ONU condena decisão dos EUA sobre Jerusalém com voto do Brasil

ONU condena decisão dos EUA sobre Jerusalém com voto do BrasilONU condena por ampla maioria a decisão dos EUA sobre Jerusalém.

Mais de 120 países membros votaram a favor de resolução contra o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel.
sembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) adotou nesta quinta-feira (21), por uma ampla maioria, uma resolução que condena o reconhecimento por Washington de Jerusalém como a capital de Israel.
Dos 193 países membros, 128 votaram a favor dessa resolução, incluindo o Brasil, e 9 contra.
Argentina, Austrália, Canadá, Croácia, Colômbia, Hungria, Letônia, México, Filipinas, Panamá, Paraguai, Polônia, República Tcheca foram alguns dos 35 países que se abstiveram.
A Ucrânia, que apoiou o projeto de resolução no Conselho de Segurança, estava entre os 21 países que não se apresentaram para a votação.

Países contra a resolução da ONU
Guatemala
Honduras
Ilhas Marshall
Micronésia
Nauru
Palau
Togo
Estados Unidos
Israel
"Esse dia será lembrado", ameaçou a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley. Ela deixou claro que os EUA não se esqueceriam de países que votaram a favor da resolução.
"A América colocará nossa embaixada em Jerusalém", disse. "Nenhum voto nas Nações Unidas fará qualquer diferença nisso".

ONU condena decisão dos EUA sobre Jerusalém com voto do Brasil
Painel da Votação
Esse posicionamento de Haley está de acordo com a declaração de Donald Trump nesta quarta-feira (20). Ele prometeu acompanhar a votação dos países membros de perto. 

O presidente americano chegou a ameaçar que cortaria a ajuda financeira aos que votassem a favor do projeto de resolução da ONU. Além do reconhecimento da cidade como capital israelense, os EUA também declararam que devem transferir a embaixada para Jerusalém.

"Eles tomam centenas de milhões de dólares e até bilhões de dólares, e depois eles votam contra nós. Bem, nós estamos observando esses votos. Deixe-os votar contra nós. Nós vamos economizar muito. Nós não nos importamos", disse Trump a repórteres na Casa Branca.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, comemorou a decisão majoritária dos países membros.

"Esta decisão reafirma que a justa causa dos palestinos tem o apoio internacional (...) Vamos prosseguir com os nossos esforços na ONU e em outros fóruns internacionais para acabar com a ocupação (israelense) e criar um Estado palestino tendo Jerusalém Oriental como capital".

Já o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarou estar satisfeito com o número de países em abstenção.

"Em Israel, nós rejeitamos esta decisão da ONU e reagimos com satisfação diante do número importante de países que não votaram a favor", afirmou o primeiro-ministro em um comunicado.

Movimento polêmico dos EUA

O reconhecimento


de Jerusalém como capital de Israel e a mudança da Embaixada dos EUA em Israel para a cidade são movimentos delicados e que causam muita polêmica no cenário internacional.
Israel considera Jerusalém sua capital eterna e indivisível. Mas os palestinos reivindicam parte da cidade (Jerusalém Oriental) como capital de seu futuro Estado.
ONU condena decisão dos EUA sobre Jerusalém com voto do BrasilApesar de apelos por parte de líderes árabes e europeus, e de advertências que a decisão poderia desencadear uma onda de protestos e violência, Trump declarou que adota uma nova abordagem, considerando que mesmo com a postura anterior dos EUA, a paz na região até hoje não foi atingida.

Atualmente, a maioria dos países mantém suas embaixadas em Tel Aviv, justamente pela falta de consenso na comunidade internacional sobre o status de Jerusalém. A posição da maior parte da comunidade internacional, e dos Estados Unidos até o anúncio de Trump, é a de que o status de Jerusalém deve ser decidido em negociações de paz.

No conflito entre Israel e palestinos, o status diplomático de Jerusalém, cidade que abriga locais sagrados para judeus, cristãos e muçulmanos, é uma das questões mais polêmicas e ponto crucial nas negociações de paz.
Share on Google Plus

About Coisas Judaicas

No Coisas Judaicas, fazemos de tudo para manter nossos amigos e visitantes bem informados. Todo mês, mais de 45 mil visitantes do mundo inteiro procuram nosso Blog para ler sobre:Judaísmo, Israel e o mundo judaico. É a nossa missão

3 Comentários:

  1. Infelizmente meu país, por orientação de parvos estupidos, votou contra Israel! Estamos em situação delicada e ainda adotamos, de forma irresponsável, este tipo de “postura”!! Tristíssimo!

    ResponderExcluir
  2. O povo brasileiro é por Israel. O Temer, o Aluísio Nunes e os políticos corruptos é que não são. Viva Israel.

    ResponderExcluir
  3. É INTERRESSANTE ESTA DISCUSSÃO. O JUDAÍSMO FOI CRIADO 600 ANOS ANTES DO CRISTO . DO LADO ASIÁTICO, SURGE O BUDISMO TAMBÉM. 600 ANOS DEPOIS SURGE O CRISTO, DE ORIGEM JUDAICA E A DENOMONAÇÃO CRISTÃ. 6OO ANOS DEPOIS SURGE O ISLAMISMO. ENTÃO SE VIRMOS TAIS FATOS EM TERMOS DE ANCESTRALIDADE, TEMOS OS PAIS (JUDAÍSMO E BUDISMO), OS FILHOS (CRISTIANISMO) E OS NETOS (ISLAMISMO).O QUE NÃO DÁ PARA ENTENDER É O NETO NEGAR A ANCESTRALIDADE DOS AVÓS E CONTRARIAMENTE, QUERE MATAR CONCRETAMENTE O AVÔ PARA SE POR EM SEU LUGAR!! É UM FATO HISTÓRICO O QUAL NÃO PODEMOS NEGAR OU NOS FURTAR A ACEITÁ-LO, POIS HÁ COMPROVAÇÕES ´CIENTÍFICAS DEWSTES FATOS.EN HOJE TEMOS A GENÉTICA PARA PROVAR QUE O CHAMADO POVO PALESTINO QUANDO NÃO É ÁRABE É DE ORIGEM FENÍCIA, OU SEJA, LIBANESA! MAS PARECE QUE QUEREM NEGAR A HISTÓRIA E REESCREVÊ-LA DE MODO A BENEFICIAR A UM DETERMINADO GRUPO ÉTNICO, EM DETRIMENTO DOS FATOS HISTÓRICOS E DA JUSTIÇA! QUANTO À VOTAÇÃO DO BRASIL, O QUE ESPERAR-SE-IA DO GOVERNO --CORRUPTO-- DE UM POVO CUJA MAIORIA MAL SABE LER???

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião

[Fechar]

Receba gratuitamente o melhor conteúdo do Coisas Judaicas no seu e-mail e fique sempre atualizado.

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner