O número três

O número três
Na época do Templo, todos os homens judeus tinham a obrigação de ir à Jerusalém três vezes por ano, nas festas de Sucot, Shavuot e Pessach. Em uma delas, o visitante trazia ao Templo um sacrifício especial. 
Estar em um local tão especial nos dias de festa, causava um impacto tão grande que ao retornar ao lar voltava uma pessoa diferente.

Os Números e Suas Conexões

No judaísmo, tudo tem um significado, inclusive os números. O número um representa dominância. Existe um D'us que controla o mundo, uma Torá que dita o modo de vida e uma nação que transforma o mundo com bondade e caridade (Torá e mitsvot).
O número dois representa separação. Existem dois tipos de dias: o santo e o comum. Existem dois tipos de mundos: espiritual e material. Existem dois tipos de movimentos: dar e receber ou Direita e esquerda.
O número três representa união e consistência. A Torá é composta de três partes: Torá, Neviim e Ketuvim , que nos foram dadas para atrair e efetivar a paz no mundo. Também representa a consistência; algo que é feito três vezes torna-se um hábito, a probabilidade de durar mais tempo.
Alguns dias atrás encontrei um judeu que me disse que havia comprado recentemente um par de tefilin. Perguntei-lhe se os usava. "São para ocasiões especiais", respondeu. Então eu lhe disse: "Colocar tefilin é como fazer um telefonema para D'us. Você não gostaria de pedir a D'us todos os dias por suas necessidades, ou ao menos para agradecê-Lo pelo que você tem?”. Ele sorriu " Certamente".
Nos programamos para nos encontrar e colocar o novo par de tefilin. Eu lhe falei que após três vezes os colocando iria tornar-se algo natural e mais fácil de praticar todos os dias.

Chazacá

Quando a nação subia Templo três vezes por ano, a pessoa se transformava. Passava a priorizar a espiritualidade sobre os desejos materiais e se tornava desta forma uma pessoa mais refinada. A Torá explica que cada pessoa tinha que caminhar até Jerusalém e ao Templo, mesmo se houvesse outros meios para chegar até lá. Foi este esforço repetido três vezes que tinha impacto sobre o povo.
Hoje há quem busque um judaísmo instantâneo e tenta evitar qualquer esforço extra para sentir-se judeu. Muitas sinagogas estão vazias porque as pessoas acreditam que podem obter a mesma Torá ou conexão Divina pela internet
As pessoas preferem não manter a alimentação casher, porque é muito trabalhoso. Nós não podemos mudar o mundo em evolução, mas precisamos perceber que no  judaísmo o esforço que colocamos é o que o torna tão essencial. Comprar alimentos em uma loja casher, rezar na sinagoga diariamente e estudar Torá com outros pessoalmente é o que faz o Judaísmo consistente e capaz de ter um impacto real no mundo.

Postar um comentário

0 Comentários