29 de dez. de 2019

Gal Gadot entra em adaptação polêmica de livro proibido

Gal Gadot entra em adaptação polêmica de livro proibido

Gal Gadot entra em adaptação polêmica de livro proibido     Responsável por dar vida à personagem Mulher-Maravilha nos cinemas, a atriz Gal Gadot tem outro trabalho pela frente. Ela estará em um projeto bastante polêmico: a adaptação de um livro proibido. O material, que foi censurado pelo governo israelense em 2015 e se chama Borderlife, agora vai contar com a produção de Gal para sua adaptação.
As informações foram reveladas pelo site de notícias de entretenimento Variety. De acordo com o portal, a famosa atriz, que é israelense, estaria cogitando, também, além de seu papel como produtora, estrelar o filme, cujo enredo gira em torno de um romance entre uma mulher israelense e um homem palestino. O livro foi escrito originalmente por Dorit Rabinyan em 2014.
Pouco depois do lançamento, o então ministro da educação de Israel, Naftali Bennett, disse que o livro não deveria ter sua circulação ocorrendo nas escolas do país. Isso gerou o famoso efeito contrário, chamado de Efeito Streisand, que acaba fazendo com que uma obra proibida ou censurada de alguma forma chame atenção em massa. Com isso, o livro acabou se tornando um best-seller de livrarias.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Empresa israelense quer oferecer cura do câncer em um ano

Empresa israelense quer oferecer cura do câncer em um ano

Empresa israelense quer oferecer cura do câncer em um ano     Uma empresa israelense acredita que pode oferecer a cura completa para o câncer. A startup Accelerated Evolution Biotechnologies (AEBI) criou um método chamado MuTaTo (multi-target toxin, ou toxina de múltiplos alvos) e quer colocá-lo em prática em 2020.
O presidente do conselho da AEBI, Dan Aridor, afirma ao jornal Jersulalem Post que o tratamento oferece  “nenhum ou quase nenhum efeito colateral”. O empresário diz também que o custo será “muito inferior do que a maioria dos tratamentos disponíveis”.
O tempo de tratamento também seria consideravelmente curto: apenas algumas semanas, segundo Aridor.

Como funciona?

Como explica o empresário, a técnica MuTaTo usa uma tecnologia chamada SoAP. Ela parte das técnicas de exibição de fagos (phages display), na qual um vírus que infecta uma bactéria pode ser utilizado para desenvolver novas proteínas. O trabalho realizado é similar, mas usa, na verdade, peptídeos. De acordo com Ilan Morad, fundador e CEO da startup, peptídeos são mais baratos, menores e têm produção e controle mais simples.
Para Morad, técnicas de cura de câncer em desenvolvimento falham pois miram alvos específicos. A MuTaTo faz exatamente o contrário, usa uma combinação de diversos peptídeos que ataca diversas células cancerígenas ao mesmo tempo. Usar pelo menos três peptídeos na mesma estrutura, diz Morad, “garante que o tratamento não será afetado por mutações”.
O CEO compara o tratamento MuTaTo com o coquetel para a Aids. “Costumávamos dar diversas drogas [aos pacientes], mas uma de cada vez. Durante o tratamento, o vírus sofria mutações e a Aids atacava novamente. Somente quando pacientes começaram a tomar o coquetel, foi possível parar a doença.”
Hoje, pacientes diagnosticados com o vírus HIV o carregam, mas não estão doentes. Segundo Morad, a MuTaTo agiria ainda mais eficazmente, matando as  células cancerígenas e dispensando o uso de medicamentos pelo resto da vida.
De acordo com Morad, os experimentos com ratos carregando células cancerígenas humanas mostraram sucesso. Agora, a startup deve começar testes clínicos. O objetivo é oferecer tratamentos específicos para diversos casos de câncer.
Com informações da Revista PEGN



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Ataque com faca deixa cinco feridos em casa de um rabino em Nova York

Ataque com faca deixa cinco feridos em casa de um rabino em Nova York

Ataque com faca deixa cinco feridos em casa de um rabino em Nova York     Um homem esfaqueou e feriu cinco pessoas na casa de um rabino no norte de Nova York durante uma festa para celebrar o Hanukkah judaico na noite de sábado.
As vítimas, todos membros da fé judaica, foram transportados para hospitais locais – dois em estado crítico, tuitou o Conselho de Assuntos Públicos Judaicos Ortodoxos (OJPAC).
O suspeito foi preso, disse a polícia local de Ramapo em um comunicado no Facebook.
O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse em um comunicado que ficou “horrorizado com o ato desprezível e covarde”, e havia ordenado à Força Tarefa de crimes de ódio da Polícia Estadual que investigasse o caso.
Temos uma tolerância zero ao antissemitismo em Nova York e responsabilizaremos o agressor por toda a extensão da lei”, tuitou.
A CBS New York informou que um homem com um facão entrou na propriedade do rabino em Monsey, estado de Nova York, uma área com uma grande população judaica, e matou pelo menos três pessoas antes de fugir.
“Eu estava rezando pela minha vida”, contou Aron Kohn, 65 anos, ao New York Times, descrevendo a faca usada pelo agressor como “do tamanho de uma vassoura”.
Yossi Gestetner, cofundador do OJPAC para a região do Vale do Hudson, disse ao New York Times que uma das vítimas era filho do rabino.
“A casa tinha dezenas de pessoas lá”, disse Gestetner.
“Era celebração do Hanukkah”, acrescentou.
Em Israel, o presidente Reuven Rivlin expressou seu “choque e indignação” em relação ao ataque.
“A ascensão do antissemitismo não é apenas um problema judaico, e certamente não é apenas o problema do Estado de Israel”, disse ele em comunicado.
“Devemos trabalhar juntos para enfrentar esse mal, que está erguendo a cabeça novamente e é uma ameaça genuína em todo o mundo”.
A polícia americana está enfrentando uma série de ataques contra alvos judeus nos últimos anos.
Seis pessoas, incluindo dois suspeitos, foram mortas em um tiroteio em Jersey City em uma lanchonete kosher no início deste mês, o que, segundo as autoridades, é alimentada em parte pelo antissemitismo.
Após o ataque de sábado, o prefeito Bill de Blasio tuitou que conversou com amigos judeus de longa data que temem mostrar sua fé publicamen te.
“Não permitiremos que isso se torne o novo normal”, escreveu ele.
“Usaremos todas as ferramentas necessárias para impedir esses ataques de uma vez por todas”, concluju.


Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




25 de dez. de 2019

Cristãos de Gaza vão de Belém a Jerusalém

Cristãos de Gaza vão de Belém a Jerusalém

Cristãos de Gaza vão de Belém a Jerusalém


Israel começou nesta segunda-feira (23) a distribuir licenças aos cristãos de Gaza para que eles possam ir a Belém e Jerusalém para celebrar o Natal, como tradicionalmente fazem todos os anos.
– Até agora recebemos 55 autorizações de entrada em Cisjordânia e Jerusalém dos 600 pedidos que enviamos ao lado israelense na semana passada – disse Kamel Ayad, porta-voz da Igreja Ortodoxa de Gaza, à agência EFE.
Ainda de acordo com Ayad, das 55 autorizações, três são para crianças, e 47 para adultos com mais de 60 anos.
– É possível que nas próximas horas consigamos as demais licenças – acrescentou.
A comunidade cristã em Gaza aguarda ansiosamente as licenças solicitadas para ir aos lugares sagrados e sair da atmosfera sufocante de Gaza. Por um lado, o território está sujeito a um bloqueio israelense há mais de uma década, e por outro vive sob o governo do movimento islâmico Hamas.
No domingo (22), o coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios, general Kamil Abu Rukun, que está à frente da instituição militar israelense que administra a ocupação do território de Gaza, informou que seriam “ampliadas as medidas civis em benefício da população cristã da Faixa de Gaza em reconhecimento das festas natalinas”.
– Como parte destas medidas, serão emitidas autorizações de entrada para Jerusalém e para a região de Judeia e Samaria (Cisjordânia) de acordo com as avaliações de segurança e sem considerar a idade (dos requerentes) – diz a nota.
A decisão foi tomada após queixas de líderes cristãos na Terra Santa, entre eles o administrador apostólico, o franciscano Pierbattista Pizzaballa, que considerou a falta de liberações como “um castigo adicional” para uma pequena comunidade “injustamente punida pelo bloqueio” imposto ao enclave desde 2007, quando o Hamas assumiu o controle da Faixa.
Pizzaballa mudou-se para Gaza na semana passada e lá celebrou uma missa em sinal de apoio à comunidade cristã, estimada em cerca de 900 pessoas, a maioria observadora do rito ortodoxo grego.
*Com informações da agência EFE



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




A tecnologia que permite carregar seu celular em 5 minutos

A tecnologia que permite carregar seu celular em 5 minutos

A tecnologia que permite carregar seu celular em 5 minutos     O ano de 2020 já promete trazer novidades que podem facilitar — e muito — o uso de tecnologia móvel, como celulares.
Uma startup israelense, a StoreDot, do empresário Doron Myersdorf, planeja desenvolver baterias capazes de recarregar um smartphone em 60 segundos ou um veículo elétrico em 5 minutos. No caso do carro, a carga seria suficiente para uma viagem de aproximadamente 500 km.
Para isso, a empresa obteve um financiamento no valor de US$ 130 milhões (cerca de R$ 531 milhões) e o apoio de uma das maiores empresas de petróleo do mundo, a BP. Não à toa, o canal Bloomberg colocou a StoreDot em uma lista de startups a se prestar atenção no ano que começa.
No entanto, por ora a empresa prevê lançar no segundo semestre de 2020 carregadores capazes de carregar totalmente a bateria de um celular em cinco minutos.
Sua tecnologia é baseada em uma combinação de nanotecnologias e uma nova geração de compostos orgânicos que armazenam energia com mais eficiência e segurança do que os sistemas atuais.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




20 de dez. de 2019

Lideranças judaicas participam de Fórum do American Jewish Committee em Washington

Lideranças judaicas participam de Fórum do American Jewish Committee em Washington

   
Lideranças judaicas participam de Fórum do American Jewish Committee em Washington
 Lideranças da Confederação Israelita do Brasil (Conib), Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) e da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS), participaram, em Washington/EUA, da Edição 2019 do “Forum Estratégico para Líderes Ibero-Americanos” do American Jewish Committee. O programa abordou as relações EUA-Ibero-América-Israel: perspectivas hemisféricas, transnacionais e globais. Foram discutidas questões como o avanço do antissemitismo, a situação no Oriente Médio e o cenário eleitoral nos Estados Unidos, entre outros temas.
O presidente da Conib, Fernando Lottenberg, afirmou: “Foi uma grande experiência. Este momento, na América Latina, é especial por tudo o que está acontecendo no continente, em especial na Bolívia, Equador e Chile. Essa polarização, nas sociedades, pode ter reflexos em nossa vida comunitária. Ter a oportunidade de reunir ex-participantes do Project Interchange em Washington, estar com os colegas de outras comunidades, ver o que acontece nos Estados Unidos, aprender sobre o estado do terrorismo no mundo, serve de alerta para nossas atividades. Voltamos para casa melhores do que viemos, com novas informações, nova energia e novos parceiros”.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Pesquisa revela pelo menos 66 células neonazistas no Paraná

Pesquisa revela pelo menos 66 células neonazistas no Paraná

Pesquisa revela pelo menos 66 células neonazistas no Paraná     Um adolescente foi flagrado ostentando o símbolo da suástica nazista em uma braçadeira na camiseta. A publicação feita em uma página da rede social,  mostra o adolescente na praça de alimentação de um shopping de Curitiba. 

“Curitiba, shopping, por isso o exemplo tem que ser dado, para que o próximo saiba que a fita é seria… Se o primeiro cretino tivesse sido tratado como se deve, o gurizão aqui iria pensar duas vezes…”, escreveu a página ao compartilhar a foto do nazista. A foto e o assunto viralizaram nesta quinta (19), mas a ameaça neonazista já é realidade no Paraná há algum tempo.

Estudo da pesquisadora e antropóloga Adriana Dias, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que prepara livro sobre cena extremista no Brasil. aponta existência de 334 células  neonazistas no país, com pelo menos 5 mil membros ativos. De acordo com o levantamento da antropóloga, a maior parte do movimento neonazista brasileiro concentra-se nas regiões Sul e Sudeste do país. Em São Paulo existem 99 células. Santa Catarina tem 69; Paraná, 66; Rio Grande do Sul, 47; e Rio de Janeiro, 22. Mas há também células em atividade em estados do Nordeste e do Centro-Oeste. O assunto foi trabalho de conclusão de curso de Adriana, em 2005, posteriormente e mestrado e finalmente em tese de doutorado. Agora ela prepara um livro que deve abordar especificamente os grupos neonazistas brasileiros.
Neonazistas condenados
Em agosto deste ano, o Tribunal do Júri condenou os sete acusados de integraram um grupo neonazista, em Curitiba, por crimes de racismo, associação criminosa e lesão corporal gravíssima. A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público estadual (MP) em 2005. O grupo teria espalhado adesivos racistas no centro da Capital paranaenses, com mensagens incentivando ataques a homossexuais e exaltando o ditador alemão Adolf Hitler e as ideias do movimento nazista.  De acordo com a denúncia do MP, as sete pessoas se envolveram em um caso de agressão grave contra um homossexual e um negro, que foram atacados com socos, chutes e golpes de estilete. 
A promotoria atuou na acusação e sustentou a prática dos crimes de racismo e discriminação, associação criminosa armada e lesão corporal gravíssima – tese acolhida pelos jurados. Além de agredir as vítimas, diz o MP, os réus distribuíram folhetos pela cidade com mensagens racistas, de ataque à população LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e pessoas intersex) e de alusão ao nazismo.
André Lipnharski foi condenado a 8 anos, seis meses e 15 dias de prisão por associação criminosa armada, racismo e discriminação lesão corporal gravíssima. Fernanda Kelly Sens a 2 anos, 10 meses e 15 dias de prisão por associação criminosa armada e racismo e discriminação. Drahomiro Michel Carvalho foi condenado a 2 anos, 10 meses e 15 dias de prisão por associação criminosa armada e racismo e discriminação. Bruno Paese Fadel foi condenado a 1 ano, seis meses e 22 dias de prisão por associação criminosa armada;
Estela Herman Heise a 1 ano, seis meses e 22 dias de reclusão por associação criminosa armada. Raul Astutte Filho a 6 anos, seis meses e sete dias de reclusão por associação criminosa armada e lesão corporal gravíssima. E Anderson Marondes de Souza a 7 anos e dois meses de prisão por lesão corporal gravíssima, associação criminosa armada e racismo e discriminação.
Em nota, a defesa de André Lipinharski disse discordar "tecnicamente da pena imposta" e anunciou que vai recorrer para redução ao mínimo e cumprimento em liberdade, alegando que ele é réu primário e sem registro de antecedentes.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




17 de dez. de 2019

Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020

Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020

Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020     A Hebraica Rio, em Laranjeiras, vai receber a Gecrear para a temporada Verão 2020. A colônia de férias vai acontecer entre os dias 06 de janeiro a 01 de fevereiro de 2020, de segunda a segunda, e terá diferentes turnos - manhã, tarde, tarde estendida, integral e integral estendido.

Com infraestrutura que permite à garotada se divertir na piscina, no campo, na quadra, no parquinho e nas áreas abertas do clube, a colônia vai receber desde crianças de 03 anos já desfraldadas até adolescentes de  14 anos. E mais: para quem tiver interesse em participar de dias “soltos”, há a opção de contratação por diárias, com desconto progressivo conforme o número de dias contratados. O transporte e as refeições são opcionais.

“A Gecrear tem muita experiência em colônias de férias. Decidimos unir o nosso espaço, que oferece tudo que a garotada precisa para curtir as férias, à expertise da Gecrear em atrações para férias escolares”, comenta Luiz Mairovitch, presidente do clube. E complementa: “Todo mundo que já participou de colônias durante o recesso escolar sabe como as experiências e amizades que nascem ali vão acompanhar cada um a vida inteira. São realmente momentos muito únicos”.

Entre as atividades, haverá pique-pega, queimado, oficinas, circuitos, jogos de computador transformados para a vida real, hoverboard, hoverkart, arco e flecha, slackline, laser shot, surf na piscina e a queridinha waterball. E para não fugir à tradição da Hebraica, serão realizadas gincanas com campeonatos de futsal e voley, além de outras brincadeiras que geram total integração entre os participantes e a equipe.  
As inscrições estão abertas no site www.gecrear.com.br.br e sócios da Hebraica têm 20% de desconto nas diárias.Serviço:Colônia de Férias Gecrear na Hebraica Rio
Quando: 06 de janeiro a 01 de fevereiro de 2020
Onde: Hebraica Rio
Endereço: Rua das Laranjeiras, 346 - Laranjeiras
Informações e inscrições: 
www.gecrear.com


Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.





Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020

Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020

Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020

Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020

Hebraica Rio recebe colônia Gecrear para férias de janeiro de 2020

16 de dez. de 2019

     Tel Aviv é o terceiro destino de viagem mais recomendado para 2020

Tel Aviv é o terceiro destino de viagem mais recomendado para 2020

  Tel Aviv é o terceiro destino de viagem mais recomendado para 2020

O Forbes Travel Guide colocou Tel Aviv em terceiro lugar entre os 20 principais destinos de viagem para 2020.

Enquanto chama as praias de Tel Aviv uma obrigação, o guia se concentra na zona da Cidade Branca, designada pela UNESCO, "lar de mais de 4.000 edifícios em estilo Bauhaus, a maior coleção desse tipo do mundo", no 100º aniversário do movimento arquitetônico Bauhaus.
Uma viagem ao Oriente Médio é sempre acompanhada por perguntas como: Por que você vai pra lá ? Não só Israel, como parte do Oriente Médio estão sempre na mídia com cenas de bombardeios e atentados.
Tel  Aviv, Israel e todo o Oriente Médio podem sofrer de um “preconceito turístico”, porém a região é um prato cheio para quem gosta de história, turismo religioso e belezas naturais.
Jerusalém é a cidade que mais recebe turistas em Israel e talvez ofusque um pouco Telaviv, tanto é que quando fiz meu roteiro decidi por ficar em Jerusalém e fazer somente um bate e volta à Telaviv, já que a distância entre as cidades é em torno de 60 Km, que podem ser percorridos em pouco mais de uma hora.
O principal aeroporto do país, o Ben Gurion, fica entre as duas cidades. Sendo assim ficaria ainda mais fácil, pois de Jerusalém poderia ir direto ao aeroporto, sem passar por Tel Aviv.




Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Israel tem 57.277 veteranos reconhecidos como deficientes, 5.000 sofrem de TEPT

Israel tem 57.277 veteranos reconhecidos como deficientes, 5.000 sofrem de TEPT

Israel tem 57.277 veteranos reconhecidos como deficientes, 5.000 sofrem de TEPT
Yom-Haatzmaut-practice. Imagem ilustrativa, via IDF Israel.
     O Ministério da Defesa de Israel publicou dados que mostram 57.277 veteranos deficientes das Forças de Defesa de Israel (IDF) foram reconhecidos pelo departamento de reabilitação do Ministério, anunciou o ministério no domingo dia 15 (domingo é dia útil em Israel).
A cifra foi divulgada em homenagem ao 5º Dia anual de Reconhecimento aos veteranos feridos da IDF. O total inclui soldados que sofrem lesões físicas e mentais.
Além de soldados com ferimentos físicos, quase 5.000 veteranos das FDI foram reconhecidos pelo departamento de reabilitação como portadores de TEPT – Transtorno de Estresse Pós-Traumático, que está relacionado a exposição direta ou indireta a eventos traumáticos.
De acordo com os dados, daqueles em tratamento pelo departamento de reabilitação do ministério, 591 deles estão altamente deficientes e 817 ficaram feridos durante a Operação Protective Edge em 2014 – 516 dos quais têm uma taxa de incapacidade de 20% ou mais.
O ministério disse que todo veterano com deficiência do departamento é acompanhado por uma equipe de especialistas, bem como uma assistente social durante todo o processo de reabilitação, “a fim de fornecer a ele uma resposta médica, social, de emprego e relacionada a lucros abrangente”.
O “Dia do Reconhecimento” é “nossa oportunidade como estado de parar a corrida diária para homenagear aqueles que pagaram um alto preço pela segurança do estado”, disse o vice-diretor geral do ministério e chefe do departamento de reabilitação, Hezi Mishta.
Ele acrescentou: “A divisão de reabilitação preza todos os dias os veteranos com deficiência das IDF e trabalha para oferecer a eles o melhor atendimento médico, dar-lhes todos os direitos concedidos pela lei e ajudar a reintegrá-los à sociedade, escola e força de trabalho. Esta é a nossa missão. ”
  • Com informações do Israel 24I via redação Orbis Defense Europe.



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




Conferência: As tribos perdidas de Israel

Conferência: As tribos perdidas de Israel

Conferência: As tribos perdidas de Israel     Por Oro Jalfon



Foi uma agradável surpresa para mim, uma judia sefardita que nunca teve que lutar para preservar o seu judaísmo, participar de uma conferência sobre «As Tribos Perdidas de Israel», que ocorreu em 24 de novembro no Centro Ma’ani, em Jerusalém.
Edith Blaustein, vice-diretora geral encarregada da administração da Shavei Israel, foi a oradora que nos apresentou, a um grupo de ouvintes fascinado à volta de uma mesa no escritório do centro, os périplos dos dispersos de Israel, na sua vontade de ferro de continuarem apegados à tradição judaica e na sua determinação de voltar para casa, Eretz Israel.
A partir da divisão do reino de Israel e do subsequente exílio das tribos, Edith evocou a rota da seda, um conjunto de redes comerciais que trouxeram migrações culturais e identitárias, entre as quais se destaca o estabelecimento de uma comunidade judaica na China, «Os judeus de Kaifeng».
Conferência: As tribos perdidas de IsraelA Shavei Israel assumiu o desafio de transcender importantes fronteiras físicas e culturais e de responder ao despertar para Sião dos membros desta comunidade. Assim, episódios comoventes, tais como a recusa das jovens chinesas à proposta das madrichot (guias) israelitas de irem fazer um tiul por Israel sem levarem guarda-chuvas (elas geralmente não apanham sol!), ou o pedido de um membro Kaifeng de não tirar fotos no primeiro casamento desta comunidade realizado em Eretz Israel, atestam as imensas dificuldades dessa tarefa heróica.
Os Bnei Menashé, outra odisseia! Os descendentes da tribo de Menashé, estabelecida desde o século XVIII no nordeste da Índia, em Manipur e Mizoram, vivem um momento de florescimento do retorno às origens, graças aos centros de aprendizagem estabelecidos pela organização Shavei Israel.
Durante a sua apresentação, a professora Edith Blaustein mostrou-nos uma fotografia do rabino Shlomo Amar, ex Grande Rabino Sefardita de Israel, junto aos membros de um grupo de Bnei Menashe. Após dois anos de pesquisa, ficou claro e foi decretado que a tribo de Menashé tem raízes judaicas, o que levou à conversão do primeiro grupo na história desta comunidade.
Conferência: As tribos perdidas de IsraelEsta importante palestra foi organizada por Chaya Castillo, diretora do Departamento de Bnei Anusim, dos Judeus da Polônia e do Centro Ma’ani, no âmbito de uma série de conferências intituladas Higanu habaita, «chegamos a casa»!
Não deixe de verificar o nosso site para conhecer os próximos eventos!



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




14 de dez. de 2019

  Músicas tocadas pela Filarmônica de Israel

Músicas tocadas pela Filarmônica de Israel

  
A Orquestra Filarmônica de Israel, fundada por iniciativa do violinista polonês Bronislaw Huberman, fez seu primeiro concerto em Tel Aviv sob o comando de Arturo Toscanini em 1936. Imediatamente se tornou um dos pivôs da cena musical do país e ao longo dos anos adquiriu a reputação de uma das orquestras mais importantes do mundo.

Clique n o link abaixo e ouça



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




IBI se reúne com jovens da comunidade Shalom

IBI se reúne com jovens da comunidade Shalom

IBI se reúne com jovens da comunidade Shalom     No dia 1 de dezembro, Michel Gherman se reuniu com um grupo de jovens do Reshet, da comunidade Shalom, como parte do processo de preparação para a Jornada Social. 
O projeto visita comunidades ao redor do mundo, com as quais o grupo de jovens convive e trabalha durante 10 dias, no intuito de reconstruir um sentido de justiça e responsabilidade social a partir da relação com o grupo anfitrião - seja ele um grupo de hiphop em Kibera ou um quilombo na zona rural do Maranhão.
Em 2019, a 6a edição da Jornada acontecerá em Israel, ancorada no tema da sustentabilidade e da permacultura. E para compreender melhor a história do país e o contexto de política internacional no qual Israel se insere, o grupo teve o privilégio de contar  com a colaboração do IBI para lançar luz - e novas perguntas - aos questionamentos que os membros do grupo carregavam sobre Israel.

Fonte:http://institutobrasilisrael.org/noticias/noticias/ibi-se-reune-com-jovens-da-comunidade-shalom/



Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.




13 de dez. de 2019

Tsedacá na verdade significa  justiça

Tsedacá na verdade significa justiça

     
     
15 coisas para você saber sobre a tsedacá

1 – Tsedacá significa honestidade

A palavra hebraica para caridade é tsedacá, que na verdade significa “justiça” ou “honestidade”. Há uma importante nuance aqui. Na filosofia judaica, dar para as pessoas necessitadas não é algo extra; é simplesmente o correto, a coisa honesta a fazer. Nosso dinheiro não é nosso. Pertence a D’us, que graciosamente o confiou a nós. É correto para nós distribuí-lo como Ele deseja, partilhando com Seus filhos necessitados.

2 – A pushka (caixa de caridade) é a marca do lar judaico

No Templo Sagrado em Jerusalém, havia uma câmara designada (chamada lishkat chasha-in, “a câmara dos discretos”) onde as pessoas podiam depositar dinheiro para os pobres. Aqueles que estavam passando por tempos difíceis podiam entrar ali e receber sustento numa maneira respeitável.1 Nos séculos recentes, aquela tradição persiste nas caixas de tsedacá (pushkes em iídiche) que estão nos lares judaicos em toda parte.

3 – Tsedacá pode ser bens ou serviços

Está com pouco dinheiro? Prepare uma refeição para um vizinho idoso, visite algum doente, ou se ofereça como voluntário na escola de seu filho. Os sábios nos ensinam que até uma pessoa pobre que subsiste com a caridade dos outros deveria realizar atos de caridade.2 Cada um de nós tem algo para contribuir com os outros: tempo, experiência, atenção, ou até um simples sorriso.

4 – Doar em círculos concêntricos

Doe tsedacá para os necessitados, escolas e instituições judaicas, e causas humanitárias. O Código da Lei Judaica oferece algumas orientações para determinar onde doar primeiro. Um membro da família que está em dificuldades financeiras tem precedência sobre não-familiares. Da mesma forma, pobres e organizações de caridade locais têm precedência sobre outros mais distantes. E causas de caridade em Israel têm precedência sobre caridades não locais na Diáspora.3

5 – Tsedacá para Israel é Especial

Apoiar os pobres da Terra Santa tem uma longa e orgulhosa história. Desde o Século 16, as comunidades judaicas na Terra Santa têm enviado mensageiros para coletar fundos dos seus irmãos na Diáspora. Esses mensageiros com frequência eram rabinos sábios que eram instruídos em Torá, mas também possuíam os recursos necessários para permanecerem a salvo na longa e traiçoeira jornada ao exterior.
Chabad tem angariado fundos para os judeus da Terra Santa desde 1788, fazendo do Colel Chabad a rede mais antiga operando continuamente em Israel. Dinheiro coletado para os pobres de Israel está frequentemente associado com Rabi Meir Baal Haness.L

6 – A Caridade salva da morte

Caridade é tão potente que pode salvar uma pessoa da morte. O Talmud ilustra isso com a história de um cortador de palha que estava destinado a morrer por uma picada de cobra mas sobreviveu pelo mérito do pão que ele partilhava com um colega de trabalho pobre.

7 – Doe tsedacá antes de rezar

É costume fazer caridade antes de rezar. Isso é baseado no ensinamento talmúdico: “Os caminhos de D’us não são como os caminhos dos mortais. Como é entre os seres humanos? Se um homem leva um presente para um rei, pode ser aceito ou não. Mesmo se for aceito, ainda é uma dúvida se ele será ou não admitido à presença do rei. Não é assim com D’us. Se uma pessoa doa até uma pequena moeda a um mendigo, é considerada merecedora de receber a Divina Presença, como está escrito: ‘Contemplarei tua face em tsedek (caridade)’”. Da mesma forma, diz o Talmud, Rabi Eleazar costumava doar uma moeda para um pobre imediatamente antes de rezar.

8 – Doe tsedacá antes de acender as velas

Pouco antes de mulheres e meninas acenderem velas na tarde da sexta-feira para receber o Shabat, é costume doar para caridade. Como nenhuma caridade pode ser dada no dia do Shabat, (quando dinheiro não é manuseado), uma soma extra é dada com antecedência.

9 – As pessoas gostam de doar em múltiplos de 18

Quando doam para caridade, os judeus com frequência escolhem doar em múltiplos de 18, como 36, 54, 72, etc. Isso é porque chai, a palavra hebraica para vida, tem o valor numérico de 18. Portanto R$ 180, por exemplo, é chamado “dez vezes chai”. Isso expressa nossa prece de que o mérito da caridade seja para o bem, e que sejamos abençoados com vida e prosperidade.

10 – Você pode fazer acordos com D’us

Embora seja preferível dar caridade “porque sim”, os sábios dizem que aquele que doa por mérito de seu filho é considerado perfeitamente justo. 
Além disso, D’us nos assegura que ao doar 10% dos nossos ganhos para caridade iremos prosperar, e até nos convida a pô-Lo à prova. Nas palavras do profeta Malachi, “Leve todo o dizimo à casa, e haverá comida em minha casa. Teste-Me nisso,” diz D’us, “e veja se Eu não abrirei os portões do Céu e derramarei tantas bênçãos que não haverá espaço suficiente para guardá-la.” 7

11 – Maimônides identificou oito níveis de caridade

Maimônides lista oito níveis de doação.8 O mais alto é aquele que faz um empréstimo, permitindo ao recebedor sustentar-se com sua dignidade intacta. O mais baixo é aquele que doa de má vontade.

12 – Dez (ou vinte) por cento é melhor

Na época do Templo, todo fazendeiro judeu doava 10% da sua produção para os Levitas. Um segundo 10% era às vezes levado a Jerusalém como um tributo a D’us e em outras vezes distribuído aos pobres, dependendo do ano. Havia também quantias menores doadas aos Cohanim (Sacerdotes).
Da mesma forma, os sábios determinaram que é correto doar 10% dos nossos ganhos à caridade. Aqueles que puderem deveriam se esforçar para doar 20%. Isso é conhecido como maser, “um décimo”, e chomesh, “um quinto”. 

13 – Comida é melhor que dinheiro

Refletindo a tradicional divisão de deveres, o Talmud aborda a asserção da esposa de Mar Ukva de que a caridade de uma mulher é maior quer aquela de seu marido. Embora ele somente possa dar dinheiro (com o qual alimentos e outras necessidades podem ser comprados), a mulher está na posição de doar uma refeição pronta, que pode ser apreciada imediatamente. Embora muitas mulheres hoje em dia não fiquem muito tempo na cozinha, a lição é clara: torne sua caridade acessível e fácil de usar, sem nada que atrapalhe.

14 – Tsedacá aproxima a Redenção

“Mantenha a justiça e pratique tsedacá, pois Minha salvação está para chegar, e Minha benevolência a ser revelada”. Diz o Profeta Yeshayáhu: “A partir disso, os sábios ensinam que ‘notável é a tsedacá, pois traz a redenção.’”

15 – Tsedacá é fácil

Tsedacá é uma mitsvá fácil que não exige experiência anterior. Apenas pegue sua carteira, cartão de crédito ou smartphone, e direcione u valor investindo em uma causa de caridade na qual você admira e/ou se identifica.



Blog Judaico 
Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.









Blog Judaico 
Receba nossa newsletter
Comece o dia com as notícias selecionadas  Clique e assine.