12/04/2019

Netanyahu e aliados conquistam 54% do Parlamento

Netanyahu e aliados conquistam 54% do ParlamentoO Comitê Central Eleitoral de Israel divulgou nesta quinta-feira, 11, os resultados finais das eleições realizadas há dois dias no país e, após revisar alguns votos por irregularidades e divergências, confirmou a vitória do Likud, partido do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.
O presidente do órgão, Hanan Melcer, disse que a apuração passou por um processo de revisão exaustivo, mas disse que há ainda uma pequena margem para a mudança até a divulgação oficial dos resultados, que só ocorrerá na próxima quarta-feira, 17. Falta ainda, segundo ele, considerar algumas impugnações.
Os números finais apontam vitória do Likud, de Netanyahu, com 26,45% dos votos, o que dá ao partido 36 cadeiras no Knesset, o parlamento de Israel. A coalizão Khahol Lavan (Azul e Branco), do general Benjamin Gantz, principal opositor do premiê, ficou com a segunda colocação, com 26,11% do apoio do eleitorado e 35 deputados.
Após divulgar uma primeira parcial na manhã de hoje, o comitê decidiu verificar mais uma vez todo o processo. Foram detectadas divergências no número de cédulas, o que poderia modificar os resultados e ser determinante na composição do novo parlamento. A publicação inicial revelou uma diferença de mais de 60 mil cédulas entre o número dos votos válidos e os que foram recebidos pelos partidos.
O problema fez com que o partido Nova Direita, do ministro da Educação, Naftali Benet, e da ministra da Justiça, Ayelet Shaked, pedissem uma recontagem dos votos. Após a revisão, o Nova Direita ficou com 3,22% dos votos, não superando a barreira de 3,25% prevista na lei para integrar a nova composição do parlamento.
Com esses resultados, Netanyahu deve conseguir formar um novo governo com facilidade. O bloco de partidos religiosos e de direita aliados do Likud conquistou 65 cadeiras, suficiente para garantir a maioria de 54% do Knesset, formado por 120 deputados.

Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: