No ano de 2100 mulheres judias estarão acendendo as velas de ShabatNo ano de 1995, um judeu que trabalhava como executivo de marketing teve uma ideia brilhante. 

 E se o “The New York Times”, considerado o jornal mais importante do mundo, publicasse semanalmente o horário de acendimento das velas de Shabat? 

 Alguém teria que pagar pelo espaço, mas imagine o orgulho e a conscientização judaica que resultariam de uma menção tão importante do Shabat toda semana. 

 Ele entrou em contato com um filantropo judeu e expôs a ideia. 

 Custava quase dois mil dólares por semana, mas mesmo assim o filantropo aceitou. 

 E, durante quase cinco anos, a cada sexta-feira, judeus em todo o mundo podiam ler: “Mulheres judias, o horário para o acendimento das velas de Shabat nesta sexta-feira em New York é…”. 

 Por fim, o filantropo teve que cortar alguns de seus projetos. 

 E, em junho de 1999, o pequeno anúncio de Shabat deixou de aparecer no “The New York Times” para, a partir daquela semana, nunca mais aparecer de novo. 

 Exceto mais uma vez… 

 No dia 1º de janeiro de 2000, o “The New York Times” publicou uma “Edição do Milênio”, com um tema especial nas três primeiras páginas. 

 A primeira página trazia notícias de 1º de janeiro de 1900, a segunda página mostrava as notícias do próprio dia, 1º de janeiro de 2000, enquanto a terceira página projetava futuros eventos para o dia 1º de janeiro de 2100. 

Esta terceira página incluía coisas bem humoradas, como as boas-vindas ao estado americano de número 51, Cuba. 

Havia também uma discussão sobre a permissão de robôs votarem nas eleições, entre outros artigos interessantes. 

 Porém, havia algo mais. 

 Ao pé da terceira página estava o horário de acendimento de velas em Nova York para o dia 1º de janeiro de 2100. 

 Mas quem teria pago por este anúncio, já que aquele filantropo há muito tempo havia parado de doar dinheiro para isso? 

 A verdade logo veio à tona: Ninguém havia arcado com o custo deste anúncio, ele simplesmente foi colocado lá de forma gratuita pelo jornal. 

 Quando o gerente de produção do “The New York Times”, um católico irlandês, foi questionado a respeito daquele anúncio, ele respondeu: 

 - Não sabemos o que acontecerá no ano de 2100. É impossível prever o futuro. Porém, de uma coisa vocês podem estar certos: No ano de 2100, as mulheres judias ainda estarão acendendo as velas de Shabat…” 

Leia também:

Morreu neste domingo (7/4) uma das últimas sobreviventes da Shoah que vivia no Brasil