26/02/2018

O governo polonês recua na lei sobre o Holocausto

O governo polonês recua na  lei sobre o Holocausto
1º Ministro polonês

O ministro polaco da Justiça, Zbigniew Ziobro, que também atua como promotor geral do país, anunciou que o governo não abrirá processos criminais contra aqueles que violam a nova lei do Holocausto até que o tribunal constitucional da Polônia tome uma decisão sobre a legislação. 

O Ministério das Relações Exteriores israelitas interpretou sua declaração como "progresso substancial" para chegar a uma solução para a crise que entrou em erupção após a aprovação da lei. A pressão gerada pelos Estados Unidos e a União Européia, que advertiu que a lei isolará a Polônia de países democráticos, também contribuiu para essa reversão.

O ministério disse que o embaixador de Israel na Polônia, Anna Azari, se encontrou com Ziobro há alguns dias. De acordo com o ministério, a reunião abriu o caminho para uma visita de uma delegação polonesa para discutir a crise em relação à lei, que os críticos dizem que é uma tentativa de encobrir o papel dos poloneses no Holocausto. 

"Como parte das negociações, os obstáculos à reunião dos dois governos foram eliminados", disse o ministro em referência ao compromisso de Ziobro de não cumprir a lei.

A nova lei proíbe atribuir publicamente e falsamente os crimes da Alemanha nazista à nação polaca. Os delinquentes podem ser punidos com até três anos de prisão. A lei também proíbe o uso do termo "campo de extermínio polonês" para descrever os campos de extermínio onde judeus e outros foram assassinados na Polônia ocupada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. 
Em uma entrevista com a imprensa polonesa, Ziobro reiterou a linha oficial de que apenas um punhado de polacos cooperou com os nazistas: "É verdade que nem todos os polacos se comportaram decentemente durante a ocupação alemã. Também tivemos uma pequena classe criminal marginal, que foi especialmente visível nas pequenas cidades, mas sua culpa não pode ser atribuída à nação como um todo ".
Ele também acrescentou que "estima-se que dezenas de milhares de poloneses perderam a vida por esconder judeus", mas nenhum deles citou uma fonte para apoiar essa afirmação.

Depois que a lei foi autorizada, a crise entre a Polônia e Israel piorou. As tensões foram estimuladas pelas declarações dos líderes poloneses. 

Por exemplo, o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, chegou a afirmar que, como havia polacos colaboradores, havia "perpetradores judeus" no Holocausto. 
A nova declaração, publicada pelo porta-voz do primeiro-ministro, argumenta que "de forma alguma ele pretende negar o Holocausto, nem acusar as vítimas judeus do Holocausto de responsabilidade pelo que foi um genocídio perpetrado pelos nazistas".

Compartilhe

Author:

Blog Judaico - Tudo sobre Israel, judaísmo, cultura e o mundo judaico.

0 comentários: