Header Ads

  • Breaking News

    Um antigo livro sagrado simboliza o destino dos judeus de Sarajevo

    Um antigo livro sagrado simboliza o destino dos judeus de Sarajevo

    A sinagoga do Jewish Society Center em Sarajevo. 

    Muitas das suas antigas congregações não sobreviveram ao Holocausto.

    Um antigo livro sagrado simboliza o destino dos judeus de Sarajevo Eli Tauber, um pilar da comunidade judaica de Sarajevo, esperou ansiosamente que os adoradores chegassem à sinagoga, pois deve haver pelo menos 10 homens presentes antes de iniciar as orações do sábado. Para o grande alívio do historiador, 11 homens e uma mulher, a maioria idosos, apresentaram o serviço liderado por um homem local que representa os judeus no conselho ecumênico da Bósnia. 

    O rabino vive em Israel e só vem a Sarajevo para os feriados da Páscoa judaica e do Ano Novo. Não mais de 800 judeus ainda vivem na capital da Bósnia, de acordo com o líder de 74 anos de sua comunidade, Jakob Finci. Antes da Segunda Guerra Mundial, eles totalizavam cerca de 12.500, representando 15 a 20 por cento da população da cidade, mas muitos morreram durante o Holocausto. Ainda os judeus continuam a ser parte da identidade multicultural e religiosa de Sarajevo ao lado dos sérvios ortodoxos, dos croatas católicos e dos muçulmanos da Bósnia. 

    O símbolo da história dos judeus da Bósnia é um tesouro do século XIV – o famoso livro sagrado de Haggadah de Sarajevo, contendo o texto bíblico do Êxodo lido pelos judeus na Páscoa. O antigo manuscrito sobre pele de vaca branqueada, iluminada em cobre e ouro, foi exibido permanentemente no Museu Nacional da Bósnia desde o mês passado. – Chamas da Inquisição – Os ancestrais dos judeus de Sarajevo primeiro encontraram refúgio na Bósnia, em seguida, parte do Império Otomano, depois de ter sido expulso da Espanha pela realeza católica romana em 1492. A Hagadá veio com os judeus sefarditas que fogem da Espanha, originando-se provavelmente da região perto de Barcelona. 

    De acordo com Tauber, foi levado a Sarajevo no século 17, escapando das chamas da Inquisição. Então, no final do século 19, uma família judaica em dificuldade financeira vendeu o livro sagrado ao museu nacional. Durante a Segunda Guerra Mundial, Sarajevo foi aterrorizado pelos alsistas ustasha, croatas dos nazistas alemães que controlavam a Bósnia. Quando um oficial alemão chegou ao museu para buscar a Hagadá, “seu diretor Jozo Petrovic, um homem inteligente, respondeu que outro oficial o tirou no dia anterior”, disse à AFP o historiador Enver Imamovic, de 77 anos. 

    A Hagadá estava escondida dos nazistas sob o limiar de uma cabana montanhosa perto de Sarajevo. Entretanto, os judeus da cidade foram arredondados e agrupados nas sinagogas “antes de serem transportados para os campos de concentração”, disse Zanka Dodig, curadora do Museu Judeu, alojada na mais antiga sinagoga de Sarajevo. Os nomes de cerca de 12 mil judeus que nunca retornaram estão listados em um grande livro pendurado em uma corda do teto do Grande Templo, a sinagoga construída em 1581 ao lado da famosa Mesquita Bey da cidade. 

    Depois de sobreviver a séculos de turbulência, a Haggadah foi roubada por um empregado do museu nacional endividado em 1954, mas o tesouro medieval foi recuperado “na fronteira com a Itália”, disse Imamovic. Em junho de 1992, durante a guerra da Bósnia após a ruptura da Jugoslávia, quando os sérvios começaram a bombardear Sarajevo em um cerco de três anos e meio, Imamovic pegou a Haggadah e colocou-a em um cofre no banco nacional. 

    Quando o conflito terminou em 1995, a Haggadah foi exibida apenas em ocasiões especiais. Mas agora, uma vitrine segura e climatizada financiada pelo governo francês colocou o livro sagrado em exibição permanente. – “Um bom sinal” – O premiado na literatura iugoslava Ivo Andric escreveu que a Bósnia, “onde quatro religiões diferentes vivem próximas umas das outras, precisariam quatro vezes mais amor, compreensão mútua e tolerância do que outros países”. Esse sonho raramente foi a realidade, mas os judeus de Sarajevo ainda expressam otimismo. “Eu realmente considero Sarajevo uma cidade judaica desde que os judeus encontraram alguma paz aqui”, disse Tauber. 

    As portas da sinagoga Ashkenazi de quatro torre, construída em 1902 nas margens do rio Miljacka, estão “sempre abertas … Ninguém pede um bilhete de identidade, ao contrário (sinagogas) em Zagreb ou Belgrado”, afirmou. Embora poucos adoradores possam ser encontrados em serviços, o líder da comunidade, Finci, quer acreditar que a história dos judeus de Sarajevo continuará. Certamente, ele disse: “pela primeira vez em mais de 450 anos, há menos de 1.000 judeus em Sarajevo”. 

    Durante a guerra interétnica da Bósnia, na década de 1990, dois terços dos 1.500 judeus estimados fugiram do país. Mas 40 por cento desses já retornaram e não há mais partidas, observou Finci. “Em 2016, havia 12 recém-nascidos, em 2017 um pouco menos, mas é um bom sinal”.

    Fonte: Jornal de Goiânia –

    Nenhum comentário

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Loading...
    Web Statistics