Header Ads

  • Breaking News

    Islândia propõe banir a circuncisão em grupos religiosos

    Coisas Judaicas- CircuncisãoIslândia propõe banir a circuncisão em grupos religiosos.

    Islândia é o lar de muito poucos judeus e muçulmanos, tornando a proibição proposta de circuncisão em grande parte simbólica.


    Uma proibição proposta na Islândia sobre a circuncisão masculina, em defesa dos direitos dos bebês e dos meninos, provocou raiva entre os líderes das três principais religiões do mundo. Se a proibição for passada, seria uma primeira na Europa, onde a circuncisão masculina é rara fora das comunidades judaica e muçulmana. A proposta foi apresentada pela deputada do Partido Progressista, Silja Dogg Gunnarsdottir, que comparou a circuncisão de meninos com a prática internacionalmente condenada de mutilação genital feminina (MGF). 

    E exige uma pena de prisão de seis anos para qualquer pessoa que provoque “danos ao corpo ou à saúde de uma criança, removendo todo ou parte de seus órgãos sexuais”. A FGM, que afeta mais de 200 milhões de meninas e mulheres vivas hoje em todo o mundo, foi proibida na Islândia desde 2005. Mas não há legislação equivalente para a remoção ritual do prepúcio de um menino, que é praticado por uma maioria de judeus e muçulmanos, e que é generalizada na América do Norte para fins higiênicos. “Devemos ter a mesma lei para todas as crianças”, disse Gunnarsdottir, que apresentou um rascunho inicial da lei ao parlamento da Islândia, o Althing, em 30 de janeiro. 

    A menos que seja justificada por razões de saúde, a lei proposta diz que a circuncisão é “uma violação dos direitos” dos meninos, citando a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança. O artigo 24 do tratado exorta os Estados a “tomar todas as medidas efetivas e apropriadas com o objetivo de abolir práticas tradicionais prejudiciais à saúde das crianças”. A lei de Gunnarsdottir procuraria alterar a legislação atual sobre a MGF, substituindo a palavra “garota” por “criança”. 

    – “Ataque à liberdade religiosa” – A proposta é em grande parte simbólica: o país de 348.580 pessoas é o lar de muito poucos judeus e muçulmanos. As duas associações muçulmanas da Islândia contam menos de 1.000 membros, de acordo com o instituto nacional de estatísticas, enquanto existem apenas cerca de 250 judeus no país. 

    E há apenas cerca de 20 circuncisões realizadas na ilha sub-ártica desde 2006, de acordo com as autoridades de saúde islandesas. Como a circuncisão não é uma prática comum na cultura islandesa, e como pais que desejam ter seus filhos circuncidados são confrontados com médicos reticentes, acredita-se que muitos pais levem seus filhos para o exterior para que tenham o procedimento realizado. 

    Ainda assim, líderes religiosos criticaram a proposta por ser inaceitável. “O projeto de lei é um ataque perigoso contra a liberdade de religião” e corre o risco de “estigmatizar certas comunidades religiosas”, disse o cardeal Reinhard Marx, chefe da igreja católica na União Européia. “A criminalização da circuncisão é uma medida muito grave que suscita profunda preocupação”, afirmou.



    Nenhum comentário

    Deixe sua opinião

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad

    Loading...
    Web Statistics