruição de Israel
Segunda marcha realizada em Duisburg pede a destruição de Israel
Imagens mostram skinheads agitando bandeiras e cantando enquanto desfilavam por Plauen sem serem impedidos pelas autoridades; segunda marcha realizada em Duisburg pede a destruição de Israel.

A principal organização judaica da Alemanha expressou alarme esta semana, devido às imagens de neonazistas acenando bandeiras e marchando por uma cidade do leste da Alemanha no “May Day”, desimpedidos pela polícia.
As imagens da marcha provocaram indignação na Alemanha. Varias pessoas pediram as autoridades do estado da Saxônia, onde o sentimento de extrema-direita é particularmente forte, que fossem contra o ato.

"As imagens da marcha neonazista na festa do Terceiro Caminho, em Plauen, são perturbadoras e assustadoras", disse Josef Schuster, chefe do Conselho Central de Judeus da Alemanha.
Judeus alemães indignados com a polícia  que autorizou marcha neonazista
Segunda marcha realizada em Duisburg pede a destruição de Israel
Observando que a manifestação ocorreu na véspera do Yom HaShoá, o dia em que os judeus lembram os 6 milhões de homens, mulheres e crianças assassinados no Holocausto, Schuster acrescentou que "extremistas de direita estão marchando na Saxônia de uma maneira que traz de volta memórias do capítulo mais sombrio da história alemã”.
As agências de segurança alemãs dizem que o The Third Way, um partido relativamente pequeno, tem laços estreitos com extremistas da extrema direita. A marcha em Plauen ocorreu ao som de tambores feitos para se parecerem com os usados pela Juventude Hitlerista. Os participantes gritavam frases como: "estrangeiros criminosos!" e "socialismo nacional agora!”.
A polícia da Saxônia disse que centenas de pessoas participaram da marcha. Os contra-manifestantes foram mantidos longe. A polícia disse que está investigando nove pessoas por cobrirem ilegalmente seus rostos e outra por insultar um policial, mas descreveu o dia como um sucesso do ponto de vista do policiamento, pois não houve registro de violência.
O Conselho Central dos Judeus disse que as autoridades deveriam ter impedido que a marcha acontecesse.
"Se o governo do estado da Saxônia é sério em combater o extremismo de direita, não deveria permitir tais manifestações. A comunidade judaica espera uma ação decisiva e consequências visíveis das autoridades responsáveis e do governo do estado”, disse Schuster.
A chanceler alemã, Angela Merkel, da União Democrata Cristã, está páreo a páreo nas recentes pesquisas de opinião com o partido de extrema-direita, Alternative for Germany, antes das eleições no dia 1º de setembro na Saxônia.
Em uma manifestação separada, na última quarta-feira, neonazistas marcharam pela cidade de Duisburg, no oeste da Alemanha, com placas pedindo a destruição de Israel.

Postar um comentário

0 Comentários