11/03/2019

Gantz diz que Menachem Begin teria expulsado Netanyahu do Likud

Gantz diz que Menachem Begin teria expulsado Netanyahu do Likud
O general aposentado do exército israelense Benny Gantz, um dos líderes da aliança política azul e branca, fala aos membros da comunidade drusa de Israel na cidade de Daliyat al-Karmel, no norte de Israel, em 7 de março de 2019. (JACK GUEZ / AFP)

O líder azul e branco diz que o icônico político israelense e fundador do partido não teria tolerado o "regime de divisão" e a "falsa" retórica de campanha do primeiro-ministro.

O líder do partido azul e branco, Benny Gantz, criticou na segunda-feira o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu por sua retórica de campanha cada vez mais incendiária, que atraiu acusações de racismo e incitação.
Gantz, principal rival eleitoral de Netanyahu, disse que o icônico fundador do partido Likud e ex-primeiro ministro Menachem Begin - cuja morte em 9 de março de 1992 foi comemorada pelo partido Likud de Netanyahu na segunda-feira de manhã - teria "retirado [Netanyahu] do partido. "
"Sejamos honestos, [Begin] não se encaixaria com o Likud de Netanyahu, ele seria considerado um inimigo de Israel", disse Gantz em um post no Facebook. "O que os vídeos de campanha falsos e instigantes de Netanyahu devem começar hoje?"
Ele chamou Begin de "humilde patriota israelense e líder de direita" que estava "enojado pelos Kahanistas, defendeu a democracia israelense, manteve a segurança e buscou a paz".
Gantz disse que o "legado unificador" de Begin não se parece em nada com o "regime de incitamento e divisões" de Netanyahu.
Netanyahu, sob ameaça de acusação por corrupção, enfrenta um duro desafio da aliança política centrista liderada por Gantz e pelo ex-ministro das Finanças Yair Lapid.
O primeiro ministro Menachem Begin (E) com o presidente Jimmy Carter (C) e o presidente Anwar Sadat do Egito em Camp David em setembro de 1978. (Crédito da foto: CC BY-SA Jeff Kubina, Flickr)
O primeiro-ministro Menachem Begin, à esquerda, com o presidente americano Jimmy Carter, no centro, e o presidente Anwar Sadat, do Egito, em Camp David, em setembro de 1978. (CC BY-SA Jeff Kubina / Flickr)
A campanha eleitoral de Netanyahu foi dominada por seus ataques incendiários contra a mídia, opositores políticos, a polícia, o Ministério Público e a minoria árabe de Israel.
Netanyahu tentou retratar Gantz como um candidato que iria inaugurar um governo esquerdista “fraco” com o apoio dos partidos árabes do Knesset, que são vistos por muitos à direita como desleais ao Estado judeu.
Em vídeos enviados para suas contas de mídia social, Netanyahu freqüentemente afirma que o Blue and White formará alianças com partidos árabes em uma tentativa de tirá-lo do poder e fará concessões significativas aos palestinos.
Ele também criticou amplamente por cortejar extremistas anti-árabes na esperança de melhorar suas chances de reeleição. No mês passado, ele foi fundamental na mediação de um polêmico pacto de união entre o Partido Judiciário de Israel e o extremista Otzma Yehudit (Poder Judaico), em uma tentativa de aumentar o número de cadeiras ocupadas por partidos de direita após as eleições. seu próximo governo potencial de coalizão.
Como parte do acordo, Netanyahu deu ao partido fundido um assento na lista de candidatos do partido Likud e garantiu a ele duas posições de gabinete se ele vencesse.
A liderança de Otzma Yehudit é composta de discípulos do rabino Meir Kahane, nascido nos Estados Unidos, cujo partido, o supremacista judeu Kach, foi proibido pela lei israelense de incitação anti-árabe e mais tarde declarado grupo terrorista.
Gantz diz que Menachem Begin teria expulsado Netanyahu do Likud
O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu participa de uma reunião da facção Likud no Menachem Begin Heritage Center, em Jerusalém, em 11 de março de 2019 (Yonatan Sindel / Flash90)
No domingo, Netanyahu enfrentou mais críticas por dizer que Israel "não era um estado de todos os seus cidadãos" em uma referência à população árabe do país.
Netanyahu estava envolvido em uma discussão de mídia social com o apresentador de reality show Rotem Sela, depois que ela criticou a retórica anti-árabe de seu partido Likud.
Embora ele tenha notado que todos os cidadãos israelenses, incluindo os árabes, têm direitos iguais sob a lei, Netanyahu, em seus comentários, se referiu a uma lei profundamente controversa aprovada no ano passado declarando Israel o estado-nação do povo judeu.
"Israel não é um estado de todos os seus cidadãos", ele escreveu em um post no Instagram respondendo aos comentários de Sela. "De acordo com a lei básica de nacionalidade que aprovamos, Israel é o estado-nação do povo judeu".
Na segunda-feira, Netanyahu reagiu às críticas crescentes de seus comentários, dizendo aos legisladores do Likud que uma premierança de Gantz-Lapid era uma perspectiva "horripilante".
"Nós sabemos bem o que funciona e o que não funciona", disse ele em uma reunião da facção do Likud, realizada em Menachem Begin Heritage Center, em Jerusalém, em comemoração ao aniversário da morte do fundador do Likud.
"As pessoas não entendem que um voto para Gantz-Lapid é na verdade um voto para Lapid como primeiro-ministro", disse Netanyahu. (Gantz serviria primeiro como primeiro ministro se Azul e Branco formasse o próximo governo, com Lapid assumindo depois de dois anos e meio.)
Gantz diz que Menachem Begin teria expulsado Netanyahu do Likud
O general aposentado do exército israelense Benny Gantz (R), um dos líderes da aliança política Azul e Branco, fala a uma mulher durante uma reunião com membros da comunidade drusa na cidade de Daliyat al-Karmel em 7 de março de 2019. ( Foto de JACK GUEZ / AFP)
Na semana passada, Gantz estendeu a mão para as comunidades drusas no norte de Israel, dizendo à minoria de língua árabe que seu partido iria trabalhar para manter a igualdade em Israel.
Em uma aparente referência à controversa lei do estado-nação, que muitos drusos e árabes israelenses criticaram como discriminatória, Gantz disse que seu partido "ouviu e ouviu sua exigência básica de igualdade".
"Infelizmente, existem elementos extremistas à direita e à esquerda tentando dividir a sociedade israelense", disse Gantz na quinta-feira durante uma visita à cidade de Daliyat al-Karmel. "Vamos apresentar aos cidadãos do Estado de Israel uma aliança de esperança."
A Associated Press contribuiu para esta matéria


Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: