Sinagoga abriga exposição sobre sionismo no Festival de Cultura JudaicaRaízes alemãs do Sionismo são foco de exposição organizada em parceria entre Consulado Geral da Alemanha no Recife, a Embaixada da Alemanha no Brasil e o Instituto Leo Baeck, de Nova Iorque. 


A Sinagoga Kahal Zur Israel, localizada no casarão 197 da rua do Bom Jesus, no Bairro do Recife, recebe a partir deste domingo (2) a exposição "O sonho de um novo lar: raízes alemãs do Sionismo", numa ação coordenada entre o Consulado Geral da Alemanha no Recife, a Embaixada da Alemanha no Brasil e o Instituto Leo Baeck, de Nova Iorque. A abertura do evento será às 16h30, dentro das festividades do 27º Festival da Cultura Judaica do Recife (que trará apresentações musicais, de dança e de gastronomia, entre outras ações).


Leia também:




A mostra traz livros, jornais, correspondências e fotografias e trata do sonho de um refúgio diante da perseguição aos judeus, ideia que culminou com a criação do Estado de Israel, após a Segunda Guerra Mundial. "É uma exposição extremamente atual, porque questões ligadas à fuga, à integração e à identidade cultural são extremamente pertinentes na Alemanha, na Europa e em várias outras partes do mundo", aponta a Cônsul Geral da Alemanha para o NordesteMaria Könning

Ela completa: "um aspecto muito importante para a Alemanha é a consciência de nossa responsabilidade histórica. Nós temos a obrigação de preservar a memória, a responsabilidade de assegurar que os abomináveis crimes dos nazistas não serão esquecidos". 


Cerca de um milhão de crianças, dois milhões de mulheres e três milhões de homens judeus foram mortos durante o Holocausto, num verdadeiro genocídio promovido por Hitler e seus seguidores. "Temos que comunicar para resistir ao ódio que coloca em risco a vida de tantas pessoas. A liberdade religiosa é um direito fundamental e nós repudiamos qualquer forma de discriminação. Tolerância, autodeterminação e respeito à diversidade são valores imprescindíveis para a democracia", destaca Maria Könning.

Ela frisa que "não há um lugar melhor do que a Sinagoga Kahal Zur Israel para lembrar-nos das origens do movimento sionista", pois a primeira sinagoga das Américas nasceu em um momento da história de Pernambuco marcado pela tolerância religiosa e pelo respeito. "Ela era, no século dezessete, o símbolo do 'sonho de um novo lar' para os judeus que tinham que deixar a Europa por motivos de perseguição religiosa".


Sinagoga abriga mostra sobre raízes alemãs do Sionismo durante o 27º Festival de Cutlura Judaica
Sinagoga abriga mostra sobre raízes alemãs do Sionismo durante o 27º Festival de Cultura Judaica - Crédito: Jose Britto/Folha de Pernambuco

Programação:


Das 15h às 19h


Visitação do Museu Sinagoga Kahal Zur Israel


Exposição “O sonho de um novo lar – raízes alemãs do sionismo”


Exposição “Educação e Tikun Olam – construindo um mundo melhor”


Gastronomia – quitutes da culinária judaica


Artigos Judaicos (Artesanato, Bijuterias, Livros)


Krav Magá


Tenda do Colégio Israelita Moysés Chvarts – 100 anos


Imagens de Israel



15h30-16h


Roda de Conversa: Judaísmo e Educação (Jáder Tachlitsky)



16h-16h30


Roda de Conversa: Tikun Olam – reparando o mundo (Ida Katz)



17h-18h30


Acendimento da Primeira Vela de Chanuká


Show da Orquestra Messibah


Harkadá (Danças Judaicas) conduzida pelo coreógrafo Denys Sznejder


19h


Sorteio de Brindes


Serviço:


27º Festival da Cultura Judaica


Neste domingo (2)


rua do Bom Jesus, no Bairro do Recife


Das 15h às 19h


Aberto ao público em geral