Header Ads

  • Breaking News

    Israel x Irã

    Israel x Irã Nas últimas semanas as tensões nas relações iraniano-israelenses têm se agravado. O Irã aumenta sua presença na Síria e a atividade das formações "voluntárias" xiitas de muitos países e do movimento Hezbollah, hostil a Israel.

    Recentemente, o Irã bombardeou objetivos israelenses nas Colinas de Golã. No entanto, a resposta de Israel foi muito rápida: 28 aviões da Força Aérea de Israel atacaram 50 objetivos iranianos na Síria — sistemas antiaéreos, bases, quartéis-generais e subunidades das forças especiais do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica.

    Israel não vai admitir a presença militar do Irã e os seus aliados na Síria. As autoridades israelenses fizeram várias vezes alusões ao presidente sírio, Bashar Assad, que a expulsão do Irã do território sírio seria a base para umas boas relações com Tel Aviv.

    Muitos especialistas por todo o mundo se perguntam se as ações violentas podem passar para o território israelense ou iraniano e provocar uma guerra à escala regional.

    Israel é apoiado pelos EUA e Arábia Saudita, que consideram pressão sobre o Irã como seu objetivo-chave da política no Oriente Médio. Essa foi a razão pela qual o presidente norte-americano, Donald Trump, se retirou do acordo nuclear iraniano.
    É muito provável que, após o colapso do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA na sigla em inglês), o Irã retome seu programa nuclear, incluindo o seu componente militar, o que dará um motivo a Israel para reforçar as medidas rigorosas contra o Irã. E neste caso ninguém pode garantir que o conflito não se alastre ao território do Irã.

    A edição Global Fire Power comparou o poderio militar dos dois países com base em informações da CIA. Os resultados são os seguintes: o orçamento militar do Irã equivale a 6,3 bilhões de dólares (23 bilhões de reais), enquanto o de Israel é de 20 bilhões de dólares (73 bilhões de reais). O efetivo militar ativo do Irã supera quase três vezes o de Israel, embora na reserva esse número é mais ou menos igual. As despesas militares per capita israelenses são 30 vezes maiores do que as iranianas e constituem 2.410 dólares (8.800 reais). Também o número de tanques israelenses é superior: 2.760 contra 1.650 iranianos. No entanto, Teerã tem mais navios de guerra, mas um pouco menos aviões militares.
    Mas o principal não é o número, mas as características qualitativas das armas e equipamentos militares. Já que uma guerra terrestre é pouco provável por causa do número de população muito diferente, a guerra pode ser travada com mísseis, aviação ou, talvez, com participação da Marinha.
    Para o Irã uma guerra terrestre também seria difícil, já que a distância entre a retaguarda iraniana e a provável frente iraniano-israelense em território sírio é muito grande.

    Os analistas notam que a qualidade das armas e equipamentos militares de Israel supera a qualidade dos do Irã. Por exemplo, os aviões de combate do exército iraniano são bastante obsoletos, muitos não estão operacionais.

    No caso de Israel, os aviões que estão em serviço do seu exército foram criados nos EUA com participação direta de especialistas israelenses, por isso, a Força Aérea de Israel entra no top cinco das mais poderosas no mundo junto com os EUA, Rússia, China e Reino Unido.

    Falando das forças navais, mais uma vez a comparação é desvantajosa para Teerã. Tendo um número maior de navios de guerra, o país cede ao inimigo potencial na sua qualidade.

    Além do mais, vale lembrar que Israel é uma potência nuclear, o que foi anunciado ainda em 1998. Segundo algumas avaliações, Israel tem de 100 a 500 ogivas nucleares cujo equivalente total em trotil seria de 50 megatons. Israel também possui o sistema antimíssil Cúpula de Ferro multiníveis, que mostrou sua eficácia na luta contra os mísseis do Hezbollah e Hamas.
    A supremacia militar israelense é bem visível, mas conforme disse Rachel Brandenburg, chefe da Iniciativa de Segurança no Médio Oriente Atlantic Council, ambos os países percebem "que o preço da guerra para cada país seria alto. No caso do Irã, também para as forças controladas por ele na Síria e Líbano".
    Por isso, as relações bilaterais representam uma espécie de contenção mútua, mas isso não significa que os confrontos que temos observado entre Israel e o Irã terminem ou sejam menos arriscados, e é muito provável que as tenções continuem a se agravar.

    Nenhum comentário

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Web Statistics