Exposição em Jerusalém revela os horrores da Segunda Guerra

Exposição em Jerusalém revela os horrores da Segunda Guerra
Olhar. Segundo consultor da exposição, mostra é
“sobre o uso da fotografia durante o Holocausto”
Jerusalém. No coração do memorial do Holocausto de Israel, em Jerusalém, fotografias que glorificam Hitler e desumanizam os judeus são exibidas ao lado de imagens angustiantes de guetos judaicos e da libertação dos campos de concentração. As imagens exibidas no memorial Yad Vashem fazem parte de uma nova exposição que combina fotos tiradas por perpetradores nazistas, vítimas judias e membros das forças aliadas que testemunharam os horrores dos campos de concentração em primeira mão no final da Segunda Guerra Mundial.

A exposição, chamada “Flashes de Memória”, abriu na quarta-feira (24), antes do Dia Internacional da Memória do Holocausto, celebrado em 27 de janeiro. As diferentes perspectivas oferecem um olhar complexo sobre o Holocausto, da propaganda nazista a fotografias que mostram o sofrimento nos campos de extermínio. “A documentação visual durante o Holocausto moldou a forma como percebemos o episódio e o analisamos, e afetou a maneira como este foi gravado na memória coletiva”, disse Vivian Uria, diretora da divisão de museus de Yad Vashem, que organizou a mostra. “A câmera e sua força manipuladora têm habilidades de grande alcance para influenciar”.
A exposição inclui 1.500 fotos, das quais 450 são exibidas nas paredes, com 17 vídeos. Há também recortes de jornais, cartazes e câmeras. “Nós projetamos o espaço como uma câmera escura”, disse Yossi Karni, da Design Mill, uma empresa envolvida na exposição. Linhas de fotos ordenadas em paredes pretas trazem à mente o filme em uma câmera, e as paredes arredondadas que separam os espaços interiores fazem alusão à curva da câmera segurando um rolo de filme. Entre todas as seções há mesas de luz contendo centenas de imagens.
A exposição em si é dividida em seções separadas que tratam de diferentes períodos e temas, começando com imagens pré-guerra de alemães glorificando oficiais e valores nazistas, com outras imagens que desumanizam os judeus. Mais adiante há fotografias da vida nos guetos judeus da Polônia, criados pelos nazistas depois que ocuparam o país, em 1939. As imagens foram tiradas por fotógrafos alemães oficiais para mostrar como eles estavam usando os judeus para o esforço de guerra enquanto os “reeducavam” para uma vida de produtividade.
Outra seção mostra fotos tiradas em guetos por soldados e civis alemães, que oferecem um vislumbre mais autêntico da vida nos enclaves judeus. “Queríamos expor o sofrimento, o que realmente aconteceu nos guetos”, disse Uria. “A pobreza, a fome, as doenças, a morte”. Os judeus obrigados a colaborar com os ocupantes alemães também tiraram fotografias que mostram a produtividade dos guetos, imagens que buscavam impedir a deportação de judeus para os campos de concentração.
Fotos tiradas secretamente pelos mesmos fotógrafos mostraram a sombria realidade dos guetos. A última seção da exposição mostra fotos e filmes feitos por soldados soviéticos, americanos e britânicos nos campos de extermínio que eles libertaram. “Antes de mais nada, lembro-me das filmagens”, disse Tomy Shacham, um sobrevivente de Auschwitz que participou da abertura da exposição.
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner