Depressão, stress e ansiedade

Depressão, stress e ansiedade
Rabino Ilan Stiefelmann

Assim como no paradoxo do antídoto que é extraído do próprio veneno, a cura pode surgir da própria tristeza; é o emprego do método de Kung Fu – usar a força contrária em próprio benefício.

O Rei Salomão, o mais sábio de todos os homens, ensinou que “de toda tristeza resultará um benefício.”
É preciso entender o sentido dessa afirmação. Afinal, pode haver algum benefício na depressão?
Na verdade, há um ponto positivo: o de sentir-se pequeno. E sentir-se pequeno faz bem! Quem se sente pequeno consegue passar pelo meio das barras de ferro de uma prisão e escapar – especialmente de uma prisão autocriada.
A prisão de todas as prisões tem um nome – EGO!
Alguém que vive obcecado pelo seu próprio valor jamais será feliz. Primeiro, porque a felicidade se encontra nas coisas pequenas e quando a pessoa é muito grande, as coisas pequenas perdem o valor. Segundo, porque achar-se importante é uma sensação que não encontra limite e jamais fica satisfeita.
Por outro lado, alguém que é pequeno não espera por nada; para ele, todas as conquistas são dádivas e resultam em felicidade.
Assim como no paradoxo do antídoto que é extraído do próprio veneno, a cura pode surgir da própria tristeza; é o emprego do método de Kung Fu – usar a força contrária em próprio benefício.
A depressão passa a mensagem: “Você não vale nada!”
Admita isso, concorde com ela: “Você tem razão! Eu, a minha inteligência, o meu poder, o meu dinheiro, o meu status, o meu carrão… não representamos NADA!”
No entanto, eu tenho um D-us que escolheu a mim, apesar de todas as minhas falhas, e insiste para que eu O represente neste mundo. Minha missão é extremamente importante, me sinto realizado e não tenho tempo a perder!”.
Shalom!

RABINO ILAN STIEFELMANN – Lubavitch Copacabana

Postar um comentário

0 Comentários