Síria: Ajuda humanitária em troca de sexo

Síria: Ajuda humanitária em troca de sexoMulheres são exploradas sexualmente em troca de ajuda humanitária.

Outros trabalhadores afirmam que homens trocam comida e caronas por favores sexuais.

Mulheres na Síria estarão a ser exploradas sexualmente por homens encarregados de lhes entregar ajuda em nome das Nações Unidas e de outras associações de ajuda internacionais. Segundo alguns funcionários denunciaram à BBC, esses homens trocam comida e caronas por favores sexuais.
Apesar de avisos constantes sobre abusos há três anos, um novo relatório 'Vozes da Síria 2018' demonstra que este tipo de exploração continua a existir no sul do país.

As agências das Nações Unidas e as restantes associações afirmaram ter tolerância zero para casos de exploração, negando estarem a par de qualquer caso de abuso na região.

Segundo funcionários revelaram à BBC, a exploração sexual está de tal forma por toda a parte no país que há mulheres sírias se recusando a procurar centros de distribuição. Isto porque as pessoas automaticamente assumiriam que tinham oferecido o seu corpo em troca da ajuda que haviam trazido para casa.

                                         Que tal aprender hebraico?

Um dos trabalhadores ainda declarou que algumas agências humanitárias estão a ignorar deliberadamente o que se passa, já que usar terceiros e agentes locais é a única forma de levar ajuda às zonas mais perigosas da Síria - onde a ajuda internacional não conseguia chegar.

Segundo o relatório, o grupo de mulheres mais vulneráveis à exploração sexual seria o das mulheres viúvas ou divorciadas, sem um homem para protegê-las. No entanto, apesar do relatório ser referente a este ano, tais casos já têm sido reportados desde 2015.
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião