Ayelet Shaked faz alerta sobre controversa lei do estado-nação

Ayelet Shaked  faz alerta controversa lei do estado-nação

A ministra da Justiça, Ayelet Shaked, alertou sobre um "terremoto" se o Supremo Tribunal de Justiça decidir derrubar a controversa lei do estado-nação. 

Shaked também disse à Rádio do Exército que não acredita que a Suprema Corte tenha o poder de derrubar a legislação por motivos constitucionais, porque foi aprovada como uma Lei Básica, a base constitucional do sistema judiciário israelense. "Essa medida causaria um terremoto entre autoridades diferentes", disse Shaked à emissora quando questionado sobre uma possível intervenção judicial sobre a lei. Pelo menos três petições foram apresentadas ao Tribunal Superior desde que a lei foi aprovada, em 19 de julho, exigindo que os juízes revoguem a lei sobre sua suposta discriminação. “Os juízes da Alta Corte são pessoas muito sérias e profissionais”, disse Shaked.

 “O Knesset é a assembléia constituinte, que define e determina as leis básicas. [Os juízes] têm que interpretar as leis de acordo com as Leis Básicas, e eu não acredito que a maioria no Supremo Tribunal tome tal passo. "Espero sinceramente que isso não aconteça, e não acredito que seja", acrescentou ela. Durante meses, Shaked, junto com o presidente da Casa dos Judeus, Naftali Bennett, tem tentado fazer avançar a legislação que limita amplamente o poder de evasão da Suprema Corte, mas fez pouco progresso apesar do apoio do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Agitada em sua entrevista de domingo, reiterou seu apoio à lei, que tem sido cada vez mais criticada como discriminatória contra as minorias não-judias de Israel. 

"Não há nada de revolucionário nesta lei específica", disse ela. "Ele contém valores sobre os quais o Estado foi fundado, valores de assentamento, imigração e identidade nacional", disse ela. "Há consenso sobre esses valores." A lei do estado-nação consagra Israel como “o lar nacional do povo judeu” pela primeira vez, e diz que “o direito de exercer a autodeterminação nacional no Estado de Is rael é único para o povo judeu”. 

A Declaração de Independência de Israel de 1948 definiu o estado como um Estado judeu e democrático. O governo de Netanyahu diz que a nova lei meramente consagra o caráter existente do país, e que a natureza democrática de Israel e as provisões para a igualdade estão ancoradas na legislação existente.



Postar um comentário

0 Comentários