Header Ads

  • Breaking News

    Nos seus 70 anos de história, Israel surpreendeu o mundo

    Nos seus 70 anos de história, Israel surpreendeu o mundoEm novembro de 1947, um dia antes da esperada votação das Nações Unidas sobre a divisão da Palestina em estados árabe e judeu, a CIA, agência de inteligência americana, pediu ao então presidente Harry Truman que não apoiasse a ideia. 

    Os Estados Unidos teriam que defender o novo Estado judeu quando ele vacilasse, advertiu o memorando secreto da CIA, e "os judeus não resistirão por mais de dois anos". 

    Em 1947, quando a criação de Israel estava sendo negociada, a CIA advertiu o governo americano que um estado judaico não resistiria por mais de dois anos na região. 70 anos depois, a avaliação parece história antiga: Israel se tornou uma superpotência regional

    Vários meses depois, David Ben-Gurion, líder do movimento sionista socialista, estava prestes a declarar o estabelecimento do Estado de Israel. Sentado entre os cerca de dez homens que determinariam o destino do futuro país, ele se virou para um dos seus principais comandantes militares, Yigael Yadin, e perguntou se ele achava que um novo Estado judeu sobreviveria ao ataque militar que os árabes inevitavelmente lançariam. 

    Yadin, que mais tarde atuaria como chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel, respondeu que achava que o Estado judeu teria 50% de chance. Hoje, essas avaliações sombrias parecem história antiga. Israel celebra 70 anos e o sentimento predominante é de realização extraordinária. Os líderes judeus americanos ficaram indignados em 1948, quando Ben-Gurion chegou aos EUA e falou sobre o novo estado como o novo centro do mundo judaico; hoje, esse status não pertence a outro lugar que nao Israel.

    Em 1948 havia cerca de 650.000 judeus em Israel, que representavam cerca de 5% dos judeus do mundo. Hoje, a população judaica de Israel cresceu dez vezes e é de cerca de 6,8 milhões de pessoas. Cerca de 43% dos judeus do mundo vivem em Israel; essa população superou os judeus americanos há vários anos e hoje é a maior comunidade judaica do mundo. A taxa de natalidade de Israel, mesmo entre os judeus seculares, é maior do que a de qualquer outro país da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), e significativamente maior que a dos judeus americanos, que agora representam cerca de 34% dos judeus em todo o mundo. 
    Além da mera sobrevivência, o outro desafio que o jovem Estado judeu enfrentou foi alimentar e abrigar centenas de milhares de judeus que estavam migrando para suas fronteiras. Às vezes, o colapso financeiro parecia iminente. A comida foi racionada e os mercados negros desenvolvidos. Israel não tinha praticamente maquinário pesado para construir a infraestrutura de que precisava desesperadamente. Até a Alemanha pagar as reparações do Holocausto, a condição financeira do jovem Estado era perigosa. 
    Hoje, essa preocupação também parece uma relíquia de outro tempo. Israel não é apenas uma potência militar significativa (e, na região, uma superpotência), mas também uma máquina econômica formidável. Um centro mundial de tecnologia que tem mais empresas listadas na Nasdaq do que qualquer outro país que não seja os EUA, a economia de Israel deu poucos tropeços em 2008, auge da crise econômica mundial. O shekel, sua moeda, é forte. Como outros países, Israel tem uma preocupante diferença de renda entre ricos e pobres, mas os temores de um colapso econômico desapareceram. 
    Setup Timeout Error:
    Setup took longer than 30 seconds to complete.
    Israel tornou-se um importante centro cultural, vastamente desproporcional para um país cuja população se aproxima da de Nova York. Quando os cinco finalistas do prêmio literário Man Booker foram anunciados no ano passado, dois eram israelenses que escreviam em hebraico: David Grossman e Amos Oz. Grossman venceu. Desde que S.Y. Agnon recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1966, a cena literária israelense tem ido muito mais longe do que se esperava.
    Quando o estado foi fundado, Ben-Gurion tentou proibir completamente a televisão; ele pensou que isso teria um impacto deletério na educação e cultura israelenses. Ele falhou nessa tentativa, mas por décadas, Israel tinha apenas um canal de televisão. Hoje, americanos e europeus esperam ansiosamente por novos episódios de programas israelenses como "Fauda", enquanto outros (como "Homeland" e "The A Word") foram refeitos em séries americanas e britânicas.  

    Problemas persistentes 

    Na ocasião do Dia da Independência, os israelenses estão plenamente conscientes — e profundamente orgulhosos — do fato de que seu país excedeu as ambições dos homens e mulheres que o fundaram há sete décadas. 
    No entanto, algumas das preocupações e problemas iniciais desses primeiros anos persistem. Militarmente, o inimigo iminente não são os palestinos (com quem a paz permanece muito distante de se tornar realidade), mas o Irã. O exército israelense está se preparando para um possível ataque de mísseis ou drones iranianos. O apoio internacional a Israel continua sendo uma preocupação: em 1948, muitos judeus americanos estavam profundamente em conflito sobre a criação de um Estado judeu. A solidariedade acabou por crescer — mas a relação está cada vez mais tensa. 
    E os israelenses receberam um lembrete esta semana de que alguns dos males sociais que há muito tempo atormentam o país persistem. Vários dias atrás, o Haaretz, o jornal que é considerado o "registro oficial" de Israel, perguntou a seus escritores qual música israelense eles mais desprezam. Quando alguém respondeu que odeia o hino nacional, seguiu-se uma furiosa discussão no Twitter. A certa altura, uma mulher irritada por ter seu foco na segurança descartado pelos editores do Haaretz, twittou: "É graças à minha ideologia [de direita] que você vive como um rei neste país e pode escrever e distribuir seu jornal absurdo sem impedimentos". Amos Schocken, editor do Haaretz e filho de seu editor anterior, retrucou (em um tweet que ele posteriormente excluiu): "Sua mulher insolente. Minha família liderava o sionismo quando você ainda estava subindo em árvores. Haaretz está na família Schocken há 83 anos, nós fizemos um bom trabalho sem a sua ideologia e assim continuaremos". Haaretz é considerado um jornal de esquerda.
    Setenta anos depois de sua fundação, o Partido Trabalhista, que governou Israel por três décadas, praticamente não tem influência política. Há muitas razões para isso, mas sua reputação como um clã elitista de intelectuais europeus é um fator primordial. Nem os seguidores do Haaretz nem a maioria não-israelense tendem a mudar suas percepções a respeito do outro. Apesar das muitas questões em torno do estado judaico que entra em sua oitava década, o que parece quase certo é que não será o Partido Trabalhista do fundador Ben-Gurion, mas a outrora marginal e agora poderosa direita política que governará esta nação ainda jovem e fascinante no futuro próximo.
    *Gordis é vice-presidente sênior e membro da Fundação Koret no Shalem College, em Jerusalém. Autor de 11 livros, seu último é "Israel: uma história concisa de uma nação renascida".

    Um comentário:

    1. Israel é uma nação a ser amada, porque seu governo não é TEOCRATICO e sua eleição divina condicinou todos os povos a salvação.
      #amoIsrael

      ResponderExcluir

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Loading...
    Web Statistics