Jihad Islâmica admite que seu próprio foguete matou bebê

Jihad Islâmica admite que seu próprio foguete matou bebê Desmentindo versões do Hamas, o grupo terrorista Jihad Islâmica admitiu que um foguete lançado contra Israel na noite de sábado matou um bebê e feriu sua mãe grávida na Faixa de Gaza. Fontes de Gaza identificaram as vítimas como Saba Mahmoud Abu'Arar, de 14 meses, e sua mãe grávida Falastin.
O bebê morreu quando terroristas da Jihad Islâmica lançaram um foguete em direção a Israel a partir de uma área populacional no leste da cidade de Gaza. O foguete falhou e caiu em uma casa próxima, matando o bebê. A mãe do bebê não morreu, como se noticiou inicialmente. Ela ficou ferida e perdeu o bebê que carregava no ventre. Mahmoud H., morador local, disse que viu um enorme buraco dentro da casa depois da explosão do foguete.
O foguete foi produzido localmente e pode ter avariado ou explodido prematuramente devido aos explosivos de baixa qualidade usados na fabricação.
O Ministério da Saúde de Gaza afirmou inicialmente que a mãe do bebê morrera na explosão, mas depois corrigiu a informação, afirmando que outra mulher chamada Falastin Abu'Arar havia morrido. Ela poderia ser uma tia do bebê.
Uma fonte em Gaza disse que representantes da Jihad Islâmica se reuniram com a família Abu'Arar no domingo pela manhã e ofereceram uma 'compensação' e um registro do bebê como "Shahid", com direito a uma indenização vitalícia em troca de seu silêncio.
Jornalistas árabes em Gaza tomaram conhecimento dos fatos, mas se abstiveram de reportá-los devido à situação tensa.
Uma publicação do Hamas - al-Risala News - chegou a divulgar informação sobre o caso em sua conta do Telegram no domingo à tarde, mas retirou-a pouco depois. A notícia apareceu em outro canal do Telegram e desapareceu rapidamente.
A notícia dizia: "Uma informação vazada dos heróis da [Jihad Islâmica] Sarayat al-Quds (Brigadas de Jerusalém) sobre as circunstâncias da morte do bebê Saba Abu'Arar indica que um foguete da resistência explodiu dentro da casa da família devido a uma falha técnica, que teria sido causada por explosivos de baixa qualidade usados na fabricação do foguete".
"Não há dúvida de que a morte do bebê não tem nada a ver com os aviões do inimigo (Israel)", dizia a informação.
As Forças de Defesa de Israel (IDFs) já haviam informado no domingo à tarde que "armas palestinas causaram a trágica morte de uma mulher e de um bebê em Gaza".
"O Hamas culpou Israel. Jornalistas noticiaram a mentira. Nossa avaliação já indicava que o incidente não teve nada a ver com as ações das IDFs", afirmou uma fonte militar israelense.

Postar um comentário

0 Comentários