Turquia adverte contra a mudança de embaixadas para Jerusalém

Turquia adverte contra a mudança de embaixadas para Jerusalém

O presidente do Parlamento, Aydin, conclama os Estados a não tomarem medidas que "cobrirá as futuras gerações de vergonha".


O vice-presidente do Parlamento turco, Ahmet Aydin, alertou nesta terça-feira os países que pretendem transferir suas embaixadas de Tel Aviv para Jerusalém, renovando o apoio da Turquia ao estabelecimento de um Estado palestino nas fronteiras de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital.
Dirigindo-se à 23ª reunião do Conselho Nacional Palestino, Aydin exortou os Estados a não tomarem tais medidas “que cobrirá suas futuras gerações de vergonha e serão uma marca negra em sua história”.
A autoridade turca disse que a decisão dos EUA de transferir sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém na véspera do Dia "Nakba" não pode ser justificada.
O dia 15 de maio deste ano marcará o 70º aniversário do estabelecimento de Israel - um evento que os palestinos chamam de "Nakba" ou "Catástrofe".
Em dezembro passado, o presidente dos EUA reconheceu Jerusalém como a capital de Israel, provocando condenação e protestos em grande parte do Oriente Médio.
Donald Trump disse mais tarde que a embaixada de Israel em Israel seria transferida de Tel Aviv para Jerusalém em maio, para coincidir com o 70º aniversário do estabelecimento de Israel.
Certos estados, incluindo Guatemala, Honduras, Paraguai, antiga República Iugoslava da Macedônia e Honduras, indicaram sua intenção de transferir suas embaixadas em Israel para Jerusalém.
Aydin disse que "a posição da Turquia é clara para a solução do conflito palestino-israelense e o estabelecimento de um estado palestino independente nas fronteiras ocupadas em 1967, e Jerusalém Oriental como sua capital".
Aydin pediu aos muçulmanos em todo o mundo para visitarem a cidade de Jerusalém e a Palestina, enquanto enfatizam a necessidade de acabar com as divisões entre os dois movimentos palestinos, o Fatah e o Hamas.
A 23ª reunião do Conselho Nacional Palestino se reuniu na noite de segunda-feira na cidade de Ramallah, no centro da Cisjordânia ocupada, na primeira reunião ordinária do conselho em 22 anos.
Pela primeira vez, israelenses árabes participaram.
A reunião de quatro dias está sendo realizada sem a participação dos dois movimentos de resistência Hamas e Jihad Islâmico, que se recusaram a participar dizendo que não queriam participar de um evento realizado sob a ocupação israelense.
Apesar da falta de acordo sobre a reunião, uma declaração da Frente Popular para a Libertação da Palestina ressaltou a importância de preservar a Organização de Libertação da Palestina como a “única legítima representante do povo palestino”, antecipando esforços para “ desmantelá-lo ou criar alternativas”.
No início do mês passado, o comitê executivo da Organização de Libertação da Palestina anunciou planos de convocar o Conselho Nacional Palestino após um hiato de 22 anos.
Um órgão legislativo que teoricamente representa os palestinos em casa e no exterior, o Conselho Nacional reuniu-se pela última vez em 1996.
O Conselho Nacional foi originalmente fundado em 1948.
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner