Por que o kidush é recitado sobre o vinho?Primeiro vou falar um pouco sobre o kidush. Nos Dez Mandamentos, a Torá nos ordena a “lembrar (zachor) o dia do Shabat para santificá-lo.”1 Isso nos ensina que devemos declarar verbalmente o Shabat como sagrado, o que é feito quando fazemos o kidush. O termo zachor é associado com vinho em vários locais na Escritura.2Assim, nossos sábios instituíram que essa mitsvá seja feita sobre o vinho. (Esta é também a razão para a Havdalá ser feita sobre o vinho.)3
O vinho – que é uma bebida de celebração – também serve para mostrar que a refeição que estamos para fazer não é apenas outra refeição regular, mas especial, alegre e festiva. (Este é o motivo principal para usar vinho no kidush diário.)4 Além disso, os rabinos no decorrer dos tempos têm oferecido mais motivos sobre por que o kidush é recitado especificamente sobre o vinho.

O Vinho Traz Alegria

O vinho tem um poder especial de alegrar o coração do homem. E quando é usado para um objetivo sagrado, como celebrar o Shabat, também “alegra a D'us.”5

Celebração de Casamento

O Zohar descreve o Shabat como a “noiva” do povo judeu. Assim como o contrato de casamento de uma noiva (chamado kidushin, “santificação”) é recitado sobre o vinho, também o kidush é recitado sobre o vinho.
Todas as bênçãos fluem da Torá, que é comparada ao vinho. Quando santificamos e abençoamos esse dia sagrado, é através do poder deste “vinho”. Isso é mencionado no versículo “Iremos lembrar Teu amor mais fragrante que vinho; eles Te amaram sinceramente.”6 A palavra hebraica para “mais que vinho” também pode ser traduzida como”do vinho”, i.e., o amor de D'us flui do poder do vinho – Torá.7

Retificando o Fruto Proibido

Os sábios nos dizem que Adam e Eva comeram o fruto proibido na tarde de sexta-feira.8 Devido à honra do Shabat, eles receberam uma suspensão do julgamento até o término do Shabat.9
Segundo muitas opiniões, o fruto proibido era uma uva.10 Retificamos o pecado quando fazemos uma bênção e usamos vinho de uva para uma mitsvá cerca da mesma hora em que o pecado ocorreu. (Tecnicamente, a pessoa pode aceitar o Shabat na tarde de sexta-feira.)11

O Valor Numérico

A palavra hebraica para vinho, iain, tem o valor numérico de 70 (10+10+50=70). Há 35 palavras12 nos versículos que cantamos antes do kidush,13 e outras 35 palavras na bênção de fato do kidush. Coloque-as juntas, e você tem 70 (35+35=70).14
Agora, se você pegar seu sidur e contar, pode descobrir que há 42 palavras na bênção do kidush. Algumas pessoas não pronunciam as sete palavras que se traduzem como “pois Tu nos escolheste e nos santificaste dentre todas as nações.” Outros, incluindo Chabad, falam aquelas palavras. Então como temos 35? Não contando as palavras iniciais Baruch atá… asher, pois são uma introdução geral para muitas bênçãos, e não únicas ao kidush. Mas sim, a contagem das palavras começa com a palavra kideshanu, onde começamos a discutir o tema de kidush: santificação.15

O Vinho de Mashiach

Celebramos o Shabat como um testemunho de D'us ter criado o mundo em seis dias e ter “descansado” no sétimo. Naquela hora, Ele separou vinho especial para ser usado na refeição que celebrará a vinda de Mashiach16 Assim como a semana de trabalho de seis dias culmina no Shabat, também os seis milênios de nosso trabalho para tornar o mundo uma morada para D'us culminam na era messiânica – “o dia que é o sagrado Shabat e tranquilidade, para toda a vida.”17
Que seja brevemente em nossos dias!