Donald Trump nega ser racista no dia de Martin Luther King - Coisas Judaicas

Coisas Judaicas

Blog judaico

Post Top Ad

Donald Trump nega ser racista no dia de Martin Luther King

Donald Trump nega ser racista no dia de Martin Luther King

Share This
Donald Trump nega ser racista no dia de Martin Luther King
 O presidente Donald Trump  durante um evento para
honrar o  Dr. Martin Luther King Jr., na sala
Roosevelt da Casa Branca,
12 de janeiro de 2018, em Washington.
O presidente americano Donald Trump voltou a negar veementemente ser uma pessoa racista, após declarações polêmicas sobre vários países, no dia em que os Estados Unidos celebram o herói dos direitos civis Martin Luther King Jr.
A polêmica dominou o debate sobre o status de milhares de imigrantes nos Estados Unidos, sobre o qual um acordo no Congresso parece cada vez mais improvável.
"Não sou racista. Sou a pessoa menos racista que vocês já entrevistaram. Isso eu posso afirmar para vocês", disse o presidente aos jornalistas reunidos no Trump International Golf Club de West Palm Beach, na Flórida, onde jantava com o líder da bancada republicana da Câmara de Representantes, Kevin McCarthy.
Na quinta-feira passada, durante uma reunião na Casa Branca com congressistas republicanos e democratas sobre a reforma migratória, o presidente teria chamado países africanos, Haiti e El Salvador de "países de merda".
Na sexta, Trump se defendeu e negou, no Twitter, ter-se referido dessa forma - conforme noticiado pelos jornais "The Washington Post" e "The New York Times" - a esses países. Um senador do Partido Democrata que participou do encontro confirmou, porém, as declarações do presidente.
Desde que entrou para a política, em junho de 2015, foi muitas vezes taxado de racista.
Durante sua campanha, ele acusou o México de enviar aos Estados Unidos criminosos, particularmente "estupradores", desencadeando uma onda de indignação.
Também atacou várias vezes a comunidade muçulmana, chegando a retuitar vídeos anti-muçulmanos de origem duvidosa.
Em agosto, não condenou de forma clara as manifestações neonazistas que terminaram com a morte de uma mulher, atropelada intencionalmente por um supremacista branco.
- 'Dreamers' em perigo -
Nesta segunda-feira, muitos foram aqueles que recorreram às palavras do pastor Martin Luther King Jr., homenageado por um feriado nos Estados Unidos, em mensagens ao presidente.
"Nada no mundo é mais perigoso do que a ignorância sincera e a estupidez consciente", tuitou Dwight Evans, um legislador democrata, evocando o "clima político tenso".
Enquanto milhares de eventos estavam previstos para acontecer em todo o país para homenagear o herói da luta pelos direitos civis, assassinado em 4 de abril de 1968, muitos criticavam a ausência de Donald Trump durante as comemorações.
Em uma mensagem de vídeo gravada e postada em sua conta no Twitter nesta segunda-feira, ele menciona o pastor e pede para "perpetuar sua mensagem de justiça, igualdade e liberdade".
Antes de homenagear o herói do dia, o presidente questionou o desejo dos democratas do Congresso de chegar a um acordo sobre o programa Daca, o programa Ação Diferida para os Chegados na Infância, criado por Barack Obama para permitir que os imigrantes ilegais que chegaram ainda crianças nos Estados Unidos estudem e trabalhem no país.
"Parece normal que Trump comece o dia citando ele mesmo, ao invés de Martin Luther King Jr., por exemplo", tuitou o colunista Bill Kristol, do semanário conservador The Weekly Standard.
Donald Trump propôs à oposição um pacto que oferece uma solução aos "Dreamers", beneficiários do programa Daca que ele revogou, em troca do financiamento de medidas para fortalecer o controle na fronteira mexicana, incluindo a construção de um muto entre os dois países.
"Estamos prontos, dispostos e em condições de chegar a um acordo sobre o Daca", garantiu Trump.
Mas "não acredito que os democratas queiram chegar a um acordo. Os beneficiários do DACA deveriam saber que os democratas são os que não vão chegar a um acordo", alfinetou.
Na semana passada, um juiz federal da Califórnia suspendeu a revogação do programa Daca, que deveria acontecer em março.
Para Trump, os congressistas democratas "não querem segurança na fronteira".
"Tem gente entrando aos montes. Não querem deter as drogas e querem tirar dinheiro dos nossos militares, algo que não podemos fazer", acrescentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião

Post Bottom Ad

Pages

Real Time Web Analytics