Anjos e demônios no judaísmo

Anjos e demônios no judaísmo
Riccardo Di Segni (Foto: Perfil Do Twitter)
Quem é o diabo na tradição judaica? Como funciona a possessão? Existe uma maneira de se livrar? Quais são as diferenças com a doutrina católica? E o que o Talmud diz sobre isso? Como se chegou à tradução em italiano?
Estas e outras questões ZENIT fez a Riccardo Di Segni, médico e rabino-chefe da Comunidade Judaica de Roma.
***
Rabino Di Segni, em que consiste a figura do dibbuk, uma espécie de demônio na cultura judaica?
Dibbuk significa “adesão”, ou seja, algo (um ou mais espíritos) que se associa conjuntamente. É um tema presente na tradição hebraica em uma histórica muito longa, que de vez em quando emerge como um rio subterrâneo com novos aspectos e novas interpretações. O termo particular (dibbuk) e o tema da possessão são usados ​​principalmente na história mística, especialmente desde o século XVII, para indicar a penetração na pessoa de parte de um espírito não necessariamente mal, que interfere com o seu comportamento.
Além da marginalidade deste tema (não há qualquer investidura sacerdotal para desempenhar o papel de exorcista), devemos esclarecer que há uma outra diferença fundamental com o catolicismo. No judaísmo quando se fala de possessão, o possuidor não é necessariamente o diabo, ou um diabo, poderia também ser a alma de um falecido, coisa que a teologia católica rejeita decididamente.
A interpretação judaica do fenômeno pode ser muito diferente, mas a semiótica da possessão e a técnica para a libertação de pessoas dos espíritos malignos apresentam muitas analogias e semelhanças com as formas cristãs.
Em meu discurso no Ateneu Pontifício Regina Apostolorum fiz um adendo histórico para explicar como este tema se desenvolveu na tradição hebraica desde os tempos bíblicos até os dias atuais.
Existem personagens históricos maus possuídos?
São interpretações bastante estranhas ao judaísmo.
E sobre os anjos?
Os anjos no geral são criaturas espirituais que são enviadas a realizar determinadas missões. Em certos ramos do hebraísmo desenvolveu-se também uma angeologia com um monte de nomes, anjos maus e anjos bons ou pelo menos agentes que fazem ações prejudiciais. Mas uma coisa é reconhecer que existam anjos e espíritos e outra é que entrem no corpo. No hebraísmo a angeologia e a demonologia que também existem, também se de modo marginal, não envolvem necessariamente a possessão.
Recentemente, pela primeira vez na história, foi traduzido o Talmud em italiano, você pode explicar do que se trata e por que é tão importante?
O Talmud babilônico é uma obra de tamanho considerável, são 5400 páginas, muito grande, escritas em um estilo muito conciso e complicado, que representam o pilar da tradição pós-bíblica.
Eles são a chave fundamental para a compreensão do judaísmo em seu desenvolvimento histórico por muitos séculos. Nenhum estudo de tradição rabínica pode prescindir do Talmud. Este texto de complicada compreensão começou a ser traduzido nas línguas europeias no século passado. Em Italiano só havia uma tentativa muito parcial.
Agora, foi colocado em uma grande empresa que usa sistemas tecnológicos sofisticados, todo o trabalho passa através de um site central, com o qual se faz a tradução da obra. O que apresentamos é o primeiro resultado deste trabalho, a tradução de um tratado.
Para chegar a este primeiro resultado foi necessário um enorme trabalho, de projeção, de criação de equipes, de definições de regras e procedimentos.
É um resultado cultural importante, para conhecer melhor a grande contribuição, tanto espiritual quanto cultural da tradição hebraica.
Por que até agora não havia sido traduzido em italiano?
Grande parte do Talmud está escrito em aramaico, e a primeira tradução necessário é em hebraico, a língua universal dos estudiosos de hebraísmo. Depois foi traduzida em línguas europeias como o alemão e o inglês, nas quais há bastante expressão de comunidades hebraicas. E não são e nem podem ser traduções literais, mas deve ser uma tradução discursiva e interpretativa, com amplas notas. Grande trabalho e recursos reduzidos, pelas dimensões do hebraísmo que fala italiano: e isso explica a demora da iniciativa italiana.
Qual é a relação entre o Antigo Testamento e o Talmud?
O Talmud contém o que chamamos de Torah (ensino) oral, o ensinamento que nasce junto à Torá escrita e continua por séculos com os rabinos depois do fechamento do cânon bíblico. A Bíblia é a primeira tradição escrita e o Talmud é o filtro através do qual a Bíblia é lida.

Postar um comentário

0 Comentários