Sarah e Eliezer: os precursores do Chassidismo*


Sarah e Eliezer: os precursores do Chassidismo*Roberto Leon Ponczek**

Na pequena cidade de Akop, nos Cárpatos na Polônia, o casal Sarah e Eliezer era conhecido por sua generosidade e hospitalidade, sendo considerados por todos como judeus piedosos e tementes a D’us. Na noite de Shabbat1, a sua casa ficava repleta de gente de todas as regiões do Leste Europeu desde a Polônia aos Países Bálticos, e forasteiros desconhecidos do casal freqüentavam sua casa sem necessitar de convite. A mesa de Shabbat era generosa e todos podiam se fartar da boa comida e do bom vinho kosher2 servido com prodigalidade.
Sarah e Eliezer tinham, entretanto, um triste segredo que não compartilhavam com ninguém: há muito vinham tentando inutilmente ter um filho e ao que tudo indica eram incapazes de cumprir o preceito bíblico, “crescei e multiplicai-vos”.
Numa noite de Shabbat, surgiu em sua casa um homem de aparência e hábitos rudes, trajando vestígios esfarrapados daquilo que outrora fora uma roupa, calçando um par de botas rotas e enlameadas. Seu mau odor espalhou-se pela casa, incomodando a todos os celebrantes e suas botas deixaram pegadas de lama nos belos tapetes que adornavam a sala. Convidado a tomar assento na farta mesa cuidadosamente preparada para o dia sagrado do Shabbat, pôs-se a reclamar de tudo, assustando os convidados com sonoros arrotos e outras emanações gasosas. Palitando os dentes com o garfo, e cuspindo no prato, reclamou com grosseria da porção que recebeu, alegando ter recebido uma quantidade menor de comida no que Eliezer prontamente convidou-o sentar-se ao seu lado, propondo a troca de pratos. O que se viu, ate o término do Bircat Hamazon3, foi uma sucessão de grosserias e reclamações que chocaram todos os presentes.
Quando todos saíram, a inconveniente visita pediu a Eliezer abrigo para passar a noite, sendo prontamente atendido, deitando-se na cama oferecida sem sequer tirar as botas, enxovalhando os lençóis. Na manha seguinte, o forasteiro pediu dinheiro ao casal, no que foi atendido:
- Entendemos que você precisa de dinheiro para se hospedar em alguma estalagem. Disseram-lhe Sarah e Eliezer oferecendo uma quantia suficiente para pagar vários dias de hospedagem em Akop.
- Só isso?! Preciso de muito mais! Gritou o homem grosseiramente.
- Aqui tens o que precisas, disse-lhe o casal, oferecendo–lhe uma polpuda quantia.
O misterioso e desagradável shnorer4 ao ver a quantia disse-lhes:
- Guardem seu dinheiro, na verdade, não preciso dele, quis apenas testar o seu grau de tolerância, hospitalidade e generosidade e vocês passaram com folga ao teste ao qual os submeti.
E continuou a falar-lhes:
- Vocês são judeus piedosos e garanto-lhes que em breve serão recompensados com uma grande graça divina: serão pais de uma criança prodigiosa.
O que Sarah e Eliezer não poderiam jamais supor é que o shnorer era, na verdade, um mensageiro divino e sua mensagem não era um mero  presságio, mas o desígnio que HaShem5 havia-lhes reservado. Cerca de um ano depois, em 18 de Elul6 de 1698, o casal foi agraciado com o nascimento de Israel, um menino que já em tenra idade revelava atributos excepcionais para a compreensão dos mais difíceis textos da Torah7, do Talmud8 e da Cabala9. Em pouco tempo, Israel ben Eliezer tornou-se um erudito do Tanach10, dos complexos comentários da Torah oral compilados na Mishná e dos contra-comentários da Guemará, sendo também capaz de interpretar as mais obscuras palavras da Cabalá.
Ainda jovem Israel ben Eliezer aderiu ao pequeno grupo itinerante dos Sábios Místicos que percorriam as mais recônditas regiões da Polônia difundindo os conhecimentos da Torah e do Talmud. Tão prodigiosa era sua memória e sua capacidade de entendimento das Escrituras que  recebeu a alcunha de Baal Shem Tov, O Senhor do Bom Nome. Em breve, sua reputação se espalhou em todo Leste Europeu, desde a Polônia à Lituânia e Rússia, atraindo inúmeros discípulos, sendo conhecido pelo acróstico de Besht. 
O Baal Shem Tov é considerado um dos maiores sábios do Judaísmo e foi o criador do Chassidismo, movimento hoje difundido no mundo todo que defende a inclusão igualitária na Congregação de todo e qualquer judeu, seja ele pobre, iletrado e ate mesmo ignorante. Os Chassidim tinham uma opinião contrária aos Mitnagdim do Gaon (Sábio) de Vilna que defendiam a idéia de que só os cultos e eruditos tinham voz ativa na comunidade. Para o Baal Shem Tov, mais importante que a erudição racionalista era a emoção e a alegria do culto a HaShem9 e o coração era tão importante quanto a razão. A oração a HaShem deve ser dominada pela emoção, a alegria e o fervor com que cada palavra é proferida, independente do grau de instrução de quem a profere. Em pouco tempo, o Chassidismo se espalhou pelo Leste europeu, chegando ao mundo todo em suas várias ramificações posteriores. A idéia de que cada judeu é igualmente importante, devendo ser tratado com respeito e dignidade, tornou os Chassidim amplamente majoritários em relação aos Mitnagdim, sendo hoje uma das correntes mais importantes do Judaísmo mundial.

*livre transcrição de uma história contada numa noite de Shabbat no Beit Chabad-Salvador por Morá Rivky Bukiet.
** Roberto Leon Ponczek é professor da Universidade Federal da Bahia e  autor do livro “Da Babilônia ao Brasil: o improvável milagre da existência” Ed. Garimpo 2018. Estuda a Cabalá judaica com o Rabino Israel Bukiet e é membro colaborador do Beit Chabad–Salvador. Seus pais Wanda Goldblum Ponczek e Tadeusz (David) Ponczek foram sobreviventes poloneses da II Guerra Mundial que emigraram para o Rio de Janeiro em 1946, depois de terem testemunhado e vivido os horrores do Holocausto nazista.
1 Shabbat é o dia santificado dos judeus no qual HaShem (O Nome de D’us) descansou após os  seis dias da Criação, começa na 6ª feira e termina no sábado a mesma hora.
2 kosher são os hábitos, preceitos e alimentos permitidos aos judeus.
3 Bircat Amazon é a reza de agradecimento a HaShem pela refeição servida.
4 shnorer é como se designa em ídische (a língua dos judeus do Leste Europeu) um mendigo atrevido que sempre reclama pedindo mais.
5 HaShem é como os judeus se referem ao Sagrado Nome  de D’us.

6 Elul é o sexto mês do calendário judaico
7Torah são os 5 livros que compõem o Velho Testamento.
8 Talmud é o livro constituído de comentários (Mishná)  e de contra-comentários (Guemará) acerca da Torah oral Foi escrito na Babilônia a cerca de sec.V a.C.
9 Cabalá é a interpretação mística da Torah
10 Tanach são os 24 livros que compõem as Sagradas Escrituras.

Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

2 Comentários:

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner