A valsa de Waldheim

 A valsa de WaldheimDepois de dez anos como secretário-geral da ONU, Kurt Waldheim deixou a carreira diplomática para concorrer à presidência da Áustria e foi eleito. Antes de tentar a reeleição, o jornal americano The New York Times revelou ao mundo um passado pouco comentado do político: ele fora capitão das Tropas de Assalto nazistas e participara da invasão na Iuguslávia.
 A valsa de WaldheimQuando uma onda de extrema-direita, com várias características fascistas, varre o globo e chega novamente ao poder na Áustria, o documentário A Valsa de Waldheim chega para falar sobre a manipulação, a construção do ódio e tantas outras características que possibilitam esse tipo de movimento reacionário.
O público é apresentado à questão austríaca nos meados dos anos 1980, com protestos contra o então candidato. A multidão toma a tela com cartazes contra o anti-semitismo e é repreendida pela polícia, que tenta dispersar a multidão. “Em uma democracia a polícia não pode fazer isso”, alguém grita. Do personagem principal, chegam discursos que exaltam a família e a religião, demonstrando o extremismo religioso que cada vez mais cresce no mundo.
As denúncias, amparadas pelo Congresso Mundial dos Judeus, são de apoio à tortura, execução e deportação de judeus. A posição de Waldheim é explorada várias vezes, em entrevistas dadas à época. A relativização das mortes é constante: “partisans foram mortos, mas vários alemães morreram também.”
O clima de tensão e polarização toma as ruas. Judeus protestam contra a candidatura, mas são agredidos e tudo o que dizem é considerado mentira. O anti-semitismo encontra legitimação na figura do presidente. O resto do mundo grita, mas é ignorado. “Quem sabe o que é bom para a Áustria são os austríacos”.
 A valsa de Waldheim
Tradicional na forma, com uma boa pesquisa de arquivo e uma narração batida, tudo o que se vê na tela, pode ser visto da mesma maneira fora da sala de cinema e não só dizendo respeito à volta do FPO ao poder na Áustria. Está em vários outros lugares do mundo e aqui, exatamente agora, no Brasil. Seguindo a onda bannoniana, que prega uma filosofia de exclusão e, para isso, usa a irrrealidade e a desconsideração de fatos e da verdade, as causas e reações de A Valsa de Waldheim, lá na Áustria, no final dos anos 1980, podem ser atualizadas e abrasileiradas prontamente.
É a roda da história que não para de girar e se repetir nunca. É o desconhecimento e a ignorância da história do mundo e que faz com que isso aconteça. E, mais triste, é aquilo que há de pior na raça humana que se aproveita de momentos como esse para legitimar o que há de mais odiento no indivíduo e nas relações sociais.
Um Grande Momento:
“Eles amam judeus, desde que não abram a boca.”
Próxima sessão na Mostra:
Dia 27, às 19h40 – Cinesala
Trailler

Postar um comentário

0 Comentários