Por que tiroteios em escolas são raros em Israel

Por que tiroteios em escolas são raros em IsraelPor que tiroteios em escolas são raros em Israel, país onde as armas estão em todos os lugares.

Depois do massacre em Parkland, Israel está sendo citado como um exemplo positivo quanto à segurança das escolas. A cultura em relação às armas e o rigor para o licenciamento ajudam a explicar por quê.

Depois do massacre que matou 17 pessoas em uma escola em Parkland, alunos, pais e professores americanos citaram o exemplo de Israel ao pedir que presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tome uma atitude em relação aos tiroteios em escolas. Israel é um país onde armas são bastante comuns, mas tiroteios em escolas são praticamente inexistentes.

Durante uma reunião na Casa Branca na semana passada, um pai apontou, corretamente, que é muito difícil um estranho entrar em uma escola israelense. A maioria das instituições de ensino costuma manter apenas uma entrada aberta - e com segurança armado. 

Mas as escolas do país escapam da violência tipicamente americana em grande parte por causa de medidas tomadas para enfrentar um desafio de segurança muito particular de Israel – e não como esforços para barrar jovens perturbados. 

"Os guardas estão lá por outros motivos, principalmente por causa do terrorismo", disse Amos Shavit, porta-voz do Ministério da Educação. Segundo ele, os guardas posicionados nas escolas estão sob comando da polícia. Em cidades maiores, polícia e autoridades locais fazem patrulhas de segurança em torno de instituições educacionais durante o período letivo. 

Não existem detectores de metais ou cadeados especiais em salas de aula. E, por política, professores não andam armados. 

"Profissionais de segurança lidam com a segurança", disse Shavit. "Não professores". 

Especialistas israelenses em segurança também dizem que a violência causada por armas de fogo é incomum no país principalmente porque armas em mãos de cidadãos comuns são raras. De acordo com informações do Ministério de Segurança Interna de Israel, responsável pelo registro de posse de armas de fogo, cerca de 260 mil pessoas (3,5% da população) têm permissão para portar armas de fogo. Metade desse número é composta por civis, enquanto a outra metade trabalha em empresas de segurança.

Restrição de idade e cultura

O pai de um dos sobreviventes do massacre na Flórida, Cary Gruber, também acertou ao dizer que o país tem restrições etárias rígidas para a posse de arma. De acordo com o site do governo de Israel, civis precisam ser maiores de 27 anos para obter a licença, com exceção daqueles que saíram recentemente do serviço militar. Israelenses servem o exército entre 18 e 21 anos. 

Simon Perry, um criminologista na Universidade Hebraica de Jerusalém, disse que existem poucas oportunidades para alguém atacar com armas de fogo uma escola israelense, assim como acontece com frequência nos Estados Unidos. Os guardas mantém um controle de todos que entram nas instituições, entretanto não verificam as mochilas dos alunos – principalmente porque a cultura de armas é diferente em Israel. 




"A maioria das israelenses vai para o exército. Mesmo aqueles que não se tornaram soldados combatentes receberam treinamento para mexer com armas. Eles aprendem como lidar com uma arma e respeitá-la", afirma Perry, acrescentando que "é muito difícil conseguir uma arma em Israel". 

Para estrangeiros, pode parecer que Israel é um país extremamente armado. Isso se dá porque soldados armados são vistos com frequência nas ruas e porque integrantes de tropas de combate carregam suas armas o tempo todo. 

Requisições para a compra de armas 

Mas depois que um israelense termina o serviço militar, é muito difícil conseguir uma arma. 
Os interessados devem entregar vários documentos, fornecer seus registros militares e relatórios médicos. Também precisam fornecer uma justificativa para a aquisição de uma arma. Moradores de Tel Aviv, por exemplo, recebem menos licenças para ter armas, enquanto israelenses que moram em regiões de fronteira ou outros lugares que podem ser alvos de militantes palestinos têm mais chances de conseguir a aprovação. 

Soldados aposentados de uma hierarquia maior, ex-policiais, bombeiros, socorristas, veteranos de forças especiais e motoristas de transportes públicos licenciados também podem solicitar posse de arma. 

Depois da emissão da licença, as exigências continuam rígidas. Existem regulamentações quanto ao tipo de arma, quantidade de munição e até mesmo onde elas podem ser armazenadas (em cofres fechados). Se a pessoa for sair do país por mais de uma semana, também existe um processo de checagem de armas com a polícia. 

Janet Rosenbaum, professora assistente de epidemiologia na Escola de Saúde Pública da Universidade Estadual Downstate, analisou a diferença entre taxas de homicídio entre Israel e EUA. Escrevendo para o New York Post, ela afirmou que a pesquisa mostrou que o Israel ocupa a 81ª posição no ranking de posse de arma per capita – menos de um em cada 10 israelenses tem uma arma de fogo própria. Os EUA, que tem uma arma de fogo por pessoa, é o primeiro do ranking.

Traduzido por Gisele Eberspächer
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner