Mar Morto precisa ser salvo

Mar Morto precisa ser salvoUtilizar a água do Mar Vermelho para evitar que o Mar Morto seque e, ao mesmo tempo, produzir água potável? O ambicioso projeto “Canal da Paz”, lançado em 2013 por Israel e pela Jordânia está mais próximo do que nunca. Com águas altamente salgadas e cercado por montanhas de cor ocre, o mar perdeu um terço de sua área desde 1960, e seu nível continua a cair um metro por ano.

O projeto prevê a extração de 300 milhões de metros cúbicos de água que serão dessalinizados em Aqaba, no sul da Jordânia, para obter água potável, escassa na região. Os resíduos originados pela dessalinização serão transferidos para o Mar Morto, 200 km mais ao norte, através de um aqueduto. Isso não será suficiente para estabilizar os níveis do Mar Morto, mas será um começo para parar o seu desaparecimento, aponta Frédéric Maurel, responsável pelo projeto para a Agência Francesa para o Desenvolvimento (AFD). “Seria necessário, também, usar menos água, tanto na agricultura como na indústria de potássio”.

Este plano foi concluído em fevereiro de 2015 com um acordo israelense-jordaniano que prevê vendas de água recíprocas. A Jordânia forneceria água potável para o sul de Israel, enquanto o norte da Jordânia receberia água do lago Tiberíades em troca. Nascido em 1953, o agricultor jordaniano Musa Salim al Athem viu como as águas azuis recuaram ao longo dos anos, deixando uma paisagem lunar de crateras e esculturas naturais de sal. “Somente o mar pode encher o mar. Antes de 1967, a água estava a dez minutos a pé da minha casa. Agora, está a uma hora de distância”.
Mar Morto precisa ser salvo
Os culpados por esta situação do Mar Morto são a exploração intensiva do potássio, que acelera a sua evaporação, mas sobretudo a diminuição do fluxo do Rio Jordão, cada vez mais explorado por Jordânia e Israel. “Desde 1950, o fluxo do Jordão caiu de 1,2 bilhão de metros cúbicos para menos de 200 milhões”, explica Frédéric Maurel. O desaparecimento seria um desastre não só para o Mar Morto e seus ribeirinhos israelenses e jordanianos: com sua lama de propriedades medicinais, sua salinidade excepcional, suas reservas de potássio e seu atrativo turístico, “o Mar Morto (…) é um tesouro inestimável”, ressalta Avner Adin, especialista israelense.

A questão do financiamento desta parceria público-privada é estimada em US$ 1 bilhão, dos quais US$ 400 milhões de fundos públicos, permanece pendente. Vários países, incluindo os Estados Unidos e o Japão, prometeram uma doação de US$ 120 milhões. A AFD criou um grupo europeu de doadores (Espanha, França, Itália, União Europeia e Banco Europeu de Investimento) disposto a conceder à Jordânia US$ 140 milhões em créditos a juros baixos. “Nunca antes estivemos tão perto de sua concretização, falta apenas um último empurrão”, comemora.

Mar Morto precisa ser salvoAmã está determinado a avançar, já, que está entre os cinco mais áridos do mundo e também sob forte pressão que fez aumentar suas necessidades de água, já que, desde 2011, acolhe quase um milhão de refugiados sírios, 15% de sua população. “É uma questão de segurança nacional”, afirma o secretário-geral da autoridade jordaniana da água, Iyad Dahiyat. “Nossa água subterrânea é superexplorada, a dessalinização da água é o futuro da Jordânia, para nós este projeto é essencial”.

Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião