Netanyahu programado para se encontrar com Bolsonaro na Sexta-feira

Netanyahu programado para se encontrar com Bolsonaro na Sexta-feira
POR HERB KEINON   

Esta será a primeira visita de um primeiro-ministro israelense ao Brasil, o quinto país mais populoso do mundo, e o país com a oitava maior economia do mundo.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deve voar ao Brasil na noite de quinta-feira e se reunir com o presidente eleito Jair Bolsonaro , o líder apelidado de "Trump dos trópicos", que prometeu energizar e revolucionar os laços entre israelenses e israelenses. 

Esta será a primeira visita de um primeiro-ministro israelense ao Brasil, o quinto país mais populoso do mundo, e o país com a oitava maior economia do mundo. Netanyahu está programado para participar da cerimônia de posse do Bolsonaro na terça-feira em Brasília, mas há rumores de que ele pode interromper a viagem e não comparecer à cerimônia por causa dos acontecimentos políticos em casa.

O foco da viagem de Netanyahu é o encontro com o presidente eleito, previsto para ocorrer na sexta-feira no Rio de Janeiro. Esforços também estão em andamento para agendar reuniões com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, o presidente chileno, Sebastián Piñera, e o presidente hondurenho, Juan Orlando Hernández. O primeiro-ministro deve comparecer aos cultos do Shabat em uma sinagoga em Copacabana e se reunir com líderes cristãos evangélicos no domingo. 

O Brasil tem uma comunidade evangélica grande e influente. Enquanto Bolsonaro é católico, sua esposa é uma cristã evangélica e líder de uma das maiores igrejas do país.

Modi Efraim, vice-diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores para a América do Sul e Central, que acompanhará Netanyahu, disse que depois de mais de uma década de governo do Partido dos Trabalhadores, extremamente crítico de Israel, o potencial agora para o crescimento na relação é "tremenda". " 
Bolsonaro é um conservador de direita que é um amigo caloroso de Israel, visitou várias vezes no passado, e vê Israel como um modelo com o qual ele quer aumentar a cooperação", disse. Ephraim disse.

Esta será a primeira visita de um primeiro-ministro israelense ao Brasil, o quinto país mais populoso do mundo, e o país com a oitava maior economia do mundo.


O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deve voar ao Brasil na noite de quinta-feira e se reunir com o presidente eleito Jair Bolsonaro , o líder apelidado de "Trump dos trópicos", que prometeu energizar e revolucionar os laços entre israelenses e israelenses. 

Esta será a primeira visita de um primeiro-ministro israelense ao Brasil, o quinto país mais populoso do mundo, e o país com a oitava maior economia do mundo. Netanyahu está programado para participar da cerimônia de posse do Bolsonaro na terça-feira em Brasília, mas há rumores de que ele pode interromper a viagem e não comparecer à cerimônia por causa dos acontecimentos políticos em casa.

O foco da viagem de Netanyahu é o encontro com o presidente eleito, previsto para ocorrer na sexta-feira no Rio de Janeiro. Esforços também estão em andamento para agendar reuniões com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, o presidente chileno, Sebastián Piñera, e o presidente hondurenho, Juan Orlando Hernández. O primeiro-ministro deve comparecer aos cultos do Shabat em uma sinagoga em Copacabana e se reunir com líderes cristãos evangélicos no domingo. 

O Brasil tem uma comunidade evangélica grande e influente. Enquanto Bolsonaro é católico, sua esposa é uma cristã evangélica e líder de uma das maiores igrejas do país.

Modi Efraim, vice-diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores para a América do Sul e Central, que acompanhará Netanyahu, disse que depois de mais de uma década de governo do Partido dos Trabalhadores, extremamente crítico de Israel, o potencial agora para o crescimento na relação é "tremenda". " 
Bolsonaro é um conservador de direita que é um amigo caloroso de Israel, visitou várias vezes no passado, e vê Israel como um modelo com o qual ele quer aumentar a cooperação", disse. Ephraim disse.

Ephraim disse que diplomaticamente Bolsonaro quer levar uma mudança de direção para o Brasil e aproximá-lo dos EUA, Israel, Japão e Canadá. Ele disse que para Israel essa mudança é "muito importante", já que o país - com um terço da população da América do Sul e sua maior economia - tem muita influência não apenas em outros países da América do Sul, mas também na América Central. América também. 

Além disso, disse ele, o país é um ator influente nas Nações Unidas e em outras organizações internacionais, e uma mudança em seu tom sobre Israel “pode ser muito útil”.

Essa mudança já foi sentida, mesmo antes de Bolsonaro tomar posse, enquanto o Brasil - quebrando um padrão de votos contra Israel na ONU - votou junto com os Estados Unidos e Israel no início deste mês em uma resolução da Assembléia Geral condenando o Hamas. 

Bolsonaro repetiu em várias ocasiões diferentes que pretende transferir a embaixada do Brasil para Jerusalém, algo que Ephraim previu que também influenciaria outros países da América do Sul e Central. Outro país que considera esse movimento também é Honduras. 

Bolsonaro fez da segurança uma parte importante de sua campanha, observou Ephraim, observando que, com uma atmosfera mais positiva no relacionamento, também será mais fácil para empresas de segurança israelenses assinar contratos e fazer negócios no país.

Fonte: JPost.com

Tradução: Google

Postar um comentário

0 Comentários