História de Lien de Jong é premiada

História de Lien de Jong é premiada
Bart van Es recebeu o prêmio acompanhado de Lien | Foto: yOUT
A biografia de uma judia que foi protegida pela família do escritor durante a Segunda Guerra Mundial ganhou o Costa Book Awards de livro do ano. Bart van Es recebeu o prêmio de 30 mil libras por "The Cut Out Girl", que conta a história de Lien de Jong, uma da garota holandesa que foi levada aos nove anos pelos avós do autor antes dos pais delas serem enviados para Auschwitz. A mulher, agora na casa dos 80 anos, participou da cerimônia de entrega da láurea, em Londres.
“Sem família você não tem uma história. Agora eu tenho uma história… Bart reabriu os canais da família”, afirmou, emocionada. Lien disse também que ela nunca percebeu que sua história poderia causar tanto impacto. "Estou muito orgulhoso deste resultado e nunca pensei que pudesse se tornar um livro", completou.
O júri, presidido pela jornalista da BBC Sophie Raworth, descreveu a obra como "sensacional e emocionante - a joia escondida do ano". “É um livro muito importante. É uma história que nunca teria sido contada se ele (o autor) não tivesse procurado. Todos nós pensamos que tinha enorme ressonância hoje, o número de pessoas deslocadas que existem hoje e o número de histórias que não são contadas. É lindamente escrito, muito discreto. Ficamos todos muito surpresos com isso. Nós o entendemos como uma joia escondida que realmente queríamos colocar em evidência", disse Sophie.
Van Es, professor de inglês em Oxford, sabia que seus avós faziam parte da resistência holandesa e tinham ajudado a jovem judia que se escondera com eles. Mas a família se separou de Lien nos anos 1950 e ele começou a se perguntar o que havia acontecido com ela. Ele a rastreou em Amsterdã, e depois do constrangimento inicial, eles começaram uma amizade. "Ele escreveu em seu e-mail sobre estar interessado na história da família e talvez escrever um livro ... Bem, a coisa da família realmente não toca para mim. Os Van Eses foram importantes em minha vida por um longo tempo, mas não agora", disse.
Lien tinha mantido uma grande documentação sobre sua vida, incluindo a carta que sua mãe enviara à família que criaria sua filha. “Ela foi tirada de mim pelas circunstâncias. Que você, com a melhor vontade e sabedoria, cuide dela ”, escreveu em agosto de 1942. Van Es, falando após sua vitória, afirmou que não foi difícil rastrear a mulher, apesar da separação familiar. Embora sua avó tenha ordenado que a família não voltasse a falar com ela, sua mãe havia permanecido em contato.

Postar um comentário

0 Comentários