Behukotai

Behukotai
 

Nossa Parashá nos conta que se estudarmos a Torá e cumprirmos as Mitzvót, Hashem vai nos dar a chuva na hora certa e a terra vai dar sua produção com muita fartura a ponto de no futuro as árvores do campo que por natureza não dão frutos, não só que vão dar frutos, mas também que os frutos delas vão ser muito melhores do que os frutos das árvores atuais para compensar o tempo em que elas eram  estéreis

Daqui vemos que todas as coisas boas desse mundo estão dependendo de nós, de despertarmos lá encima a fartura que vai descer aqui para baixo

O Zohar nos conta como isso acontece lá encima e conclui que o principal meio para trazer as Bençãos Divinas para cá é por meio da Mitzvá da Tzedaká

A “árvore da vida”

Diz o Zohar que o conjunto de seis Sefirót (emanações Divinas) chamado de “Zeer Anpin”(pequeno rosto) que é composto das Sefirot “Hessed”, “Guevura”, “Tiferet”, “Netzah”, “Hod” e “Issod” , é a fonte de todos os bens materiais. Por isso o "Zeer Anpin" é chamado de "a árvore da vida"

Ou seja, para esses bens materiais acontecerem no mundo eles precisam descer da fonte espiritual para depois se materializarem

Podemos comparar isso ao nascimento de uma criança. O pai e a mãe podem estar juntos muitas vezes, mas para que a gravidez aconteça na prática D'us tem que colocar uma Alma nessa relação, só assim a mãe engravida e todo o tempo que essa Alma espiritual está nesse corpo ele continua sendo um corpo vivo. Na hora que essa Alma deixa o corpo ele falece. Esse falecimento pode acontecer no mesmo dia em que a mulher engravidou ou, como costumamos dizer, 120 anos depois. Mas a regra é essa, se a Alma não desce para esse mundo essa criança nunca vai existir

Esse mundo em todos os seus aspectos, sejam eles humano, animal, vegetal ou mineral, está sincronizado com o mundo de cima, e tudo o que acontece aqui só acontece porque antes estava no mundo espiritual, desceu para cá e se materializou. Não há nada nesse mundo que não esteja ligado diretamente com a sua fonte espiritual lá encima

Para que essa descida aconteça, o "Zeer Anpin" tem que se unir à última Sefirá chamada de "Malhut" mas quando eles estão separados essa fartura fica no mundo espiritual e não desce para nós

A “árvore da morte”

O "Malhut" é chamado pelo Zohar de "a árvore da morte" sendo que ela não tem vida de si própria e é comparada à lua que não tem luz própria e só ilumina a luz que recebe do sol.

O Malhut recebe as as emanações do "Zeer Anpin" quando se une à ele e assim a fartura espiritual desce ao mundo e se materializa dando origem à todos os bens materiais

Nossas Almas Divinas são uma parte de D'us. E aonde nos tornamos parte de D'us? Nessa Sefirá chamada de Malhut no mundo espiritual mais elevado chamado de Atzilut.

Poderíamos dizer que no Malhut acontece a "gravidez" da nossa Alma, e lá nossa Alma "nasce". A partir de lá recebemos nossa própria identidade e de lá descemos para esse mundo passando por todos os outros mundos espirituais no meio do caminho até nos revestirmos em um corpo material nesse único mundo material, o mais baixo de todos chamado pelo Zohar de "o fundo do precipício"

Essa decida tem duas formas, e de acordo com isso vamos dizer que existem Almas mais elevadas e Almas menos elevadas, mesmo sendo todas elas da mesma origem

Uma forma de acontecer essa descida é de as Almas só passarem pelos mundos de Briá, Yetzirá e pelo aspecto espiritual do nosso mundo de Assiá até se revestirem em um corpo material

Nesse primeiro caso essas almas somente passam por esses mundos, mas sem se revestirem neles, e essas Almas são as dos maiores Tzadikim da nossa história, uma muito pequena minoria

Outra forma de acontecer essa descida é de a Alma se revestir em um mundo mais baixo e novamente essa "gravidez" acontecer no Malhut do mundo mais baixo, lá nos transformamos e de lá descemos para nos revestirmos no nosso corpo material

Por isso existem Almas de Briá Yetzirá e Assiá, dependendo do mundo aonde essa Alma se revestiu e se transformou no meio do caminho, mesmo que na essência somos todos iguais


Diz o Zohar que, se acontecer de na hora de essa Alma "nascer", ou seja, deixar o Malhut para descer ao corpo material, se nessa hora o Malhut estiver separado do"Zeer Anpin" (isso acontece lá encima devido às nossas más ações aqui embaixo) essa pessoa não vai ter sucesso em assuntos materiais. Ou seja, sempre vai viver com dificuldades financeiras, vai ser um pobre crônico

Quando damos à ele a Tzedaká, fazemos acontecer lá encima a união entre o "Zeer Anpin" e o "Malhut", e quando isso acontece a fartura desce ao mundo e se materializa fazendo com que a chuva caia na hora certa e a terra dê a sua produção à ponto de até acontecer a própria Gueulá e as árvores estéreis darem frutos

Por isso, quando damos uma Tzedaká estamos fazendo mais bem para nós próprios do que para o necessitado

Por esse motivo sempre temos que dar Tzedaká com muita alegria e nunca dizer que essa pessoa todo ano está precisando, porque talvez esse necessitado seja uma Alma dessa origem, e quando você dá vida à ele por meio da sua Tzedaká você está fazendo acontecer a união entre o Zeer Anpin e o Malhut trazendo vida para todos os mundos, e o principal beneficiado é você próprio!
❤Shabat Shalom ❤
Rabino Gloiber

Postar um comentário

0 Comentários